Na Ponta dos Dedos

Com a ponta dos dedos, ergue-se o copo com a cerveja gelada que aplaca a sede e brinda a amizade. Com a ponta dos dedos, eleva-se o garfo com o alimento que nutre e sustenta Com a ponta dos dedos, eleva-se o garfo com o alimento que nutre e sustenta.

Com a ponta dos dedos, maneja-se a linha que sustenta a pipa da criança e que ganha, impulsionada pelo vento, a liberdade da amplidão.

Com a ponta dos dedos, sustenta-se o cabo da enxada que perfura o solo, e o revolve, e o cultiva, e o faz florescer.

Com a ponta dos dedos, pressiona-se a fronte nos instantes de preocupação, afagam-se os cabelos nas horas de sedução, ajeita-se o cavanhaque nos momentos de introspecção.

Com a ponta dos dedos, contam-se as cédulas recebidas, mas também se folheiam as contas a pagar.

Com a ponta dos dedos, dispara-se a arma que tira a vida, ceifa a esperança e convida o desespero a entrar.

Com a ponta dos dedos, teclam-se os números do telefone, sejam eles do serviço de emergência, de um amigo distante na geografia, ou de um amor distante pela lentidão das horas.

Com a ponta dos dedos, afronta-se e machuca-se outrem, mediante um indicador em riste que aponta, que indica, que obriga, que impõe uma hierarquia.

Com a ponta dos dedos, define-se eletronicamente uma eleição e quem irá dispor do dinheiro público e do poder ao cabo de quatro anos.

Com a ponta dos dedos, denunciam-se os intuitos dos homens, das impressões digitais dos criminosos ao calor erótico dos amantes.

Com a ponta dos dedos, trabalha o médico que manuseia o bisturi, que preenche o receituário, que salva vidas.

Com a ponta dos dedos, revela-se o artista que monta o cavalete, e pincela, e pinta, e retrata, e assina, e emociona.

Com a ponta dos dedos, o escritor dentro de cada um de nós produz as cartas de amor, os textos investigativos, os artigos reflexivos, o externar de corações e mentes.

Com a ponta dos dedos, massageiam-se os ombros, as costas e todo o corpo, levando ao relaxamento ou à excitação, de acordo com os propósitos.

Na ponta dos dedos mora o mundo. Dedos que acariciam a pele, dedos que aliviam a coceira, dedos que enxugam as lágrimas, dedos que entoam preces, dedos que despertam os sentimentos. Dedos que silenciam e que tocam.

Tom Coelho é economista, publicitário, especialista em marketing e em qualidade de vida no trabalho. É empresário, consultor, professor universitário, escritor e palestrante. Diretor da Infinity Consulting e conselheiro executivo do NJE/Ciesp. E-mail: [email protected] Visite: www.tomcoelho.com.br. ?Pintou as estrelas no muro e teve o céu ao alcance das mãos? ? Helena Kolody

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima