Lidando com emoções em uma negociação

Como lidar com as emoções

Os dois extremos de reações emocionais em uma negociação são: de um lado externar a raiva, a indignação, levantar a voz; e de outro, o desconfortável silêncio, o olhar inexpressivo e a apatia. Esses fatores podem dificultar muito a sua concentração, a sua espontaneidade e, consequentemente, o sucesso da sua negociação.

Nosso intuito, neste artigo, é entender e evitar o desconforto quando a outra parte não lhe dá abertura, emite respostas curtas, demonstra frieza e até desinteresse durante a reunião. O primeiro ponto a ser analisado é: a pessoa é assim ou está assim?

O segundo ponto é: você é uma pessoa mais expressiva, relacional, emotiva ou mais racional, analítica e lógica? E a pessoa com quem você está negociando, qual é o perfil dela? Se você for uma pessoa muito relacional e expressiva, terá grandes chances de pensar que todas as pessoas racionais são frias e inexpressivas. Caso isso aconteça, entenda que é apenas uma diferença de personalidade e que, nesse caso, a melhor coisa a fazer é tentar entender e se alinhar com a forma de pensar e agir da pessoa com a qual você está lidando. Sendo assim:

  • Seja simples e direto – Sabe aquelas conversas de abertura para quebrar o gelo? Então, pessoas racionais podem se irritar com conversas prolongadas, pois têm a sensação de que estão perdendo tempo e preferem ir diretamente ao assunto.
  • Evite perguntas pessoais – Da mesma forma que evitam conversas desnecessárias, também não gostam de compartilhar assuntos pessoais a qualquer momento, com qualquer pessoa. Se você entrar por esse caminho pode levantar uma barreira difícil de transpor.
  • Leve muita munição – Pessoas racionais normalmente se preparam muito bem para qualquer desafio, levam informações, gráficos, dados e já têm em mente aonde querem chegar. Se perceberem que você está despreparado, não conhece muito bem o assunto ou não sentem segurança nas informações que está passando, certamente vão perder a paciência e fechar a cara.
  • Faça perguntas abertas – A ideia é conseguir que a outra parte fale, então faça perguntas abertas, para que a pessoa não consiga responder monossilabicamente a elas, que seja forçada a dar uma explicação maior. “Como” e “Por quê” são ótimos auxiliares nesse processo de levantar informações de pessoas muito quietas.
  • Aja 70/30 – Além de fazer a pergunta correta, lembre-se de ouvir com atenção e não interromper a resposta. Fale no máximo 30% do tempo e ouça 70%, demonstrando interesse e acompanhando com o olhar e com gestos a explicação da outra pessoa.
  • Não insista – Se perceber que a conversa não está fluindo, não adianta continuar batendo na mesma tecla. Mude o foco e tente descobrir o motivo do desconforto ou o que impede a outra pessoa de avançar na negociação.

Você deve ter percebido que só falei sobre como resolver conflitos com pessoas racionais, e isso foi proposital, pois as pessoas relacionais são muito mais fácies de fazer o assunto fluir agradavelmente. De qualquer maneira, caso isso não ocorra, certamente estas dicas também serão úteis:

  • Não tente contar piadas ou insistir com outros assuntos para quebrar o gelo, vá direto ao ponto.
  • Não tente competir no silêncio e na cara feia, isso só irá complicar a situação.
  • Demonstre simpatia, interesse, conhecimento e foco na solução do problema da outra parte, e você verá o “iceberg” derreter aos poucos.

Bons negócios !

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima