A criatividade pode ajudar nas vendas – CV n. 41

Índice

 

Nesta edição aprenda como:

1. A criatividade pode ajudar nas vendas

2. Alcançar o sucesso através de simples atitudes

3. Surpreender os clientes

4. Fechar negócios sendo persistente

 

 

1. Seja criativo!

 

Raquel Tuller é professora nas áreas de Publicidade e Administração. Além de ministrar aulas, trabalha como vendedora e procura exercitar ao máximo sua criatividade.

 

Uma das suas experiências mais marcantes aconteceu há um ano, quando uma loja de roupas femininas a chamou, pois estavam na Páscoa e o intuito era aproveitar o fluxo da ocasião.

 

Aproveitando a situação, teve a atitude de criar um cartão-postal, que na frente tinha um bombom de chocolate bem atrativo e no verso uma receita de Páscoa. Mas o que há de diferente nisso? A receita foi muito inusitada, porque os ingredientes eram roupas e acessórios. Receita: coloque uma calça cor-de-caramelo, acrescente cuidadosamente uma camisa cor-de-chocolate-branco e para a cobertura final, brincos e pulseiras. Foi um texto bem bolado, no fim havia um convite a todas as clientes para que fossem à loja no sábado de Páscoa, pois estaria uma delícia.

 

“O resultado foi espetacular, todas as amigas adoraram e a loja ficou cheia em uma data que normalmente não ficaria”, conta a criativa vendedora.

 

Antonio Carlos Teixeira da Silva – criador e realizador do projeto Pense Diferente, cujo objetivo é estimular a criatividade e a inovação no comportamento das pessoas e das empresas – afirma que o potencial criativo existe em todos nós. Ser criativo não é apenas uma característica que diferencia o profissional no mercado. É, muitas vezes, o que o permite sobreviver na empresa e reinventar aquilo que sempre fez da mesma maneira.

 

Ele lembra que muitos ainda pensam que a criatividade é um dom que apenas algumas pessoas iluminadas possuem. “Isso não é a realidade. A criatividade é um potencial que pode ser desenvolvido. Por analogia, poderemos compará-la à musculação: quanto mais você treina, mais forte ficará. Para isso, primeiramente é preciso criar um clima organizacional que valorize novas maneiras de conduzir os negócios, de desenvolver produtos e de melhorar serviços”, explica.

 

Silva ainda reforça: “Acostume-se a explorar e desenvolver suas percepções, possibilidades, alternativas e novas idéias. Com uma grande quantidade delas fica mais fácil chegar a uma idéia original que trilhará o caminho do sucesso. É preciso manter o foco em pensar e pensar diferente. Henry Ford já dizia: ‘Pensar não é fácil, por isso poucas pessoas o fazem’”.

 

“É importante saber que a criatividade sozinha não faz nada, sua parceira inseparável é a motivação. Essa dupla é fundamental para você pensar em maneiras novas de fazer as coisas, de viver sua vida com mais qualidade, simplificando tudo para sobrar mais tempo para você”, conclui.

 

Visite o site: www.pensediferente.com.br

 

 

2. O sucesso através de simples atitudes

 

Muitas vezes, conquistamos nossos clientes e estabelecemos uma boa relação através dos atos mais simples, como faz Marco Oliveira – corretor de imóveis de Brasíla, DF –, que costuma presentear seus clientes com uma caixa de bombons.

 

Certa vez, quando vendeu um apartamento ainda na planta a uma cliente, levou os chocolates até o trabalho dela. No dia seguinte, a cliente ligou para Marco dizendo que seus colegas de trabalho tinham perguntado sobre a caixa de chocolates e ela comentou que havia ganhado do vendedor que fechou a compra de seu primeiro imóvel. “Os colegas, por sua vez, quiseram conhecer o empreendimento e solicitaram que eu fosse ao local para demonstrá-lo. Após o fechamento de algumas unidades, todos me lembraram: Não esqueça de trazer uma caixa de chocolates”, relembra.

 

A atitude de Marco não tem nada demais, a não ser o fato de agradar o cliente através de um gesto carinhoso. Para o palestrante Carlos Alberto Julio, manter a simplicidade não é parecer simples, é ser simples. “Simplicidade é visitar clientes e perguntar o que fazer com as oportunidades e como eliminar as ameaças, afinal seu cliente está ali para dizer tudo o que você precisa saber. Simplicidade é entender que pessoas precisam ser desafiadas, remuneradas e celebradas, como diz Jack Welch. Simplicidade é buscar o caminho mais rápido, não necessariamente o mais curto. É fazer do trabalho um barato, um eterno viver”, afirma.

 

 

3. Surpreendendo o cliente

 

O que fazer com aquele cliente que sempre está desconfiado da qualidade do seu atendimento? Surpreenda-o!

 

Cleômenes Amorim Rodrigues Bezerra, de Manhuaçu, MG, trabalhava em uma empresa de material de construção. Entre os clientes da organização havia uma senhora em estado permanente de desconfiança com os vendedores. Nunca acreditava no que lhe falavam, talvez por uma decepção passada. Mesmo após diversos contatos, Bezerra ainda a sentia desconfiada e arredia.

 

Um dia, ela ligou procurando uma mercadoria que a empresa de Bezerra não tinha em estoque. Ele pediu que ela aguardasse, que iria verificar se aquela mercadoria estava para ser entregue e depois ligaria. Não estava. Mesmo assim, para o vendedor foi uma chance de acabar com aquele desconforto entre ele e a cliente.

 

Bezerra ligou para os concorrentes, pegou seus preços e prazos de entrega, e tornou a ligar para a cliente. Não é necessário dizer que ela ficou muito impressionada com o serviço, pois ele tinha conseguido um produto que, embora mais caro que o dele, resolvia seu problema. A partir daí, o diálogo entre os dois se tornou franco e aberto.

 

Algumas vezes, ela pedia informações sobre produtos mais baratos e ele argumentava baseado no custo–benefício. Paralelo a isso, Bezerra manteve uma rede de contatos com amigos de outras lojas, formando parcerias. Se sua empresa não trabalhava com determinado produto, ele os indicava e vice-versa.

 

 

4. O valor da persistência

 

Dorival Aparecido Domingues, morador de São Carlos, SP, trabalhava em uma indústria de balas e queria um dos maiores supermercados da cidade como seu cliente. Acontece que o empresário pediu uma grande porcentagem para introduzir seu produto em sua loja. Então, decidiu mudar de estratégia: passou a freqüentar o estabelecimento, inclusive se cadastrando como cliente especial e tudo mais.

 

Num domingo, Dorival estava lá fazendo as compras da semana com mulher e filhos, quando encontrou o proprietário. Ele o reconheceu das diversas reuniões que tiveram e Dorival não perdeu tempo, foi dizendo: “Fulano, você sempre me vê aqui no seu supermercado, comprando suas mercadorias, e nunca me deu uma oportunidade de colocar minhas balas aqui, exigindo que eu pague pelo espaço nas gôndolas. Se eu fosse cobrar por tudo o que comprei em sua loja durante todo esse tempo que sou cadastrado, quanto teria de receber? Pense nisso e veja se não mereço ser um de seus fornecedores”.

 

Resultado: na terça-feira, Dorival saiu do escritório do proprietário com um pedido inicial de 400 quilos de bala.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima