O que é importante para o seu público?

As últimas pesquisas, novidades e tendências do mercado

A empresa Breville poderia simplesmente fazer como tantas outras no mercado e lançar uma chaleira elétrica para aquecer água sem precisar de fogão. Mas percebeu que podia fazer melhor, então adaptou seu produto para os coinesseurs de chá e… para os preguiçosos de plantão. A chaleira vem com uma cestinha – que, de tempos em tempos, chacoalha e desce para ser coberta de água e misturar melhor o sabor das folhas –, e um timer dividido em tipos de chá, que ajusta a temperatura e o tempo de fervura ideal para cada tipo de erva.

Qualidade de vida virtual

De acordo com um levantamento feito pela empresa de logística DeutschePostDHL, o comércio eletrônico pode aumentar a qualidade de vida dos entrevistados. Somente na Alemanha, 44% desses entrevistados disseram que comprar pela internet melhora a qualidade de vida. E definiram essa qualidade como:

  • Melhor gestão do tempo – 81%.
  • Menos estresse ao deixar de visitar certas lojas físicas – 63%.

Um nicho dos pequenos

Na região de Ottawa, no Canadá, foi inaugurado um serviço de táxi exclusivo para crianças. O serviço é perfeito para pais ocupados que precisam levar seus filhos de uma aulinha de futebol para o balé, ou para o caratê e vice-versa. A empreendedora promete não apenas transportar seus pimpolhos, mas ficar de olho neles por determinado tempo, se necessário. O próximo passo do táxi para pequenos é oferecer aos pais ocupados ideias de atividades para as crianças – e aí poderão entrar parcerias bem lucrativas entre o táxi e as escolinhas, os parques, as lanchonetes…

Qual nicho de mercado você não está atendendo?

Grandes números

  • 6,48% foi a taxa média de juros ao consumidor registrada em janeiro de 2011, a menor desde que o dado começou a ser medido, em 1995. Dados da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).
  • 7,5% foi o quanto cresceu o faturamento dos sites brasileiros de compra coletiva em janeiro de 2012 em comparação com o mesmo período de 2011. Foram comercializados 2,1 milhões de cupons, em 12.624 ofertas diferentes. Os dados são do agregador de site de compras SaveMe.

Frase

“Vamos passar a produzir sabonetes no Pará, onde só fazíamos a matéria-prima, a ampliar as fábricas de Cajamar (SP) e Benevides (PR) e construir um centro de distribuição na capital paulista”.

Roberto Pedote, vice-presidente de finanças da Natura, confirmando a tendência das empresas ao buscarem o interior do País para suas produções.

Como não lidar com uma tragédia

Todos acompanharam o caso do navio Costa Concórdia e de seu capitão irresponsável. O que ficou meio escondido, entre os mortos e feridos, foi como a companhia responsável pelo cruzeiro, a Carnival, lidou com toda a situação. Outra tragédia.

Seis dias depois do acidente, a empresa colocou uma mensagem em seu Facebook que dizia: “Em respeito àqueles afetados pelos recentes eventos envolvendo nossa linha coligada, Costa, deixaremos de postar em nossas redes sociais por algum tempo”. A reação dos internautas foi mista. Alguns achavam que a empresa devia satisfações, outros diziam que a Carnival não tinha como impedir um capitão e a tripulação de um navio de fazer uma barbeiragem atrás da outra. Mais cinco dias se passaram e a Carnival retomou seu Facebook e seu Twitter normalmente. O que criou uma avalanche de críticas. As pessoas ironizavam os 30% de desconto que a empresa ofereceu para os passageiros sobreviventes e para suas famílias, e se mostravam chocadas com a falta de simulações de uso de botes a bordo do navio. Acima de tudo, criticavam a postura da Carnival em se esconder da mídia social e só voltar quando quisesse. Resultado: a procura por cruzeiros sofreu uma baixa neste início de ano. E não só por cruzeiros da Carnival, mas de toda a indústria.

Não cometa o mesmo erro, não abandone seus seguidores.

Durma com um incentivo

A Mortierbrigade é uma agência de publicidade belga que costuma atrair muitos estagiários em toda a Europa. Tanto que criou seu “hotel”: uma casa ao lado de seus escritórios, onde esses possíveis funcionários podem viver e dormir. Acontece que a casa também é projetada para recompensar quem faz os melhores trabalhos. Ao chegar, você fica no térreo da casa, o chamado “acampamento”, com alguns sacos de dormir e um chuveiro que funciona mal. Quem mostra um bom serviço passa a dormir nos “chalés” do primeiro andar, com ares de montanha e mobília de madeira rústica. O sonho é ocupar a “suíte real” no segundo andar, que reproduz o “apartamento do proprietário de uma agência iniciante”.

Agora, quem pisar mesmo na bola pode ter de dormir no subsolo. O proprietário da agência explica: “Deve ter uns ratos lá, mas ainda assim é melhor do que trabalhar com seus pais, certo?”.

Pesquisas de vendas

Se você é casado, conhece bem o poder de influência de uma mulher, facilmente exercido em diversas situações. Mas qual é o tamanho dessa influência e quanto um vendedor tem de falar para vender produtos a essas influenciadoras? É o que respondemos com o resultado de uma pesquisa realizada em todo Brasil. Confira:

  • Em 86% das situações são as mulheres que decidem sobre a alimentação da família.
  • Em 82%, são as mulheres que mandam no planejamento de férias.
  • Em 77% dos casos as mulheres chegam a decidir sobre a roupa do companheiro.
  • Em 69%, elas são responsáveis pela escolha do carro ou da moto da família.
  • Em 56% das situações as mulheres ainda influenciam a compra dos itens de tecnologia para a casa.
  • Em 82% são elas que decidem os produtos de higiene e beleza utilizados pelos maridos.

Fonte: pesquisa realizada pelo Instituto Data Popular divulgada no 2º semestre de 2011.

Esta seção tem o apoio do consultor Marlus Jungton, mestrando em administração de empresas, bacharel em marketing e pesquisador na área de vendas. Conheça mais pesquisas relacionadas a vendas no blog www.vendas.blog.br

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima