Do fundo da alma

Uma das principais preocupações dos adolescentes é procurar a verdade, buscando, paralelamente, uma identidade independente da mãe, do pai e da família. O processo de compreender seu próprio corpo em fase de amadurecimento e de formar uma noção de individualidade e singularidade é uma experiência instigante e intensa.

Nosso relacionamento com eles é posto à prova durante esses anos cruciais. Temos de desenvolver um novo tipo de proximidade. Os adolescentes gostam de nos sentir perto deles e saber que estamos do seu lado. Precisam ter certeza de que podem recorrer a nós a qualquer momento, que podem nos dizer o que sentem, que vamos dar ouvidos às suas histórias, acompanhá-los em sua busca de significados, ajudá-los a desenvolver uma visão mais ampla ou nova dos fatos ou explorar alternativas com eles.

Precisam confiar que responderemos da maneira mais ampla e cabal possível às suas perguntas sobre sexualidade, sobre seus corpos em desenvolvimento, sobre seus desejos e sentimentos intensos. Como fazer jus a essa confiança em meio a tudo isso? Sendo sinceros e verdadeiros com eles.

Tanto quanto possível, temos de pôr de lado nossas emoções, nosso constrangimento ou qualquer outro incômodo para transmitir as informações de que nossos filhos precisam para viver e participar do mundo. As crianças são expostas muito cedo às drogas e ao alcoolismo, são sexualmente ativas desde uma idade muito tenra, e vulneráveis a inúmeras doenças sexualmente transmissíveis, com o fantasma da AIDS sempre presente.

Costumo sugerir aos pais com que trabalho que reservem algum tempo, quando não estão com os filhos, para conversar sobre sua própria adolescência e lembrar o que seus pais diziam ? ou não diziam. Quão sinceros e abertos eram seus próprios pais? O que não receberam deles e de que sentiram falta? Que diferença isso teria feito para sua juventude? Receberam as informações básicas ? menstruação, ejaculações noturnas, ereções, masturbação, orgasmo, gravidez, métodos anticoncepcionais – de seus pais ou de outra pessoa? A maioria dos pais que fazem esse exercício aprende coisas novas e significativas um sobre o outro e descobre boas histórias para contar aos filhos.

Se você não souber responder a alguma pergunta que seu filho lhe fizer, diga isso a ele e procure educar-se lendo os melhores livros e artigos que encontrar. Cabe a você ir adiante e transmitir a seu filho adolescente as informações que são indispensáveis. É claro que o que vem em primeiro lugar é dar a ele afeto e compreensão, um relacionamento próximo e atencioso e a certeza de que poderá sempre contar com você. E, depois disso, esperar que ele faça boas opções.

Educar nossos filhos dentro dos princípios da sinceridade e da veracidade vai lhes ser útil de várias formas. Eles compreenderão o valor da integridade e da confiança em seus relacionamentos pessoais com colegas, amigos e família. Terão a coragem de olhar para si mesmos e para as situações de suas vidas com franqueza e objetividade e de assumir seu papel e sua responsabilidade por ações construtivas. E, acima de tudo, terão a reconfortante certeza de estarem sendo honestos com eles próprios. A paz de espírito que se obtém com isto é uma grande dádiva.

Para saber mais: As crianças aprendem o que vivenciam, de Dorothy Law Nolte e Rachel Harris (Editora Sextante). “O mais importante na vida não é a situação em que estamos, mas a direção para qual nos movemos” – Oliver Wendell Holmes

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima