A tecnologia e o fim do emprego

Não! A tecnologia não é responsável pela diminuição no número de empregos. Na Revolução Industrial aconteceu o mesmo movimento, ou seja, as máquinas acabaram com milhares de empregos na agricultura, mas abriram outras tantas oportunidades na indústria recém-surgida. Há uns 20 dias atrás escrevi um artigo chamado “O fim da concorrência”, no qual discuti a evolução da concorrência entre as corporações. A concorrência no futuro será entre cadeias produtivas, entre grupos organizados, e não mais uma disputa pontual entre empresas. Portanto, a empresa que melhor se relacionar com seus parceiros terá vantagem competitiva. Recebi uma tonelada de e-mails que em sua maioria acabavam chegando a um mesmo ponto, ou seja, a preocupação com os empregos. Os leitores estavam mais interessados em se manterem nas organizações do que entenderem a dicotomia de conceitos da concorrência empresarial. Então resolvi escrever este artigo.

De quem é a culpa pela falta de empregos? Que lei invisível é essa que leva miríades de profissionais a rua? Alguns nem pestanejam e “rasgam o verbo” dizendo que a culpa é do governo. Outros são mais holísticos em colocar a culpa no sistema. A acusação também pode ser mais direta, com algo como “a culpa é do F.H.C” ou do ministro “X” ou “Y”. Até Arminio Fraga já tem culpa no cartório, e isso sem falar do FMI ou dos Estados Unidos. De qualquer forma, em tempos que George Bush é indicado para o prêmio Nobel da Paz, até Jorge Amado pode ter sua parcela de culpa na escassez de empregos. Mas, dentre todos e-mails um chamou-me a atenção. Essa missiva digital acusava a tecnologia de vilã da história.

Não! A tecnologia não é responsável pela diminuição no número de empregos. Na Revolução Industrial aconteceu o mesmo movimento, ou seja, as máquinas acabaram com milhares de empregos na agricultura, mas abriram outras tantas oportunidades na indústria recém-surgida. O que ocorreu, na verdade, foi a migração do emprego e não a sua extinção. Os ciclos econômicos são preponderantes na criação e extinção dos empregos e estamos passando por um deles.

O emprego está se sofisticando e com isso algumas posições, antes essenciais, estão deixando de existir. A modernização está suprimindo empregos antigos com a mesma velocidade com que cria novos. Além disso, os novos empregos criados são, geralmente, mais bem remunerados. O maior problema da tecnologia é exigir uma mão-de-obra mais qualificada, ou seria melhor dizer um “cérebro-de-obra” mais qualificado.

É nesse ponto que mora o perigo! Em países como o nosso, infelizmente, o que causa a escassez de empregos não é a tecnologia em si, mas o baixo nível de educação. Sem dúvida, a educação melhora a empregabilidade. O balanço da modernização é positivo! Não nos esqueçamos que a tecnologia foi responsável pela criação de aproximadamente 12 milhões de novos postos de trabalho nos EUA onde só o mercado de software é três vezes maior do que o setor industrial automobilístico, considerado um dos maiores empregadores dos EUA.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima