A mente fértil

O solo fértil germinará tanto a boa semente quanto à má. Não é porque a semente plantada não trará resultados positivos que o solo a abortará, expulsará ou mesmo irá esquecer-se dessa tal semente e fará com que “morra”. O solo fértil germinará tanto a boa semente quanto a má. Não é porque a semente plantada não trará resultados positivos que o solo a abortará, expulsará ou mesmo irá esquecer-se dessa tal semente e fará com que “morra”. Esse mesmo solo fará dar frutos também a semente de má procedência, mas irá fazer de tudo, sofrerá, buscará uma série incontável de meios para a correção natural dessa semente, na tentativa – aliás, uma obra pura da natureza, de que ela dê bons frutos e, por ser má irá produzir coisas ruins, que apenas servirão para serem cortadas e queimadas. Isso é o solo. Isso é a mente.

Geralmente, quando nos preparamos para o nosso trabalho, nossas vendas, nossas visitas, vamos apenas com a “cara e a coragem”, poucas vezes munidas de um estudo com melhores detalhes sobre os alvos que temos à frente. Vamos com sementes más, porque as boas sementes ficaram na gaveta de nossa escrivaninha ou num arquivo de nosso computador. É bem isso que ocorre, não? Ao levarmos a sério o programa de “carreira de vendedor”, quebramos alguns paradigmas que se apropriaram da profissão, pois, querendo ou não, necessitamos, para a nossa própria sobrevivência, sermos “experts”, especialistas na função de conduzir pessoas à felicidade, ao sucesso e à satisfação. São coisas simultâneas que devem ocorrer num piscar de olhos. Quantos de nós se habilita, de forma “agressivamente sutil” a colocar tais objetivos à frente de nossos ideais? Nossa mente está cheia de tudo e ao mesmo tempo está completamente vazia, oca. Qual o motivo dessa circunstância?

Pois, bem. Abraçamos o mundo e agarramos todo o tipo de novidade que existe, porque as novidades sobre o nosso trabalho, sobre os produtos que vendemos – ah!, essas não são necessárias porque já fazem parte do nosso “rol” de conhecimentos sobre as mudanças e com o tempo irão fazer parte de nossas propostas. Conversamos sobre tudo, de religião a política e de mulher a futebol. O importante não é acrescentado em nada. Pioramos nossa condição, enfraquecemos no item “de série”, deixando do supremo, do interessante, do magnífico para o básico.

Tudo isso porque não temos “tempo” de estudar as propostas que nossa empresa cria e que irá beneficiar nosso cliente e, em virtude disso, nos trará, como recompensa ao nosso profissionalismo, retorno financeiro.

Porém, ao mencionarmos o tal “retorno financeiro”, colocamos em julgamento o pequeno retorno que temos. Procuramos novas colocações, buscamos oferecer nosso currículo para uma infinidade de empresas, cujos profissionais se saem maravilhosamente bem, na esperança de “tirarmos o pé do lodo” trabalhando nessa ou naquela organização. E daí, quando repetimos o “erro de sempre”, apostamos nas dificuldades do mercado, da concorrência, dos desafetos, do sol ou da chuva e… novamente incorremos no mesmo erro, ou seja, tiramos do fundinho de nosso baú aquelas sementes ruins, de péssima qualidade, eleitas para seguirem o rumo do lixo e, como num “passe de mágica”, plantamos-na dentro de nossa mente, a exemplo do solo fértil. Como nossa mente não pára, não descansa e se prepara para as colheitas diárias, colhemos disso os frutos dessa péssima safra, regada a pouca chuva, muita tempestade, altas temperaturas e concluímos com o nosso baixo índice de aproveitamento.

Depois disso, não adianta procurar culpados. A receita adequada é esta: Retrocesso diário para análise das vitórias ou das falhas. Se houve vitória, procurar aplicar todos os métodos utilizados, desde que cabíveis e necessários para a próxima visita. Se houve falhas, corrigir os deslizes e semear os bons frutos dessas falhas.

Mas, vale muito bem recordarmo-nos de uma regrinha bem simples: Se apenas 20% são aproveitados por inteiro, os outros 80% não serão desperdiçados. É interessante replantá-los e, observando meticulosamente cada uma dessas sementes, com certeza nos oferecerão ótimos frutos, apoiados numa série de fatores fundamentais – entre eles o pensamento positivo e o sorriso franco. Boa sorte, ótima semana, e muito sucesso regado a ótimas sementes plantadas em sua mente – essa maravilha que nunca dorme, que nunca desliga. Paz!!!

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima