Confira a entrevista com Evilásio Tadeu Klein

“A palavra da moda é coaching. Então, por questões de marketing, há uma confusão entre o que seja mentoria, coaching, counseling e consultoria.”

O que é exatamente o selfACE? Por que você o criou?

O SelfAce é uma poderosa ferramenta de autoconhecimento, ampliação de consciência e uma metodologia de planejamento pessoal, desde o nível mais sutil, com a determinação de seus valores, missão pessoal e visão de futuro. De uso fácil e até divertido, possibilita várias personalizações por seus usuários, é extremamente eficaz para aplicar em todas as áreas da vida, como por exemplo na família ou em âmbito profissional, de liderança ou simplesmente na busca de ser mais feliz. Pode ser utilizado em Self Coaching, Life Coaching, Coaching de Carreira e Mentoria.

Para empresas, sua utilização possibilita elevar o nível de competência e apoia o plano de desenvolvimento individual, permite conhecer melhor as pessoas e aprimorar as lideranças da organização. Também proporciona um trabalho de alinhamento dos objetivos das pessoas com os da organização.

O selfACE foi criado por um profundo desejo de ajudar as pessoas a se encontrarem em seus caminhos, serem protagonistas de suas vidas e mais felizes. O mundo que está emergindo, precisa muito de gente assim.

Fale um pouquinho mais sobre o FIB – Felicidade Interna Bruta. O que é?

O FIB – Felicidade Interna Bruta, é um indicador que foi instituído no Butão, um pequeno país localizado entre a China e a Índia. Seu imperador o criou na década de 70, por que ele achava que o PIB não expressava como seu povo se desenvolvia. E o conceito está se alastrando pelo mundo, e já é aceito em outros países. Ele é fruto de uma combinação de indicadores em 9 áreas. Foi um dos temas da Rio+20.

Pegamos carona no conceito, e o instituímos no selfACE. São propostos temas para reflexão em 14 áreas da vida, em cada um o usuário escolhe uma dentre 4 carinhas, que expressam como ele se sente em relação ao tema: desde muito feliz, pouco feliz, pouco triste ou muito triste. Isto forma um painel, que demonstra, do claro para o escuro, como a pessoa se sente em cada uma das 14 áreas. Este é seu painel do FIB.

Você poderia nos dar um exemplo prático de como o selfACE ajuda uma pessoa?

Nas 14 áreas da vida, são propostas questões para reflexão da pessoa, a que chamamos de trilhas. Então, ao percorrer estas trilhas, ela é estimulada a refletir sobre estas questões, em dois tempos: como era na infância e como é hoje. Assim, pretendemos que ela desvele como, em sua educação e convivência social, foram formados suas crenças, paradigmas, enfim, como ela vê o mundo. Desta reflexão, irá aparecer por que ele reage a estímulos como:

  • Gosto – não gosto
  • Aceito – rejeito
  • Segurança – medo
  • Obsessões ou apegos
  • Pessoas com quem compete
  • Desequilíbrios entre as áreas, se esmera em algumas, em detrimento de outras (família, saúde, espiritualidade, etc.)

São ao todo, em torno de 200 temas. Tem muita matéria-prima para se trabalhar e fazer com que ele amplie sua visão, transmute estas questões, jogue luz sobre elas.

É fácil? Nem sempre, e é muito importante que seja acompanhada por um profissional de coaching ou mentoring experiente.

A aplicação do selfACE para vendedores irá preparar estes profissionais para desempenharem muito melhor seu trabalho. Conhecendo-se melhor, ele também irá entender melhor seu cliente. Também estarão melhor preparados para as pressões  e negociações a que estão sujeitos em um processo comercial.

Como você começou como coach?

Fiz a primeira formação em 2006, ainda com a intenção de ser um melhor gestor de pessoas, já que tinha uma empresa e funcionários na época. Depois vendi a empresa e decidi me aprofundar no tema. Fiz outras formações, sempre em áreas do comportamento humano e hoje curso a Pós-graduação em Psicologia Transpessoal da Unipaz.

Que tipo de empresa geralmente contrata seus serviços? O que buscam?

A metodologia que utilizo no selfACE, já é utilizada há muitos anos, principalmente em empresas que querem investir no desenvolvimento de suas lideranças e enxugar sua hierarquia, gerar maior empowerment nas equipes.

No caso de vendedores, esta metodologia está mais focada no desenvolvimento da pessoa, torná-la mais preparada para a vida e seu trabalho.

O selfACE está em lançamento e ainda não está sendo utilizado em empresas.

Por outro lado, que tipo de evento/treinamento não é adequado para você? Ou seja, que tipo de problemas/situações/treinamentos você geralmente prefere não aceitar ou indicar para algum colega?

Tenho atuado mais na área de treinamento em vendas, como Coach de vendedores.  Para acompanhamentos pessoais tenho indicado outras pessoas de nossa equipe.

Qual seu diferencial em relação a outros consultores ou coaches? Qual sua marca registrada’?

Minha marca é a experiência e muito estudo. Fui vendedor, líder de vendas e empresário. E fui muito bem-sucedido nestas experiências. Tive um revés em uma empresa de T.I. nos tempos de reserva de mercado nesta área, mas foi um preço que muitos pagaram por terem acreditado na política do governo de então. Mas até esta experiência me ajuda hoje. Tenho um blog de conteúdo em vendas, o www.rodadenegocios.blogspot.com e agora o selfACE.

Com tanta experiência na área, quais dicas ou informações você vê sendo dadas pela mídia sobre esse assunto com as quais claramente não concorda?

A palavra da moda é coaching. Então, por questões de marketing, há uma confusão entre o que seja mentoria, coaching, counseling e consultoria. O professor e sociólogo Renato Klein fez uma definição, a meu ver, muito clara sobre o tema, inspirado na Teoria U, de Otto Scharmer e equipe: “A mentoria, ou mentoring, atua na fonte da pessoa, sua essência. Em quem ela é, sua missão e visão de vida. O coaching atua nos seus processos, isto é, em como ela operacionaliza e manifesta esta sua essência, em como e com que competência ela faz as coisas e suas metas acontecerem”.Nestas duas situações, o Mentor ou Coach instrumenta, questiona, busca que seu cliente encontre suas respostas. No caso do counseling ou consultoria, o profissional é muito experiente, e utiliza esta experiência para mostrar caminhos que já foram percorridos com sucesso por outras pessoas ou organizações.

Esta definição é muito importante para os profissionais de vendas. Como demonstra Simon Sinek, no filme www.youtube.com/watch, quem você é e em que acredita, conta mais que fazer um processo comercial bem-feito. Vale para as empresas, como o exemplo da Apple e para profissionais em geral.

Algum último comentário que queira fazer para os leitores da VendaMais?

Um profissional que pretenda atingir um patamar superior de performance, ser melhor remunerado, precisa investir nestas duas dimensões: em si mesmo, como pessoa, descortinar sua alma, encontrar seu propósito de vida, no que acredita profundamente, e nas técnicas de sua profissão. Não tem atalho, não tem milagre. Tem que encontrar o equilíbrio entre seu aspecto profissional e o atendimento para as grandes questões da sua vida. As consequências de se buscar o sucesso a qualquer preço são caras, e por outro lado, o sucesso não vem sem muito preparo.

Informação de contato:


Evilásio Tadeu Klein empresário, Consultor e Master Coach pelo Instituto Holos, especialista em vendas, com formação acadêmica em Ciências Contábeis.  Pós-graduando em Psicologia Transpessoal pela Unipaz. Pesquisador do comportamento humano, tem cursos como Eneagrama, PNL aplicado a vendas, gestão empresarial, negociações eficazes. Idealizador da metodologia Roda de Negócios para treinamento em vendas e do selfACE.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima