As aparências enganam? Pouco, mas enganam…

As aparências enganam? Pouco, mas enganam… Todo mundo sabe que não é correto julgar as pessoas, mas o fato é que todos julgamos e somos julgados o tempo todo. Quando nos deparamos com alguém, automaticamente formamos uma imagem positiva ou negativa dessa pessoa e passamos a proteger nossa primeira impressão. Por isso, é tão difícil desfazer uma primeira impressão negativa. E esse primeiro conceito, tão importante e decisivo para o estabelecimento do relacionamento futuro, é formado somente com base nas aparências.

Mas aí vem a questão: será que, como diz o ditado, as aparências enganam mesmo? Posso assegurar que raramente elas dizem algo contrário à nossa personalidade. Se possuímos um perfil mais conservador, isso estará refletido em nossas roupas, modo de falar, gesticular, etc. Se somos mais descontraídos, usamos também roupas mais soltas e um linguajar mais coloquial e assim por diante.

No entanto, há um cuidado essencial que temos de tomar quando o assunto é venda e relacionamento profissional em geral. Não podemos julgar uma pessoa por sua classe social ? porque aí sim, as aparências enganam muito! Conheço algumas histórias de vendedores que se deixaram levar pela aparência do possível cliente e perderam bons negócios.

A mais emblemática que ouvi foi de um diretor de concessionária de tratores que estava vendendo uma máquina top de linha para um fazendeiro riquíssimo, quando percebeu que um ?moleque de rua maltrapilho? estava brincando justamente em cima do trator do cliente, na hora em que ele estava fazendo o pedido. Enquanto conversava com o cliente, o diretor da loja ficava olhando em volta, inquieto, procurando um vendedor que pudesse ir até o show-room para tirar o menino de cima do trator, mas ninguém aparecia. O cliente percebeu e perguntou várias vezes o que estava acontecendo. Até que o diretor não agüentou e respondeu:

— Sabe… estou incomodado porque tem um garoto… um menino de rua brincando em cima do seu trator. E justamente nessa hora não me aparece sequer um vendedor para me ajudar e tirar o moleque de lá!

O cliente, meio sem graça, disse:

— Imagina! Aquele é meu filho. A gente acabou de chegar da fazenda, por isso ele está meio sujinho… Mas ele me pediu se podia brincar no nosso trator e eu deixei.

O recado que essa história nos deixa é o seguinte: temos de saber que vamos ser julgados pelas aparências e cuidar para causar sempre boas impressões. Contudo, ao mesmo tempo, precisamos nos despojar da tentação de julgar precipitadamente e tratar a todos com igualdade e dignidade.

Adriane Werner é jornalista, especialista em Planejamento e Qualidade em Comunicação e mestre em Administração Estratégica. É palestrante nas áreas de Oratória, Media Training e Etiqueta Profissional.
Visite o site: www.adrianewerner.com.br
E-mail: [email protected]


8 x 8
Por Izabel Failde

Objetivos
Auto e heteroconhecimento, autodesenvolvimento, trabalho em equipe, atenção, concentração, comunicação verbal e não-verbal, liderança, empatia, sinergia e aprimoramento pessoal e técnico.

Recursos
Cópia do texto Os 8 papéis do vendedor, revistas, tesouras, colas, folhas de sulfite, canetas hidrocor, lápis de cor, barbantes e giz de cera.

Número de participantes: até 30
Tempo estimado: 90 minutos

Instruções
1º momento ? 20 minutos

Forme oito subgrupos e distribua cópias do texto Os 8 papéis do vendedor. Enquanto lêem, dê a cada subgrupo um número de um a oito, aleatoriamente.

Após a leitura, cada subgrupo deverá montar um cartaz explicativo do passo apontado no texto, cujo número recebeu anteriormente. Além disso, devem montar um diálogo que simule o papel assinalado. Por exemplo: o texto fala do passo número 2, insatisfação, que requer o papel de vendedor médico. Sempre que possível, estimule os participantes a utilizarem casos reais. Para a formação do cartaz explicativo, os participantes deverão utilizar os materiais disponíveis. Incentive-os a trabalharem com a comunicação não-verbal, porém evitando textos. É uma ótima maneira de melhorar esse tipo de comunicação entre equipes. Limite o tempo de apresentação em cinco minutos por subgrupo.

2º momento ? 50 minutos

Iniciando pelo passo 1, mudança, e pelo papel vendedor aluno, cada subgrupo apresentará seqüencialmente seu cartaz e simulação, seguindo sucessivamente até o fim dos trabalhos. Entre uma apresentação e outra, verifique se há dúvidas ou contribuições entre os participantes. Só dê seqüência à atividade se houver compreensão geral sobre o que foi exposto.

3º momento ? 20 minutos

Faça a avaliação final da atividade em duas etapas. Na primeira, peça que os subgrupos se reúnam novamente e identifiquem os aprendizados obtidos durante a dinâmica. Na segunda parte, forme um grupo aberto e peça que um representante de cada subgrupo exponha as conclusões. Se necessário, incremente com comentários relacionando sempre com o cotidiano.

Izabel Failde é psicóloga e consultora em RH, além de autora do livro Manual do Facilitador para Dinâmicas de Grupo.
Visite o site: www.izabelfailde.com.br
E-mail: [email protected]


LIVROS

Trade Marketing ? A conquista do consumidor no ponto-de-venda
Francisco Javier S. Mendizabal Alvarez

Trade marketing é um tema cada vez mais discutido e pesquisado. Por esse motivo, o autor apresenta aos leitores um estudo detalhado sobre o assunto, que é resultado da combinação entre sua experiência profissional e vivência acadêmica. A obra apresenta de maneira clara e objetiva os diversos aspectos que interferem na concepção de estratégia de posicionamento.
Editora: Saraiva
Preço: R$ 36,90*

A Bíblia dos Canais de Venda e Distribuição
Pedro Luiz Roccato

Esse livro ? através de uma visão holística de toda a cadeia de vendas e distribuição, privilegiada quanto às demandas, anseios e desafios de cada elo ? proporciona aos fabricantes, distribuidores e revendedores conhecimentos necessários para a tomada de decisões estratégicas que visam garantir a longevidade e sustentabilidade das empresas.
Editora: M. Books
Preço: R$ 75,00*

Terapia Financeira
Reinaldo Domingos

O consultor e terapeuta financeiro Reinaldo Domingos desenvolveu uma metodologia simples e objetiva capaz de modificar o comportamento em relação ao dinheiro, ajudando as pessoas a alcançarem sua saúde financeira. Com esse livro, você aprenderá a diagnosticar seus gastos, entenderá a importância de transformar seus sonhos em metas e orçar, ou seja, de planejar suas finanças e verá que, independentemente de seus ganhos, é possível poupar e se preparar para um futuro financeiro mais confortável e repleto de realizações.
Editora: Gente
Preço: R$ 19,90*

*Preços e disponibilidade pesquisados em agosto/2008


HUMOR

O taxista
O sujeito trabalhava como motorista há 30 anos. Cansado de trabalhar como empregado, resolveu comprar um táxi e virar taxista. Sua primeira corrida foi com uma madame muito exigente, que ficou impressionada com a maneira como ele dirigia o carro.

A corrida estava excelente para a mulher, e o taxista, calmo, dirigia muito bem. Então, a passageira resolveu falar com ele e delicadamente bateu em suas costas. O taxista deu um grito e botou velocidade, subiu na calçada e saiu do carro aos berros. A mulher assustada e sem entender nada, perguntou:

— O que houve?! O senhor estava dirigindo tão bem! ? Então, o taxista pediu desculpas e explicou para a passageira o porquê agiu daquela forma:

— É que eu trabalhei 30 anos como motorista de carro funerário!

Fonte: www.piadasonline.com.br


NÃO COMPLIQUE O QUE É SIMPLES
Delivery

Por Professora Aurélia

A moda começou com as pizzarias de bairro, aprimorou-se e as floriculturas e fast-foods passaram a utilizar o serviço de delivery também. Com esse trabalho, qualquer um, sem sair do sofá de casa, pode mandar flores para alguém importante, pedir uma pizza e até fazer escova e maquiagem.

Descomplicando

Delivery é uma palavra de origem inglesa que, na tradução literal, significa entrega. Comercialmente falando, quer dizer que uma empresa entrega uma mercadoria em sua casa, trabalho ou onde você solicitar, facilitando sua via e otimizando seu tempo.

aro vendedor, pensando nas dúvidas que possam surgir durante seus treinamentos com a revista VendaMais, nossa equipe desenvolveu um glossário de estrangeirismos. Acesse o portal www.vendamais.com.br e aproveite para atualizar seus conhecimentos com os novos termos de negócios.


DICAS DE PORTUGUÊS

Não confunda
Por Cione dos Santos

Domicílio

O correto é entregas em domicílio.
É o mesmo que fazer entregas ?em casa, no escritório, no quarto de hotel?.

Só usamos domicílio em verbos de movimento, por exemplo:
?Conduziram o doente a domicílio?.

Conteúdos Relacionados

Pin It on Pinterest

Rolar para cima