Desapaixone-se pelo trabalho

Ame você e não seu emprego ?Sou um profissional apaixonado por meu trabalho, mas, mesmo assim, muitas vezes, tenho dificuldades para manter o entusiasmo diante da rotina. O que devo fazer para trabalhar isso diariamente??, questionou um leitor.

Começando pelo fim, afirmo que quem é apaixonado pelo trabalho erra duas vezes: primeiro, porque desenvolve pelo trabalho um sentimento errado e, segundo, porque foca seu sentimento (mesmo que o errado) em algo que está fora de seu controle. Será que paixão é algo positivo para ser desenvolvido em relação ao trabalho? Quem você acha que produz mais: uma pessoa apaixonada pelo trabalho ou uma que se ama e vê na profissão uma grande chance de brilhar e ser reconhecida como alguém de valor? Não sei você, mas fico com a segunda opção.

Disciplina x paixão ? Muito bem! Agora, continuemos pelo começo. A paixão é muito volátil, um sentimento irreal que trabalha no campo do imaginário e é extremamente frágil quando tem de enfrentar a realidade. É senso comum que, quando estamos apaixonados por alguém, não estamos lidando com a pessoa real, e sim com a que criamos em nossa mente. Transporte isso para a paixão pelo trabalho e você irá se deparar com alguém que, vez por outra, vacila e sofre quando se vê diante da realidade do trabalho que realiza e que, muitas vezes, não quer enxergar. Todo trabalho tem coisas boas e ruins. Mas ninguém se apaixona por coisas ruins, somente pelas boas. Quando o que sinto por algo é paixão, evito enxergar as coisas ruins e, quando elas aparecem ? e elas sempre aparecem ?, eu me decepciono.

Tais coisas ruins podem ser um chefe incompreensivo, concorrência resistente e criativa, um colega alterado, relatório chato e desnecessário, ambiente físico inadequado, entre outras. Ora, ninguém as vence com paixão ? e muito menos com paixão pelo trabalho, já que é ele quem evidencia tudo isso, sejam situações perenes ou passageiras. Só vencemos esses obstáculos com resiliência, obstinação, compromisso, senso de dever e responsabilidade. É por isso que Albert Gray disse que os bem-sucedidos criam o hábito de fazer o que os fracassados não gostam de fazer. Isso é disciplina, amor por si mesmo, e não pelo trabalho.

O segundo ponto é que quem coloca paixão, ou amor, em algo externo fica susceptível à frustração, uma vez que nem sempre terá o controle absoluto sobre o que está fora de seu controle. Por que, muitas vezes, pessoas que amamos nos desapontam, ou ficamos desapontados com elas, se não pelo fato de nos frustrarmos com o que dizem, pensam ou fazem? O correto não é colocar o amor em alguém, mas amar o ato de amar alguém pelo simples fato de a pessoa existir ? apesar de seus defeitos e chatices ?, ou seja, o indivíduo que amo não é o fim, e sim o meio para que eu exercite o servir, o cuidar e o amar. O fim não é a pessoa, é amá-la. Aplicando isso ao trabalho: aquele que usa o emprego como meio, e não como fim, tem a chance de focar no alvo certo: pessoas, mais especificamente em duas, eu e o outro, isto é, possui a oportunidade de exercitar através do trabalho o servir, o cuidar e o amar.

Ame você, não o seu trabalho ? A realização coloca como fim o servir as pessoas beneficiadas pelo trabalho realizado, ou seja, eu e o outro. Com o trabalho não é diferente, quando você foca seus sentimentos ? paixão ou amor ? no trabalho ou na profissão, corre um grande risco de ser atacado pelo desentusiasmo ao perceber que as coisas não estão dando certo ou não são exatamente do jeito que você queria. Aí, vem a frustração e suas consequências.

Mas quando coloca em você esses sentimentos e percebe que o trabalho que faz, com os prazeres e dissabores normais que ele gera, é uma grande chance de elevar sua alma e cumprir sua principal missão na Terra: servir o próximo, você começa a ficar mais forte para superar as tempestades temporárias e os percalços do caminho, pois existe um alvo mais nobre, que está acima dessas pequenas coisas chamadas obstáculos.

Assim, respondendo a pergunta do leitor, pergunto: ?Quer tirar de letra essas circunstâncias favoráveis ao desentusiasmo??. Apaixone-se, ame-se e use o trabalho para cumprir sua maior missão ? servir o outro. Você verá que algumas bobagens são nada diante do grande prazer de encontrar a realização pessoal. Lembre-se de que alguém já disse isso há algumas centenas de anos.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima