Confira a entrevista com Adonai José Lacruz

Empreendedores menos experientes geralmente “apaixonam-se” pela ideia de negócio, perdendo a clareza no momento de “ler” o plano de negócios e decidir-se por empreender ou não.

1) Vamos começar falando um pouco sobre você, para que nossos leitores possam conhecê-lo melhor. Você poderia nos contar brevemente sua trajetória profissional até escrever “Plano de Negócios Passo a Passo”?

Sou formado em Administração e fiz Mestrado em Economia. Sou professor universitário desde 2003 (comecei aos 23 anos), atuei como consultor em empresas de médio porte no ES e MG durante cerca de 6 anos, até assumir a superintendência executiva da ONG ambiental Instituto Terra, há 4 anos.

2) Olhando para trás, existe algo que você gostaria de ter sabido ou descoberto antes – alguma lição que teria ajudado a superar ou evitar algumas dificuldades pelas quais passou?

Claro. Apesar da pouca idade (34 anos), muitas. A principal foi que, além de conhecimento técnico profundo, é essencial aprender sobre a natureza humana. Mais importante até do que exímio conhecimento técnico. Sem relações humanas não se forma uma equipe engajada, logo não se é um bom líder.

3) Agora sobre seu livro. Com tantos livros sobre planos de negócio já disponíveis no mercado, o que o seu traz de diferente?

A primeira edição do “plano de negócios passo a passo: transformando sonhos em negócios” foi publicada em 2008. Naquele ano, o número de publicações sobre o tema era mais restrito. E a lacuna identificada naquele ano ainda persiste, o que explica esta segunda edição: a dificuldade de tirar do papel os ensinamentos do livro. Meu livro ainda é o único que se consorcia com um software de plano de negócios, o Profit (também de minha autoria). Com o software, o trabalho do empreendedor é mais analítico. Principalmente a parte financeira do plano de negócios, pois todos os cálculos (VPL, TIR, análise de sensibilidade etc.) são feitos automaticamente e com precisão. Além disso, o caráter sequencial do livro, em que se monta um plano de negócios passo a passo ainda é utilizado por poucos livros da mesma natureza.

4) Você poderia nos dar um exemplo extraído do livro que resume as principais ideias e conceitos que você defende?

A palavra que resume o livro é planejamento. Cito no livro uma frase atribuída ao escritor americano Anthony Robbins, que representa bem o que trata meu livro: “Engraçado, costumam dizer que tenho sorte. Só eu sei que quanto mais me preparo, mais sorte eu tenho”.

5) De maneira rápida e resumida, que tipo de leitor mais se beneficiaria do seu livro? Que tipo de conselhos ou informação deveriam estar procurando, ou que tipo de problema estariam tentando resolver?

O leitor-alvo do livro são empreendedores de micro e pequenos negócios nascentes. O livro o auxiliará a verificar, de forma profissional, a viabilidade de implantação do seu sonho. Ou seja, ajudá-lo a transformar sonhos em negócios.

6) Qual seria a primeira coisa que você gostaria que alguém fizesse depois de terminar de ler seu livro, colocando em prática o que foi visto?

Exercitar a, às vezes enfadonha, tarefa de planejar.

7) Que outros livros ou autores você recomendaria para quem quiser se aprofundar nesse assunto?

Sugiro a excelente obra “The Definitive Business Plan”, do Richard Stutely. Acho que teve tradução para o português.

8) Qual é o maior erro que você vê os empreendedores praticando em relação aos planos de negócios?

Não assumir a premissa de que com o planejamento pode-se concluir que aquela ideia de negócios, naquelas condições (empreendedor, recursos disponíveis, praça etc.), seja inviável. Empreendedores menos experientes geralmente “apaixonam-se” pela ideia de negócio, perdendo a clareza no momento de “ler” o plano de negócios e decidir-se por empreender ou não.

Note que para um negócio inviável, o melhor negócio é não iniciá-lo – evitando-se prejuízos.

9) Que sugestões você daria para quem quer melhorar? Por onde começar?

Estudar é sempre o mais recomendável. Mas falo em sentido lato. Não me refiro apenas a sentar-se numa cadeira tendo a frente um professor. Mas a ler, observar comportamentos, participar de eventos. Enfim, estudar no sentido mais geral da palavra.

10) E o que você acha que esses empreendedores deveriam PARAR de fazer?

Absolutamente nada. O verdadeiro empreendedor, aquele que vislumbra a maneira melhor de fazer as coisas, essa pessoa inquieta… Deve continuar fazendo. Mesmo que às vezes de forma incompreensível. O first-mover às vezes sofre pela incompreensão daqueles que se acomodaram sobre como as coisas são.

11) Baseado em toda sua experiência e depois de todas as pesquisas que fez para escrever seus livros, existe algum conselho em liderança ou administração que você vê publicado com frequência, mas com o qual não concorda?

Na verdade tem sim. Leio com frequência, de autores mais diversos, que devemos identificar nossos pontos fracos e tentar melhorá-los. Parece-me, num primeiro olhar, óbvio. A mim, entretanto, soa triste. Se eu ficar buscando pontos fracos em mim e tentando melhorá-los, serei, em muitos deles no máximo razoável. Creio que o ideal seja depurar os pontos limitantes da sua carreira no rol de pontos fracos e, nestes sim, concentrar atenção – já que limitam sua carreira. No mais é reforçar os pontos fortes de forma que nos tornemos muito capazes em algumas poucas áreas. Muitas pessoas confundem ter visão sistêmica empresarial, com ser bom em tudo. Não é isso, porque isso é inalcançável. Devemos ter noção sobre muitas coisas e ser especialista em poucas outras. Isso é alcançável e pode levar a pessoa a ser bem-sucedida. Focar nos pontos fracos e ficar a vida toda tentando melhorá-los é, realmente, levar uma vida muito triste.

12) E sobre planos de negócios e a busca do sucesso – com toda sua experiência e conhecimento, existe algum conceito que você gostaria de reforçar?

A palavra de ordem é planejamento; acrescento trabalho. Pode-se ganhar na mega sena sem muito esforço, mas são casos raros. No mais, é muita dedicação.

13) Informações para contato.


Adonai josé lacruzAdonai José Lacruz é Administrador (2001) e Mestre em economia empresarial (2005). Autor do livro “Plano de negócios passo a passo” (Qualitymark-2008) e coautor dos softwares Profit (elaboração e gerenciamento de plano de negócios 2008), Project Manager: non-profit (gestão de projetos 2010) e Budget Management (orçamento empresarial 2011). Publicou mais de uma dezena de artigos científicos.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima