Como aumentar o tíquete-médio de seus clientes

Como aumentar o tíquete-médio?

Quando se fala em aumentar as vendas, novas ideias não faltam. A maioria delas envolve, de uma forma ou de outra, conseguir mais clientes. Veja alguns exemplos recentes:

 

  • Usando a mídia social No final de 2010, houve um grande show de música eletrônica em Miami, nos Estados Unidos. Muita gente da Holanda queria participar. Como não havia voo direto Amsterdã-Miami, o DJ de uma rádio foi perguntar se a companhia aérea local, KLM, poderia fazer algo. A resposta foi um desafio: lote um avião que a gente voa para Miami. Entraram em ação o Twitter e outras ferramentas sociais, que renderam uma campanha viral, um documentário, uma história sem igual, 500 novos clientes para a KLM e um voo extra para Miami.
  • Aumentando os canais de distribuição O Bradesco passou a vender um seguro popular em bancas de jornal.
  • Entrando em um nicho Na Dinamarca, criou-se uma nova marca, a Copen Hagen, para atrair mulheres, que representam 25% do consumo local de cerveja. Os responsáveis afirmam que ela é uma cerveja leve e refrescante e até sua logomarca é uma estilização de flores, coração e um padrão local tradicional.
  • Saindo de um nicho Em contrapartida, a norte-americana Redhook concluiu que existem dois tipos de bebedores de cerveja: aqueles que bebem em um gole qualquer uma que esteja estupidamente gelada e aqueles que tratam a cerveja como uma espécie de vinho, declamando teses sobre a correta espessura de um colarinho e as vantagens de cada tipo, enquanto bebericam a marca cuidadosamente escolhida. A Redhook mudou sua embalagem e comunicação para atrair esses dois grupos (dependendo do dia, da companhia e de quanto tem no bolso). Segundo a empresa, sua cerveja agora tem uma aura de sofisticada, mas ainda acessível para o consumo no dia a dia.

 

Entretanto, há outra forma de aumentar as vendas: vendendo mais para aquele cliente que você já tem, aumentar o tíquete-médio, ou seja, quantos clientes, em média, gastam com você. Veja o que algumas empresas fazem:

 

  • Ofereça algo a mais – Nos Estados Unidos, a livraria Books and Cookies (literalmente, Livros e Biscoitos) atrai o público infantil oferecendo, além de atividades como leitura, teatrinho e aulinhas de culinária, biscoitos para os pequenos abastecerem os estômagos. Como a loja sabe que não pode bater a Amazon no quesito livros, sua loja virtual vende kits para os pequenos fazerem biscoitos, ursinhos de pelúcia e outros itens exclusivos.
  • Saiba o que seu cliente quer – Uma empresa de trens urbanos da França procurava maneiras de melhor usar o espaço em suas estações: as lanchonetes e banquinhas de sempre já não garantiam tanta lucratividade. A companhia realizou parceria com uma empresa especialista na área e abriu em suas estações minicreches com espaço para, no máximo, nove crianças de até quatro anos. Agora, os pais podem sair de casa e deixar o filho na estação, sem ter que gastar dinheiro procurando uma creche no caminho.
  • Ofereça algo com que seus clientes se importem – No final do ano passado, a American Express foi uma das grandes incentivadoras do movimento “Compre Local”, que consiste em comprar coisas produzidas localmente para ajudar a economia da região e dar uma força ao planeta (produtos locais não necessitam viajar em poluentes caminhões por milhares de quilômetros). Para estimular esse comércio, a Amex ofereceu bônus de até US$25 para quem comprasse de lojas e produtores locais. O que ela ganhou com isso? Primeiro: dados. Para se cadastrar, tanto lojistas como consumidores precisavam preencher um formulário bem completo. Depois: tirou negócios da concorrência. É claro que os lojistas, sabendo que os clientes Amex tinham dinheiro, fizeram de tudo para atrair os portadores desse cartão. E, finalmente… bom, você alguma vez conseguiu gastar só R$40 em suas compras de Natal e Ano-novo? Pois é.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima