Falar bem é falar simples!

Perca o medo de falar em público

Muitas pesquisas apontam o medo de falar em público como um grande bloqueador. Dizem que as pessoas têm mais medo de falar em público do que de altura, de escuro e até de encontros com pessoas desconhecidas. Mas a verdade é que, gostando ou não, todos nós precisamos, em algum momento, dizer algo diante de uma plateia, pequena ou grande.

E então, qual é o melhor caminho para enfrentarmos esse desafio e vencermos a inibição, o nervosismo, o medo de falar em público? Não há dúvidas de que a prática é a melhor escola. Quanto mais aceitarmos o desafio da exposição e nos colocarmos à disposição para falar em situações públicas, menor será a insegurança e, portanto, melhor será a performance.

Devemos entender que esse desconforto é normal e até desejável. Uma pequena carga de estresse nos ajuda a manter a concentração e a valorizar a importância do planejamento e da preparação. Quanto maior for a sensação de autoconfiança, menor será a responsabilidade com a necessidade de planejar a fala – e aí corremos o risco do excesso de confiança: sem planejar, as chances de “dar um branco” são muito maiores.

Vencido o primeiro obstáculo – colocar-se para falar em público –, o segundo passo é planejar bem a fala. O planejamento pode ser bastante simples, como o de uma redação escolar – a fala deve ter início, meio e fim. Uma introdução curta, para “criar o clima” para a exposição do assunto, um desenvolvimento robusto, com toda a argumentação, e uma conclusão bastante objetiva, com um bom desfecho para a apresentação. Mesmo sendo simples assim, muitas vezes pensamos apenas na argumentação e não nos lembramos da introdução e, principalmente, da conclusão. Uma fala mal introduzida pode se tornar brusca. Lembre-se do ditado que diz: “A primeira impressão é a que fica” e se esforce para causar uma boa primeira impressão.

E a conclusão de uma fala também merece esmero no planejamento. Quando uma pessoa não planeja o que vai dizer ao final de sua apresentação, é comum “patinar”, repetir argumentos, tornar-se reticente… e terminar com o terrível clichê: “Então é isso!”. A última frase deve ser impactante a ponto de ficar ecoando nos ouvidos da plateia.

Por fim, o conteúdo de uma fala deve ser simples e adequado ao público ouvinte. Hoje, é preferível uma linguagem simples e coloquial às formas mais arcaicas e pernósticas. A época dos discursos pomposos já passou. Atualmente, um bom orador não fala para impressionar, mas para ser compreendido, e algumas vezes para encantar, emocionar ou convencer a plateia. E tudo isso é muito mais possível com palavras que as pessoas compreendam!

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima