Confira a entrevista com Stephen Baker

Estamos criando rios de dados digitais, que cada vez mais pintam um retrato de nosso comportamento, nossos gostos e preferências como compradores, pacientes, eleitores, até mesmo como potenciais terroristas e amantes.

1) Vamos começar falando sobre você, para que os nossos leitores possam conhecê-lo melhor. Você poderia descrever brevemente o seu percurso de vida até escrever o livro “Numerati”?

Eu estava no México há cinco anos, trabalhando na revista BusinessWeek, quando comecei a escrever sobre tecnologia. Comecei em Paris, depois fui para Nova York. Foi em 2005 quando meu editor me pediu para escrever uma reportagem de capa sobre Matemática. Ele disse que sabia que era algo importante para o negócio e para a tecnologia, e ele queria que eu descobrisse algo de novo para colocarmos na próxima edição da revista. Foi aí que comecei minha a minha viagem dentro do universo dos números, a qual me levou a entender a economia de dados, que descrevo em meu livro.

2) Com tantos livros sobre liderança, quais as novas informações que o livro Numerati oferece?

O Numerati não é sobre a liderança. É sobre como todos nós estamos criando rios de dados digitais, que cada vez mais moldam nosso comportamento, nossos gostos, nossas preferências como compradores, pacientes, eleitores e até mesmo como potenciais terroristas e amantes.

3) Você poderia nos dar um exemplo de como o livro Numerati reflete suas principais ideias ou conceitos?

Os matemáticos e engenheiros têm agora ferramentas (como dados e computadores) para iniciar trabalhos diferentes de sua área de conhecimento, que anteriormente eram feitos por pessoas que estudavam ciências humanas, psicólogos e jornalistas. Um exemplo simples é que no jornalismo, um editor tradicionalmente tenta imaginar o que milhares ou milhões de leitores estariam interessados ​​em ler. Então essa pessoa seleciona artigos e fotografias para satisfazer esta multidão. No mundo da Numerati, uma empresa como a Google rastreia na navegação, a Web de milhões de pessoas. Matemáticos e engenheiros possuem o acesso ao Google. Desta maneira eles utilizam ferramentas para criarem ofertas personalizadas para cada leitor. Neste sentido, a análise de dados substitui o editor. Assim, um engenheiro ou programador de software se torna um jornalista.

4) Em uma frase curta, que tipo de pessoa deve ler o seu livro? Que tipo de conselho que ele deveria estar procurando? Ou que tipo de problema ele deveria buscar resolver?

Por questões práticas, o livro é para profissionais, seja da área de marketing, medicina, política ou de polícia, que enxergam que a análise de dados está se tornando uma parte importante de sua profissão. Mas o meu leitor-alvo é a pessoa curiosa, que busca entender como a tecnologia está mudando nossas vidas, e quer saber onde ela provavelmente nos levará. Nesse sentido, “Os Numerati” é um livro de história para o futuro.

5) Qual é a primeira coisa que você gostaria que um leitor fizesse depois de ler Os Numerati?

Depois de ler meu livro, eu espero que o leitor pense sobre todos os dados que ele está criando, seja na Internet ou em seu cartão de crédito, ou mesmo e-mail, e tente imaginar como os Numerati estão analisando esses dados, que tipo de conclusões ele está tendo e como ele pretende ganhar dinheiro com isso. Eu espero que as pessoas entendam o reconhecimento de dados.

6) Que outros livros você recomendaria para alguém que quer mais informações sobre isso?

“A informação”, de James Gleick, é uma história longa e com muito conhecimento. Ao ler o livro, você percebe que sempre fomos os analistas de dados. Até sinais de fumaça formam dados. Um segundo livro é meu, chamado “Final Jeopardy — The Man-Machine Battle for the Future of our Minds, (Tradução livre: Final Jeopardy – A Batalha Homem-Máquina para o futuro de nossas mentes”. É a história de um computador construído pela IBM, designado para jogar um jogo de perguntas contra os humanos. Esta é realmente a próxima etapa do Numerati: inteligência artificial que vai ter domínio da linguagem, e utilizar de grandes bancos de dados para obter respostas e insights. Infelizmente ele não foi traduzido para o Português.

7) Sobre o seu trabalho como consultor nas empresas:
Qual é o maior erro que você vê os donos de pequenos negócios cometerem, que você aborda em seu livro?

Um problema comum é confiar demais nos dados. Às vezes você não consegue encontrar os dados que descrevem a situação que você está interessado, e se contenta em estudar os que você tem na mão. Este é um grande erro. Por exemplo, digamos que você está interessado em medir o melhor jornalista em uma revista. Você pode ter informações sobre o que gasta mais tempo no escritório. Isso é relevante? Talvez não. Ou talvez você vai medir qual atrai a maioria dos comentários na Internet. Mas um jornalista que cobre escândalos políticos com certeza obterá mais comentários do que outro com assuntos menos polêmicos. Então, isso não é realmente justo. O truque é pensar profundamente sobre os dados que contam histórias importantes, e então descobrir uma maneira de obtê-los, o que não é fácil.

8) Que sugestões você daria para eles melhorarem? Por onde começar?
O melhor lugar para começar é olhar para os concorrentes e analisar seus sucessos. “O que eles estão medindo? Como eles estão recebendo seus dados?”

9) E sobre os gerentes e líderes de equipe? Em geral, o que você acha que eles deveriam parar de fazer para melhorar seus resultados?

Bem, alguns deles lutam contra a tendência. Eles acham que isso é uma moda e estão ansiosos para provar quem está errado, ou que é perigoso. Eles sempre podem encontrar bons exemplos de análises ruins, que as pessoas fazem com os dados. Mas você não deve ter como base, os erros que outros cometem. Em vez disso você deve se concentrar nos sucessos, e manter os erros em mente como avisos.

10) Há alguma coisa que eles deveriam começar a fazer mais?

Eles devem experimentar. No mundo de dados, cada empresa é um laboratório. É importante começar uma iniciativa de dados pequenos. Ver os erros que você faz, o que você tem de errado, e mais importante, o que o faz funcionar. Depois, gradualmente, amplie as operações de dados de sucesso para diferentes ramos do negócio.

11) Depois de toda a pesquisa que você fez para Os Numerati e com base em sua experiência na área, que conselho que você vê lá fora, que você discorda ou pensa que é enganoso?

Há muitas pessoas que estão preocupadas com a privacidade. E assim, um grande número de empresas que analisam os dados tentam esconder o que elas fazem. Elas temem que os clientes se rebelem. Mas os clientes são mais propensos a aceitar a análise de dados, se a empresa é honesta e franca sobre o que está fazendo, ainda mais se a empresa dá aos seus clientes a oportunidade de opção. Em outras palavras, deveriam dizer: Aqui está o porquê de estarmos estudando seus dados. Nós queremos dar a você um ótimo serviço personalizado. Veja como estamos protegendo a sua privacidade. Aqui está o que você pode fazer se você quiser que nós o tratemos como um cliente anônimo, etc.

12) Quais são os valores pelos quais sua empresa vive e morre? Por que é tão importante para você?

Eu sou apenas um escritor trabalhando sozinho.

13) Algum comentário ou pensamento para nossos leitores?

Muitas pessoas pensam (e têm medo) que as empresas de dados podem prever o nosso comportamento. O fato é que os seres humanos individuais são imprevisíveis. Eles podem prever o que vão fazer 100.000 seres humanos. Mas o indivíduo apresenta sempre um mistério para os dados. Espero que as pessoas achem isso reconfortante.


Stephen Baker – Autor de Final Jeopardy — The Man-Machine Battle for the Future of our Minds (Houghton Mifflin, Spring, 2011), (Tradução livre: Final Jeopardy – A Batalha Homem-Máquina para o futuro de nossas mentes (Houghton Mifflin, Primavera, 2011); The Numerati (Houghton Mifflin Harcourt, 2008 in North America, and 20 foreign publishers)). Tradução livre: Os Numerati (Houghton Mifflin Harcourt, 2008 na América do Norte, e de 20 editores estrangeiros). Blogs em TheNumerati.net. Também escreveu The Boost, um romance que será publicado pela Tor Books em 2013. [email protected], TheNumerati.net, Twitter @stevebaker TheNumerati.net, Twitter @stevebaker.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima