Confira a entrevista com Rudson Borges.

Acredito que pensar é importante, mas agir é ainda mais necessário.

Sobre o que trata exatamente seu livro Fora da Caixa? Qual seu público-alvo e a grande mensagem?

Quando eu pensei no título Fora da Caixa, lembrei-me da expressão inglesa que nos remete a necessidade de criar, inovar e mudar. Acredito que pensar é importante, mas agir é ainda mais necessário, por isso escrevi o livro numa linguagem agradável e popular para ajudar os leitores na tomada de atitudes e decisões. São 30 textos, um para cada dia, para serem lidos em um mês. São 04 capítulos, representando as quatro semanas: 1. Motivação e Sucesso, 2. Comportamento e Atitude, 3. Comunicação e Relacionamentos, 4. Perseverança e Resiliência. O Fora da Caixa é um livro indicado para todos que necessitam de bons motivos para correr atrás das suas metas e objetivos, e não tem um público especifico. Tenho recebido feedbacks de pessoas dos mais variados perfis e das mais variadas profissões.

Qual a primeira coisa que você gostaria que alguém fizesse ao terminar de ler o livro? Por onde começar?

Ao terminar a leitura do Fora da Caixa, depois dos 30 dias, seria muito gratificante se o leitor pudesse juntar e colher as melhores informações, o melhor conteúdo, e tivesse mais ferramentas para conquistar aquilo que deseja. Em vários textos eu apresento técnicas e conceitos importantes, mas noutros eu falo com o coração aberto, conto minhas experiências, dificuldades e superações. Espero que eu consiga encorajar, inspirar e motivar.

Como é possível comprar o livro? Onde ele está disponível?

Acredito que a partir de março ele já esteja nas principais livrarias do Brasil. Hoje ele é vendido na Loja Virtual do meu site e entregue em qualquer lugar do país. É possível adquiri-lo através do site: www.rudsonborges.com.br

Como você começou na área de palestras e treinamentos?

Hoje tenho 27 anos, comecei em 2003, antes da maioridade, através de um projeto universitário da UNASP. Em 2006 as palestras deixaram de ser uma maneira de pagar a minha faculdade e passaram a ser a minha profissão, única fonte de renda e foco da minha atenção, estudo e energia. Eu lembro com carinho de todas as dificuldades já superadas, afinal, foram elas que moldaram o meu caráter e também o profissional Rudson Borges.  Minhas primeiras palestras eram pouco prestigiadas, o valor cobrado era muito baixo. Eu realizava palestras para pequenas empresas e quando as grandes me contratavam eu realmente não as empolgava e isso gerava um misto de frustração com muita vontade de evoluir e provar que eu seria capaz. Já fiquei 08 meses sem realizar nenhum trabalho, passando por inúmeras limitações e necessidades. Felizmente os resultados sempre foram crescentes. Todo novo ano acaba sendo o melhor período da minha vida. Eu sei que 2013 será o melhor ano da minha vida. Para chegar aonde cheguei foi preciso pensar e agir FORA DA CAIXA.

Qual o diferencial do Rudson Borges em relação a outros palestrantes que falam sobre esse assunto? Qual sua ‘marca registrada’?

Sinceramente? Sem querer ser pretensioso eu posso dizer que sou um profissional congruente e que tenho a Graça de transmitir aquilo que eu faço e vivo. É isso que me deixa realizado e me faz pensar: nasci para ser conferencista e escritor. Quando você ensina e transmite, mas não vive, as suas palavras se tornam vazias, você pode ter eloquência, mas não terá o poder de inspirar e impactar a vida das outras pessoas. Eu comecei a palestrar muito cedo, então foi preciso ter muita motivação para superar inúmeras críticas, resistências e preconceitos…  Tive que ser um grande vendedor, automotivado e perseverante, afinal, contrariei a lógica de um mercado muito competitivo. Comecei sem nome, sem formação, sem apoio e sem dinheiro. Venci, graças a Deus. O meu diferencial é a minha vida, a minha história. Hoje eu uso o que eu aprendi com a vida, não apenas o que colhi de livros e professores.

Referências

Quais seus sites da área de Motivação, Gestão e Vendas preferidos e que você recomendaria?

São tantos sites, vou recomendar então:

Quais são seus livros de negócios ou autores preferidos?

São tantos bons autores, tantos bons livros, vou citar cinco que tenho em minha cabeceira:

  • Os 4 princípios do sucesso, de John C. Maxwell.
  • Coaching para aprimorar o desempenho, de John Whitmore.
  • Como fazer amigos e influenciar pessoas, de Dale Carnegie.
  • Poder sem limites, de Anthony Robbins.
  • Marketing 3.0, de Philip Kotler

Sobre Liderança

Qual é o maior erro que você nota nos líderes ao motivar suas equipes hoje em dia?

Fica complicado falar de apenas um erro, pois vários poderiam ser citados, então vou passar algumas dicas para que tais falhas sejam minimizadas:

  • Antes de criar estratégias motivacionais, conheça individualmente a sua equipe. Descubra o que “trava” e o que “impulsiona” (motiva) cada colaborador. Já vi churrasco como recompensa por metas atingidas para equipes com pessoas vegetarianas.
  • Reconheça o esforço e a evolução e não apenas os resultados.
  • Entenda que a motivação vai além de aumento salarial e promoção. Um telefonema, uma mensagem de texto, demonstrar interesse sincero e genuíno… Coisas que não tem preço.
  • Você pode ser um líder motivado, mas pouco adianta se você não for motivacional. Saiba transmitir, inspirar, incendiar. São os seus comportamentos e as suas atitudes que lhe farão um grande líder, não as suas palavras e filosofias.

Porque você acha que tantas reuniões e treinamentos são chatos ou improdutivos? O que poderia ser feito para melhorar isso?

Bom, se for um treinamento interno eu acho que deve ser bastante específico e objetivo. Sem ser extenso e cansativo e com algum dinamismo. No caso de evento contratado pela empresa, acho que tanto contratante quanto contratada devem ser criteriosas. A empresa deve deixar claro o que espera em termos de resultados e quais as necessidades latentes. O instrutor precisa mesclar conteúdo eficaz, com técnicas de oratória e apresentação. Equilíbrio. O segredo é harmonizar. Conheço pessoas com excelente capacidade intelectual e grande conhecimento, mas sem a empatia e habilidade de encantar ouvintes/ expectadores. Também sei de pessoas que são altamente carismáticas e com “dom da oratória”, mas apresentam um “conteúdo vazio”, pouco aproveitável.  O segredo é ser bem-humorado, sem ser humorístico, pois isso traz leveza e mantém o foco: desenvolvimento…  O objetivo é apontar os caminhos, mostrar “o que” e “como” fazer, inspirando, desafiando, encorajando e provocando a plateia.

Qual seu treinamento, palestra ou aula mais memorável, a que mais lhe marcou? 

A Palestra que mais apresento e alcanço melhores resultados é Transcendendo Limites, onde eu aponto os diferenciais para uma vida de sucesso e foco em Mudanças, Atitudes e Boa Formulação de Objetivos. Acredito que já foram 200 apresentações com este tema, em eventos abertos e fechados. O que mais me marcou foi um curso que realizei em parceria com a OurivesT&D. Pouco antes do treinamento um casal me chamou, e a esposa disse que estava participando do treinamento principalmente para agradecer pela mudança na vida e na atitude do marido, que semanas antes havia me assistido numa palestra in company (para a Dell Anno).

Qual a situação mais desastrosa ou engraçada que já ocorreu numa das suas palestras/eventos ou treinamentos?

Que perguntinha mais profunda (risos). Já passei por tantas situações curiosas, engraçadas e até por frustrações que hoje são motivos de boas gargalhadas. Em cinco oportunidades tive que palestrar para apenas uma pessoa. Isso mesmo! Já fui ao banheiro com o microfone auricular ligado. Creio que umas 100 pessoas acompanharam tudo, ainda que sem querer.

Acho que a situação mais calamitosa aconteceu em 2007 ou 2008. Na época eu não tinha nem material de trabalho (entenda laptop e videoprojetor), então buscava por parceiros e até mesmo pedia emprestado para amigos. Certo “parceiro” emprestou o seu projetor de vídeo, mas antes me encheu de recomendações, alertou-me sobre o custo da lâmpada e outras coisas mais… Eis que bem no começo da palestra, no auge da minha empolgação eu consegui me enroscar nos fios e desliguei tudo: caixa de som, microfone, notebook e o projetor de vídeo. O dono do equipamento gritou, saltou e correu até a frente para ver se tinha queimado… Graças a Deus que não. A palestra recomeçou e eu sobrevivi naquela noite. Havia umas 300 pessoas contemplando tudo.

Conselho: que grande conselho ou dica você daria para alguém que quer melhorar seus resultados no trabalho e/ou na vida, focando principalmente na sua área?

Primeiro queira, depois creia e então faça acontecer. Tudo começará com o desejo interior, mas de que adianta ter um sonho se você não acredita que ele pode se tornar realidade na sua vida? … E de que adianta querer, confiar e ficar de braços cruzados? É hora de fazer, afinal, o mundo não é dos sonhadores, mas sim dos realizadores. Pense e Aja FORA DA CAIXA.

Algum último recado que queira dar aos nossos leitores?

Sim, tenho sim. E quero citar um trecho do FORA DA CAIXA:

“Eu não consigo acreditar em destino, pois não acredito que uns nascem para brilhar enquanto outros não. O que chamam de destino eu chamo de consequência das nossas atitudes. O que fazemos ou deixamos de fazer ecoará pela eternidade”.

Informação de contato:

Rudson Borges é um dos maiores conferencistas brasileiros da atualidade. É Gestor de Negócios, Coach Pessoal e Executivo, Master Practitioner e Trainer em Programação Neurolinguística. Ministra palestras, treinamentos e cursos no Brasil e no exterior. Borges é coautor dos livros: Ser+ com PNL e Ser+ com Motivação (Editora Ser Mais), Os 30+ em Atendimento & Vendas (3C Comunicação Empresarial), O Profissional Cobiçado por Todas as Empresas e O Profissional Cobiçado em Vendas (Interagir Editora). Autor dos DVD’s Transcendendo Limites e Cliente Eu Preciso de Você (suas mais conhecidas palestras) e Autor do livro FORA DA CAIXA (Interagir Editora).

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima