Afinal, o Bitcoin está evoluindo como moeda no mercado?

moedas de bitcoin brilhando como ouro

Devido às sucessivas valorizações, as criptomoedas como o Bitcoin despertam muita curiosidade no mercado. Para entender o potencial deste mercado, conversamos com Leonardo Cavalcanti, Especialista em Relações Institucionais da Atlas, fintech latino-americana de criptomoedas.

A Atlas busca oferecer uma plataforma inteligente, adaptada às necessidades de seus investidores e focada, principalmente, em quem enxerga nas moedas digitais o futuro. Entre os produtos desenvolvidos pela fintech, está o Quantum, uma forma de arbitragem financeira automatizada com Bitcoin. O Quantum busca diferenças de preço e quando encontra oportunidades, envia automaticamente uma ordem de compra (caso o preço esteja mais baixo) ou de venda (caso o preço esteja mais alto). O lucro obtido é distribuído entre os clientes.

Para a Atlas, a tecnologia é um dos principais alicerces da liberdade. Por meio dela, acredita ser possível dar cada vez mais autonomia e poder ao indivíduo. A empresa aposta na revolução tecnológica que moedas digitais como Bitcoin podem gerar para a forma como é visto e operado o mercado financeiro tradicional. Conheça mais a seguir, nesta entrevista com Cavalcanti. 

O Bitcoin está evoluindo como uma moeda no mercado?

Leonardo Cavalcanti, especialista em Relações Institucionais da Atlas

Na verdade, o bitcoin hoje evolui não só como moeda, mas também como reserva de valor, uma espécie de “ouro digital” moderno. Grande parte de seu sucesso se deve à utilização do blockchain, tecnologia baseada em protocolos de confiança e criptografia. Com ela, os próprios usuários validam as transações em um sistema público consensual, por meio de incentivos, sendo seus registros invioláveis e imutáveis.

Dez anos depois de sua criação, ainda não sofreu nenhum ataque capaz de violar seu conceito de segurança, mesmo já sendo um mercado de mais de 127 bilhões de dólares. Isso comprova sua evolução rápida, mas ao mesmo tempo segura ao longo do tempo.

É bem verdade que ainda existem muitos desafios e dúvidas em relação à adoção do bitcoin e outras criptomoedas como meios de pagamento no longo prazo, mas é inegável a curiosidade e o interesse dos governos e mercados ao redor do mundo em relação à sua utilização e outras possibilidades de aplicação da tecnologia blockchain.

Hoje qual é o panorama brasileiro diante da criptomoeda?

Temos um mercado bastante ativo, com um bom volume de transações diárias. Temos de um respeitado site de informações e estatísticas do mercado de criptomoedas chamado bitvalor, que considera apenas bolsas (exchanges) que operam com o par Bitcoin (BTC)/ Real (BRL). Movimentamos mais de 50 milhões de reais diariamente.

O índice do bitvalor hoje não considera o mercado de balcão, do qual o Atlas Quantum e outras empresas são parte relevante, então as estimativas é que tenhamos um volume ainda maior na prática, em um ritmo de crescimento bastante acelerado.

Por outro lado, as coisas ainda andam um pouco incertas em relação aos incentivos e segurança jurídica deste novo mercado. O governo e as instituições regulatórias ainda se mostram um pouco distante das necessidades do ecossistema. Esperamos que com a recente criação da Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain (ABCB), fundada com o objetivo de aumentar a interação entre mercado e governo, seja possível uma mudança desse panorama.

Vale a pena para uma empresa aceitar bitcoin ou outras moedas digitais no e-commerce?

O volume ainda é relativamente pequeno, mas já existem certas vantagens para estabelecimentos que aceitam criptomoedas como meio de pagamento. Usando um exemplo do nosso negócio, oferecemos condições diferenciadas para fornecedores que aceitem pagamentos nessa modalidade, pois além de ser mais benéfico para a nossa empresa, acaba gerando um círculo virtuoso para toda a comunidade.

Ainda, já existe uma série de projetos em curso que promete facilitar a utilização de bitcoin e outras criptomoedas como meio de pagamento. Isso com certeza agregará cada vez mais valor para os estabelecimentos envolvidos, sejam eles lojas físicas ou e-commerce.

Para saber mais

Acesse: atlasproj.com

Leia também

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima