Como medir a satisfação de clientes sem que seja por formulários?

Maneiras diferentes para medir a satisfação dos clientes

Muitas empresas têm aqueles formulários internos de avaliação com questões como: “Dê uma nota de 0 a 10 para tais itens” e usam isso como se fosse a melhor ferramenta de análise de venda e até mesmo de pós-venda que poderiam utilizar. Em geral, esses questionários são subjetivos e extensos e podem não apresentar as reais opiniões dos clientes e cansá-los. Por isso, perguntamos aos consultores Fernando Lucena, Maurício Góis e Eugênio Sales Queiroz: que outras formas há de fazer essa avaliação da satisfação do cliente sem que seja por formulário? Que outras ferramentas podem ser usadas  e que itens podem ser analisados? Veja a seguir as dicas e os comentários desses especialistas para obter uma avaliação eficiente.

Fernando Lucena

Se quisermos que nosso cliente tenha um alto nível de satisfação, primeiramente precisamos descobrir em que estágio a empresa se encontra atualmente. Nessa etapa, o importante é pesquisar: pesquise os clientes que compram de você, os que por alguma razão não compram e até os que compram da concorrência.

Na hora de fazer perguntas aos clientes, siga algumas regras de ouro:

  1. Seja objetivo e tome pouco tempo deles (clientes não costumam ter muita paciência para pesquisas longas e complexas).
  2. Treine e prepare a pessoa que irá realizar a pesquisa, a avaliação é um momento de ouvir e entender, não de argumentar ou contrapor.
  3. Não aborde questões que a empresa não tem condições de resolver e sobre as quais, portanto, não vale a pena polemizar, fazendo o cliente criar expectativas
  4. Ofereça um feedback se algum ponto importante for relatado pelo cliente. Isso cria uma imagem do tipo “vale a pena falar”, pois a empresa tentará resolver o problema. Do contrário, o que se passará na mente do cliente é: “Reclamar para que, se eles não dão a mínima para o que eu penso?”.
  5. Descubra o seguinte: de cada 10 clientes que compram de você, quantos estão comprando novamente? O que chamamos de “vendas repetidas” é um ótimo indicador para medir satisfação. Se o cliente retornou para comprar, é muito provável que está contente com algo de sua empresa, que pode ser tanto o produto, a marca, o serviço quanto o ambiente, entre outros aspectos.
  6. Ainda na linha do “quem gosta retorna”, que tal pesquisar e descobrir quantos de seus clientes chegaram até você por meio de indicações que receberam de amigos ou familiares? Quem comprou de você e faz questão de indicá-lo é provavelmente um cliente que está satisfeito com o que está recebendo.
  7. Outro indicador são as trocas e as reclamações. Vendas bem conduzidas evitam que clientes tenham de retornar para trocar produtos e/ou reclamar. A sugestão é manter esse indicador em níveis toleráveis de acordo com a área de negócios na qual se está inserido.

Maurício Góis

Sabe qual é o melhor indício de que um cliente está satisfeito? É quando ele volta a comprar de você. Joe Girard disse que temos, em média, 200 amigos. O cliente indicou sua empresa para esses amigos, decisores e influenciadores? Então é sinal de que ele gostou de seu produto e/ou serviço. Veja alguns exemplos:

  1. Sabe como eu avalio se os clientes gostaram de minha palestra? Verifico, ao término dela, se eles foram à mesa onde estão expostos meus DVDs e CDs e se os compraram. Se adquiriram muito material, é sinal de que gostaram da palestra; se compraram pouco, gostaram pouco; se nada é vendido, é porque não gostaram de nada. Conheci um restaurante em que, à saída, solicitava-se ao cliente: “Se você gostou da comida, bata o sino”. Mas, como o sino não estava muito visível, a maioria dos clientes saía do restaurante sem avaliá-lo.
  2. Há uma loja que avalia assim: existe um círculo, à saída, de mais de 2 metros, com setas indicadoras do tipo: “Satisfeito, muito satisfeito, insatisfeito” ou “Ruim, razoável, ótimo, excelente”; uma funcionária solicita ao cliente que coloque a seta na posição que condiz com o que ele sente em relação ao estabelecimento (o círculo se chama “Roda do Emocionômetro”).
  3. Outra maneira de avaliar é usando o e-mail. Antes de o cliente sair da empresa, peça a ele seu endereço eletrônico. Dois dias depois, envie-lhe uma mensagem com um texto do tipo: “Sentimo-nos prestigiados por receber sua visita. Para continuarmos a servi-lo melhor, pedimos que você leia os três itens abaixo e coloque um X naqueles que dizem respeito ao que você considera positivo em nossa empresa. E os três itens são atendimento, produto/serviço e estrutura física. Por que apenas três? Porque são os estritamente necessários, e queremos respeitar o tempo do cliente.
  4. Redes sociais são um recurso muitas vezes esquecido. Se você tem o Facebook ou o Orkut do cliente, o processo deve ser o mesmo que o do e-mail. Mas isso precisa ser feito em mensagens privativas, caso contrário, se o cliente estiver furioso, poderá detonar você e sua empresa em todas as mídias sociais.
  5. Apesar de tudo, não discrimine o formulário. Ele tem, sim, seu valor se apresentar, no máximo, 4 perguntas. Por que não mais do que isso? Porque senão o formulário corre o risco de ser percebido como interrogatório. Algumas empresas cometem o erro de oferecer um presente, dizendo, por exemplo: “Se você preencher este formulário, ganhará este brinde, um chaveirinho”. O cliente tende a pensar: “Bem, como estou ganhando um brinde, não vou dizer o que penso, só vou elogiar”.
  6. A grande dica é: antes de avaliar seu cliente, avalie sua estrutura de vendas. O cliente pode gostar demais de seu produto, mas se ele ficar 20 minutos na fila, esperando para pagar, o desastre estará feito. Nenhum cliente pensará: “O produto é excelente, mas a demora na fila é ruim”. Na mente dele, serviços e produtos são a mesma coisa na experiência de compra – e marketing experiencial ainda está na moda!

Eugênio Sales Queiroz

Sabemos que o cliente moderno é muito rigoroso em suas compras e deseja um tratamento de alta qualidade, portanto, toda empresa que deseja ter sucesso precisa medir constantemente a satisfação dos seus clientes. Para fazer essa avaliação, coloque em prática, em sua empresa, estas cinco dicas:

  1. Observe todo tipo de reclamação do cliente e tome as devidas providências imediatamente.
  2. Discuta com os seus colaboradores internos qual é a melhor maneira de saber se o cliente está satisfeito ou não.
  3. Lembre-se de que, hoje em dia, aquela “caixinha de sugestão” está fora de moda. Alguns meios eletrônicos e digitais podem facilitar uma pesquisa mais ampla. Por exemplo: tenha um cadastro de e-mail dos clientes e solicite a eles que respondam a algumas perguntas práticas, a fim de não tomar o tempo deles.
  4. Use o “bom e velho” telefone, que também é uma maneira prática de averiguar se o cliente está realmente satisfeito.
  5. Observe se o cliente volta a comprar outras vezes e se indica sua empresa/produto/serviço para outros clientes em potencial. Esse é o meio que considero o mais objetivo para saber da plena satisfação do cliente: a indicação.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima