A verdade por trás dos treinamentos

Vale a pena treinar equipes de venda?

Na última edição da VendaMais escrevi sobre mitos e inverdades em treinamentos. Hoje quero fazer exatamente o contrário. Dessa forma, procurarei esclarecer que se o treinamento não funciona, a culpa não é da ferramenta, mas sim de quem a manipula.

Há quatro regras básicas que, se seguidas à risca, aumentam em muito a chance de um treinamento ser bem-sucedido. São elas:

  1. Criatividade – Ninguém mais aguenta exercícios supermanjados, como o antigo “Viagem à Lua”. Além do mais, vive-se uma era em que a tecnologia está permanentemente presente em nossas vidas. Para ser bem-sucedido, um treinamento tem de envolver criativamente o participante, levando-o a internalizar conceitos sem ter de praticar a famosa “decoreba”. Também é preciso ter em mente que o modelo “cuspe e giz” já está esgotado. Treinamentos eficazes precisam envolver as pessoas.
  2. Emoção e interesse – Houve uma época em que se chegou a pensar que os treinamentos deveriam, única e exclusivamente, estar voltados para o desenvolvimento da mente dos participantes. Era o tempo em que se acreditava que por meio de desafios cerebrais as pessoas aprenderiam mais. A experiência vem desmistificando essa ideia. É preciso estimular o lado emotivo dos participantes. Somente dessa forma é possível desenvolver a inteligência emocional, tão importante quanto a racionalidade na hora de vender produtos e serviços.
  3. Pertinência – Não é pequeno o número de treinamentos que parecem “não ter nada a ver” com o objetivo que prometiam atingir. As gerações mais recentes são muito diretas e não gostam de ficar perdendo tempo com rodeios e abstrações que raramente contribuem para o correto entendimento da mensagem que se deseja transmitir. Assim sendo, quanto mais objetivo, curto e direto for o treinamento, melhor.
  4. Compreensão – Muitos instrutores estão mais preocupados em fazer rir e relaxar do que com a ideia de passar uma mensagem lógica, clara, curta e direta. Nada contra o uso do humor no treinamento, muito pelo contrário. Mas devemos ter sempre em mente que ser engraçado é interessante, mas ser compreendido é essencial. De que adianta passar algumas horas muito legais se no fim não conseguimos sequer nos lembrar do tema-chave do encontro do qual participamos?

Posso garantir que as empresas que contratam treinamentos tendo em mente os quatro princípios descritos costumam comemorar o excelente resultado que obtêm do trabalho.

Um bom exemplo de organização que sabe verdadeiramente como contratar treinamentos é a Edenred, o braço de serviços do conhecido Grupo Accor. Eles têm a preocupação de seguir à risca as orientações que ilustram este artigo, e a Edna Beldrani, diretora de recursos humanos da companhia, é uma defensora da importância do treinamento no desenvolvimento das pessoas.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima