Confira entrevista com Pedro Camargo.

Pedro Camargo

Você não pode dizer que um whisky é bom olhando somente a caixa, não é mesmo? Também não pode dizer que conhece o consumidor sem entender a biologia do comportamento. Somos seres biológicos e é a química orgânica e o cérebro que nos movem e nos impulsionam a agir.

Vamos começar falando do seu livro Se estiver ovulando não vá ao shopping. Qual é a principal ideia ou conceito que você defende nele?

Este é o meu terceiro livro, já escrevi um sobre neuromarketing, publicado em Portugal pelo IPAM, e outro no Brasil sobre a biologia do comportamento do consumidor. Se estiver ovulando não vá ao shopping é um livro de finanças pessoais que fala sobre o comportamento de consumo feminino, destinado a ambos os sexos. É um livro com textos curtos e divertidos, que tem como base artigos científicos e fala sobre a influência dos hormônios, dos neurotransmissores, da genética e da função das áreas cerebrais no comportamento de compra.

A grande mensagem dele é: “Entenda a biologia, como seu organismo e seu cérebro funcionam e controle seus impulsos”. Trata-se de um livro que ensina a mulher a comprar com consciência e moderadamente todos os tipos de produtos e serviços. Fala de sapatos, cirurgia plástica, roupas, livros de romance, compras na internet, nas lojas, enfim, de tudo o que as mulheres precisam entender para se acalmarem, no sentido de não se acharem malucas ou descontroladas, pois há muita influência da química orgânica na vontade de comprar.

Como você começou como palestrante?

Eu comecei como palestrante há algum tempo, pois sou professor de marketing em graduação e pós-graduação. Mas é sobre esses assuntos que trato (neuromarketing, biologia do comportamento do consumidor e neurovendas), desde que lancei meu primeiro livro em 2009.

Que tipo de empresas geralmente contrata seus serviços? O que elas buscam em suas palestras?

Qualquer empresa que deseje realmente entender o comportamento do consumidor, pois como digo, não dá para analisar um ser biológico somente à luz das ciências sociais, fica faltando uma parte importante, que é a biologia, pois o comportamento não é algo externo ao consumidor, mas interno, produzido pelo cérebro.

As empresas que me contratam são de todas as áreas e tamanhos, desde prestadoras de serviços nas quais os pontos de contato são muitos e se necessita entender a cabeça do consumidor, como planos de saúde, até empresas de varejo (supermercados, lojas e até atacadistas) que querem também entender seus consumidores e compradores. Supermercados costumam me contratar para entender o motivo das incoerências no comportamento do shopper. Mas é importante deixar claro que quando a venda é b to b também é importante entender o cérebro do comprador, que é uma pessoa e não uma máquina, portanto, um ser biológico cheio de incoerências nas escolhas.

Organizações como Denatran, que trabalham com políticas sociais, também me contratam, pois faço palestras específicas sobre os vieses comportamentais dos motoristas, dos fumantes, dos usuários de drogas, dos alunos e sobre o aprendizado. Tenho feito muitas palestras para ABCtrans da Bahia, ABRAMET, para explicar para médicos, psicólogos e agentes de trânsito como devem ser as campanhas e a educação no trânsito segundo as premissas do neuromarketing, isto é, entendendo como o cérebro do cidadão o faz agir em certos momentos e o que o convence a modificar seu comportamento.

Por outro lado, que tipo de evento ou treinamento não é adequado para você? Ou seja, que tipo de problemas, situações ou treinamentos você geralmente prefere não aceitar ou repassar para algum colega?

Acredito e vejo oportunidades em todos os treinamentos, pois tudo o que se fala nas empresas envolve pessoas e comportamentos, e daí a biologia, a neurociência, a genética e a endocrinologia.

Qual é o seu diferencial em relação a outros profissionais? Qual é a sua “marca registrada”?

Minhas palestras são inéditas e baseadas em todas as mais novas descobertas das neurociências. Eu tenho contato constante com cientistas do mundo todo – Marco Lacoboni, da UCLA (neurocientista), Laurie Santos (neurocientista e etóloga), também da UCLA; Vasly Klusarev (neurocientista) da Universidade de Roterdan na Holanda; Frans DeWall (primatologista) dos Estados Unidos; Biju (neurocientista e especialista em trânsito) da Índia, entre outros com os quais troco informações frequentemente.

Minha marca registrada é a criação da área: biologia do comportamento do consumidor

(BIOCC). Sou o único com esses conhecimentos.

Além do seu próprio site (www.biocc.com.br), quais outros sites da área recomenda para quem quiser se aprofundar no assunto?

www.neurofocus.com

www.sandsresearch.com

www.danariely.com

Quais são seus livros de negócios ou autores preferidos?

Neuromarketing – Exploring the brain of the consumer, de Leon Zurawicki; Brainfluence: 100 ways to persuade and convince consumers with neuromarketing, de Roger Dooley; The buying brain: Secrets for selling to the subconscious mind, de A. K. Pradeep; The branded mind – What neuroscience really tells us about the puzzle of the brain and the brand, de Erik Du Plessis; How we decide, de Jonah Lehrer; Mirroring people The science of empathy and how we connect with others, de Marco Iacoboni; The art of choosing, de Sheena Iyengar. Só existe uma publicação nacional sobre o assunto, o meu livro Comportamento do consumidor: a biologia, anatomia e fisiologia do consumo.

Que grande conselho ou dica você daria para alguém que deseja melhorar resultados no trabalho e/ou na vida?

Você não pode dizer que um whisky é bom olhando somente a caixa, não é mesmo? Também não pode dizer que conhece o consumidor sem entender a biologia do comportamento. Somos seres biológicos e é a química orgânica e o cérebro que nos movem e nos impulsionam a agir.

Conselho: contate-me pelo e-mail: [email protected]

Gostaria de deixar um último recado aos nossos leitores?

Compreender que o cérebro e todos os processos orgânicos guiam nossas atitudes é fundamental e obtém melhores desempenhos dos seus colaboradores e consumidores.

As pesquisas medem o que as pessoas fazem, não o que elas pensam. E o seu sucesso está em entender antes de todos os concorrentes o que as pessoas pensam antes de fazer.


Pedro Camargo é graduado em direito pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERJ, pós-graduado em comunicação de marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing – ESPM. É mestre em educação, com dissertação em “Educação Corporativa” pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUCCAMP. Formado em inglês pela Fairlay Dickingson University – New Jersey (USA). Escreve sobre neuromarketing e biologia do comportamento do consumidor.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima