Confira entrevista com Beto Chaves

Beto Chaves

“Procure trabalhar em algo que goste, pois só assim o trabalho trará realização e felicidade. Sempre que fazemos as coisas com brilho nos olhos, o resultado é fantástico e sua vida se torna um sucesso!”

Vamos começar falando do seu livro Entre pipas, brigadeiros e internet: lições de um jovem empreendedor de sucesso. Qual é a principal ideia ou conceito que você defende nele?

O livro Entre pipas, brigadeiros e internet narra, de forma leve e descontraída, a minha trajetória como empreendedor, desde os oito anos de idade, destacando as lições que aprendi durante esse tempo. Possui trechos engraçados e outros mais profundos, que servem de motivação e exemplo a quem deseja seguir no caminho do empreendedorismo. A grande mensagem do livro é a constante busca pela felicidade, que deve ser uma meta na vida de qualquer pessoa, principalmente na de um empreendedor. Não se pode esquecer que sucesso é ser feliz. É esse o meu lema.

Inicialmente, o livro será digital e totalmente gratuito, para ser baixado na internet pelo site www.betochaves10.com.br. Foi a forma que encontrei de disseminar cultura e compartilhar os meus conhecimentos sobre empreendedorismo, atingindo o maior número de pessoas interessadas possível. Acredito que incentivando o empreendedorismo entre os jovens podemos criar uma sociedade melhor e mais justa para se viver. É fato que o empreendedorismo vem ajudando muitas pessoas a saírem da pobreza e, mais que isso, a realizar sonhos e encontrar um sentido na vida.

Como você começou sua carreira como palestrante/treinador?

O meu começo foi engraçado. Eu sempre assistia a palestras e me identificava com aquilo, tinha muita vontade de ser palestrante, mas faltava iniciativa. Coincidentemente, fui convidado para ministrar um curso sobre mídias digitais e, no último dia de aula, bolei uma palestra motivacional e a apresentei para minha turma, com 25 alunos. Foi minha primeira palestra e o começo da realização do meu sonho. Convidei uns cinco amigos e filmei tudo. Foi amor à primeira vista. 

A partir daí, comecei a divulgar essa minha nova carreira. Mudei meu nome no Facebook para Palestrante Beto Chaves e sempre destacava os temas de minhas palestras. Com isso, uma amiga, professora de administração, muito bem conceituada na minha cidade, me convidou para participar da Semana de Administração da faculdade na qual ela lecionava. Esse foi meu primeiro convite oficial para palestrar. Todos que assistiram adoraram minha palestra e outros professores começaram a me convidar para palestrar em salas de aula. 

Acredito que essa primeira palestra contou com uns 50 espectadores e foi muito legal. Depois disso, comecei a mandar material para grandes eventos e surgiram vários convites. A partir daí, tudo foi acontecendo de forma muito rápida.

Que tipo de empresas geralmente contratam seus serviços? O que elas buscam em suas palestras?

Como minhas palestras tratam de temas como desempenho, motivação, autoestima e liderança, empresas dos mais diversos seguimentos me procuram para fazer treinamentos e palestras motivacionais com as equipes. Acredito que um funcionário motivado rende mais que um funcionário bem pago e desmotivado. O que as empresas buscam é deixar a equipe motivada e com brilho nos olhos, focada no desenvolvimento da empresa e entendendo que isso significa, também, seu desenvolvimento pessoal. É por isso que minha palestra se adapta a empresas dos mais variados tipos.

Por outro lado, que tipo de evento ou treinamento não é adequado para você? Ou seja, que tipo de problemas, situações ou treinamentos você geralmente prefere não aceitar ou repassar para algum colega?

Acredito que não exista um tipo de evento do qual eu não possa participar, pois sempre é muito importante motivar pessoas com minhas experiências de vida e do empreendedorismo. Eu defendo que para ser empreendedor não é necessário ser empresário, mas sim ter atitude. Há empreendedores funcionários públicos, médicos, advogados, faxineiros, professores, ou seja, em toda profissão você pode ser empreendedor. Por isso minhas palestras e meus treinamentos se adaptam a todos os tipos de eventos.

Qual é o seu diferencial em relação a outros palestrantes? Qual é a sua “marca registrada”?

Acredito que meu grande diferencial é que narro, em minhas palestras, minha própria história de vida, e não apenas fatos hipotéticos ou meramente teóricos. Sou empreendedor desde os oito anos de idade e é sobre isso que discorro nas minhas palestras. Conto como foi trabalhar em empresas por mais de um ano sem receber salário e, mesmo assim, ser um funcionário de destaque. Conto também que sempre acreditei nos meus sonhos e lutei para montar minha empresa, que hoje tem 12 anos de existência. Já quebrei e recomecei, sem medo nem vergonha.

Nesses anos, aprendi que o grande sentido da vida é a busca da felicidade. Falo da valorização da família, da importância da autoestima e de se amar da forma que você é. 

Por tudo isso, sempre digo em minhas palestras que sou “o cara”. E digo isso não de forma arrogante como pode parecer à primeira vista, digo porque sou feliz como sou, acredito em mim e em meu potencial, luto para realizar meus sonhos, sou uma pessoa rica e de sucesso, pois para mim sucesso é ser feliz. E sou muito feliz e rico, porque minha maior riqueza é minha família. 

Tudo isso termina sendo um grande diferencial em minhas palestras. O lado humano e família de um empreendedor.

Além do seu próprio site (www.papoarretado.com.br), que outros endereços da área você recomenda para quem quer se aprofundar no assunto?

Sempre estou consultando os sites www.vendamais.com.brwww.papodeempreendedor.com.br, www.administradores.com.br e www.cidademarketing.com.br; são portais que leio diariamente e indico a todos os empreendedores como eu.

Quais são seus livros de negócios ou autores preferidos?

Gosto muito do Monge e o executivo, de James C. Hunter, bem como de todos os livros de Augusto Cury.  

Qual foi a sua palestra ou treinamento mais memorável, que mais lhe marcou? 

São três. As palestras mais marcantes: a primeira, na cidade de Caruaru (PE), na qual levei minha esposa e minha filha mais velha, na época com 4 anos e que assistiu à palestra do início ao fim, respondeu às perguntas que fiz à plateia e, assim que acabou a palestra, eu ainda estava no palco quando ela saiu correndo, subiu no palco e meu deu um abraço e um beijo, deu para ver a cara de alegria e de orgulho que ela sentia do pai, como também vi o orgulho da minha esposa em me ver atuando como palestrante.

Outra palestra inesquecível foi no evento EREAD-NE (Encontro Regional de Estudantes de Administração – Nordeste), em que fiz a abertura do evento, e depois da minha palestra os estudantes fizeram uma fila gigante para tirar fotos comigo. Fiquei mais de 30 minutos fotografando e conversando com a galera. Isso foi demais!

Por fim, outro momento marcante foi no maior evento que participei, com 1.800 pessoas, o CPEJE (Congresso Pernambucano de Jovens Empreendedores). Foi demais ver o auditório lotado, com um supertelão e o público concentrado e se divertindo com a minha palestra. E depois muita gente veio falar comigo e me parabenizar. Essas coisas não têm preço!

Qual foi a situação mais desastrosa ou engraçada que já aconteceu em uma das suas palestras ou eventos?

Na minha primeira palestra, fui de tênis, calça jeans e camisa polo. Cheguei cedo, organizei as coisas e fiquei sentado na sala esperando o momento de começar. Os alunos foram chegando e comecei a notar que muitos estavam comentando: “O palestrante ainda não chegou”, “Será que ele vem?”…

Depois que a coordenadora me apresentou e me convidou para ir à frente da sala, eles notaram que eu era o palestrante. E se surpreenderam. Com isso, aprendi que imagem é fundamental e hoje só palestro de blazer e camisa social, porque assim que entro na sala para ministrar uma palestra, já escuto alguém dizendo: “Aquele ali é o palestrante”. 

Nesse primeiro dia fiquei muito envergonhado por estar vestido de maneira pouco apropriada. Então, é aquele velho ditado: “A primeira impressão é a que fica”. Daí a importância de cuidar dela.

Qual é o maior erro que você nota nas convenções ou nos treinamentos de empresas?

Acredito que todo treinamento e convenção é válido, mas percebo que os eventos devem procurar mesclar palestrantes teóricos e técnicos com palestrantes práticos e motivacionais, porque além de um bom conteúdo técnico, é importante apresentar histórias reais de sucesso e fracasso. Palestras práticas sempre contam histórias que emocionam as pessoas e as fazem acreditar em si mesmas, pois já que uma pessoa conseguiu enfrentar as dificuldades e alcançar o sucesso, ela também pode conseguir. 

Dia desses, recebi um depoimento depois de uma palestra que reflete muito isso:

“Beto Chaves, parabéns pela palestra, realmente foi muito ARRETADA. Tenha certeza de que você conseguiu passar a mensagem para muitas pessoas que se encontravam no CPEJE, inclusive para mim, que estava em uma fase muito difícil, pois estou começando um empreendimento com dois amigos, porém estamos enfrentando algumas dificuldades. Eu já estava desanimando achando que era só com a gente, que as pessoas que estavam no topo nunca passaram pelas mesmas dificuldades. Obrigado por nos passar um pouco do seu conhecimento. Abraço. Thiago Brandão.”

Por que você acha que tantas reuniões e tantos treinamentos são chatos ou improdutivos? O que poderia ser feito para melhorar isso?

Quando a equipe está desinteressada, quando falta a humildade de entender que sempre se pode aprender mais e quando há arrogância dos que já estão no topo, as reuniões sempre se tornam muito improdutivas. Para reverter esse quadro é preciso motivar a equipe com dinâmicas inovadoras, criar uma boa relação entre os funcionários e espaço para o diálogo entre chefes e subordinados. 

Que grande conselho ou dica você daria para alguém que deseja melhorar resultados no trabalho e/ou na vida?

Procure trabalhar em algo que goste, pois só assim o trabalho trará realização e felicidade. Sempre que fazemos as coisas com brilho nos olhos, o resultado é fantástico e sua vida se torna um sucesso!

Antes de ser um grande empreendedor ou empresário, seja um grande ser humano. Lembre-se de que dinheiro é bom, mas não é tudo. Sucesso mesmo é ser feliz! 

Gostaria de deixar um último recado aos nossos leitores?

Aproveito e convido vocês a visitarem meu site www.betochaves10.com.br e conhecerem um pouco mais sobre esse sonhador e lutador chamado Beto Chaves.

 Informações de contato:


Beto Chaves é empresário de sucesso. Há mais de12 anos trabalha no mercado de comunicação digital e internet. CEO da BC10 – Grupo Digital, fundador do portal Papo Arretado – Portal de jovens empreendedores do Nordeste (www.papoarretado.com.br) – e do portal de notícias Canal PB (www.canalpb.com.br), professor de empreendedorismo, liderança e gestão de pessoas, bem como palestrante e consultor empresarial.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima