Quanto vale investir 1% em sua equipe?

Como aumentar a produtividade, elevar a motivação e estimular novas ideias dos colaboradores?

Você investiria no cliente interno para ter um diferencial no mercado? A Epros, que está há nove anos desenvolvendo portas e janelas personalizadas em alumínio, apostou no colaborador para ganhar mais espaço da concorrência e percebeu que, agindo assim, ela tem muito mais produtividade e comprometimento da equipe, o que, consequentemente, gera bons resultados para a empresa.

 

O diretor-comercial da Epros, César Augusto Martos, lembra que, antes, eles se preocupavam com o fator motivacional, mas nunca tinham investido numa ação para melhorar o ritmo de trabalho, o comprometimento e o sentimento de valorização profissional de cada funcionário da empresa. Foi então que, há dois anos, eles começaram a apostar e investir em um programa específico para o desenvolvimento e motivação dos colaboradores.

 

Bravo Zulu – Esse termo, na Marinha, é uma forma de sinalizar um trabalho benfeito. Na Epros, tem a mesma lógica e é a nova forma de avaliar a equipe por meio da meritocracia, ou seja, pelo mérito que cada funcionário recebe por fazer um bom trabalho.

 

O programa surgiu de uma proposta da Ato Z, agência de comunicação empresarial, para a Epros, que aceitou e, desde então, só avalia seus colaboradores por meio de seus méritos. O primeiro passo para a implantação do Bravo Zulu foi conversar pessoalmente com os funcionários da empresa.

 

Em seguida, foi desenhado um programa de premiação voltado exclusivamente para os desejos dos colaboradores e, junto a isso, as ações deveriam também suprir as necessidades da Epros. “Hoje, o mercado de esquadrias de alumínio é o mesmo, com a mesma ideia, e o nosso diferencial é o Bravo Zulu, que faz com que os nossos funcionários saibam que a nossa empresa é diferente e que isso desperte a vontade e a motivação para eles trabalharem aqui”, afirma César.

 

A premiação acontece semestralmente, mas, a cada mês, o colaborador é avaliado pela sua capacidade de produção, organização e participação no grupo. A cada avaliação, o funcionário acumula uma nota para, no fim dos seis meses, ganhar o prêmio. Como incentivo para ele atingir a melhor nota, a empresa pensou em ideias como o Dia de Turbinar os Pontos e o Dia para Conversar com o Avaliador, nos quais o colaborador tem a chance de saber como pode melhorar seu desempenho na empresa e conquistar mais pontos. Também é enviada, mensalmente, uma carta para a casa do funcionário com a pontuação atingida até o momento. “Isso é legal, porque a própria família ajuda na motivação desse profissional, e tudo isso gera uma valorização dele aqui na empresa”, explica o diretor.

 

Os melhores colaboradores do setor administrativo, da fábrica, das obras e das vendas ganham uma premiação específica correspondente às suas necessidades e objetivos dentro da empresa.

 

Mercado – César garante que, depois da aplicação do Bravo Zulu na Epros, até a concorrência desse segmento começou a perceber que a empresa está diferente. “Fiquei sabendo que lá na empresa de vocês os funcionários fazem isso e aquilo. Que legal, hein?”, comenta o diretor em clima de entusiasmo.

 

A Epros investe 1% do seu faturamento mensal nas ações motivacionais dentro da empresa, e os resultados são um aumento de 30% na produção dos colaboradores, um índice elevado de motivação individual e por equipe e o surgimento de muitas ideias novas para a melhoria do ambiente de trabalho. “Tudo o que fazemos nos traz um grande retorno: o cliente que compra da nossa empresa”, garante César.

 

Para ele, não existe melhor divulgação e venda de um produto que o marketing boca a boca. A Epros não faz grandes propagandas, mas aposta na venda interna, afinal, se os funcionários estão satisfeitos com a empresa, isso com certeza será passado na hora de atender o cliente.

 

Contratação – Para fazer parte dessa equipe, é fundamental que o profissional passe pelo processo de recrutamento e seleção que é desenvolvido de acordo com a necessidade de cada setor, por exemplo: no departamento de produção e construção, o diretor do setor se encarrega de escolher quem serão os novos operários de obras. Já nos escritórios e setores administrativos, o RH seleciona e o César realiza a entrevista.

 

Na conversa, ele verifica alguns quesitos fundamentais para ver se o profissional se enquadra no perfil da empresa. Uma das coisas que César preza, além do currículo do candidato, é a necessidade que essa pessoa tem de trabalhar. Caso ele perceba que realmente há necessidade e que a pessoa quer trabalhar, existem grandes chances de ela ser contratada. Além disso, o carisma do profissional também é analisado por César, que nota se a pessoa está interessada em aproveitar a oportunidade.

 

Atitude também conta na hora da contratação. Para ele, é fundamental que o candidato tenha iniciativa e não espere as coisas acontecerem, que sempre busque novas alternativas para resolver algo. “No ramo em que a gente trabalha, se a pessoa não tiver iniciativa, não adianta. E isso eu consigo ver na própria entrevista e nas experiências profissionais anteriores que ela teve”, esclarece o diretor.

 

Desenvolvimento – Um programa de plano de carreira está em pauta na Epros, mas o diretor afirma que é no dia a dia que ele consegue analisar o desenvolvimento dos colaboradores. Para César, é com ação diária, comprometimento do funcionário e necessidades departamentais que uma promoção acontece. “Eu faço isso sem aviso prévio. Analiso antes para saber se ele está preparado para o cargo e, se durante esse momento sentir a necessidade de promovê-lo, isso vai acontecer sem o colaborador imaginar. É sempre uma surpresa”, explica.

 

Para treinar seus 90 funcionários, entre engenheiros, arquitetos, vendedores e operários, a Epros qualifica seus profissionais no dia a dia, analisando as necessidades e atendendo-as de diversas formas. Toda primeira quarta-feira do mês, há uma reunião para discutir as novas providências para a empresa.

 

Há também outras maneiras de treinar a equipe: por meio de provas aplicadas para alguns setores, filmes como forma de incentivar o colaborador a melhorar alguma habilidade e outras opções de capacitação que acontecem no decorrer do dia.

 

Lição – Para César, todas essas ações comentadas sobre o desempenho da Epros e a diferenciação no mercado podem melhorar ainda mais: “Trabalhamos no intuito de nos superarmos sempre. Queremos fazer parte dos sonhos de nossos funcionários e clientes, por isso valorizamos quem trabalha conosco e, consequentemente, ganhamos o nosso cliente na qualidade do atendimento”.

 

Depois dessa grande experiência da Epros, preparamos uma lista com as lições mais importantes para você aplicar em sua empresa e também seguir o caminho do sucesso, acompanhe:

 

  • Analise – Como está a satisfação dos seus funcionários? O índice de motivação está adequado para desenvolver as atividades que são solicitadas?
  • Incentive – Quais são as técnicas que você está usando para incentivar os seus funcionários a crescerem dentro da empresa?
  • Aproxime-se – Você desenvolve um bom diálogo com seus colaboradores? Eles poderão trazer boas ideias para o seu negócio?
  • Desenvolva – Com que frequência você promove alguém da sua equipe?
  • Treine – Seus funcionários sabem o quanto está pensando neles para desenvolver projetos e atividades? Como você os treina para melhorar a capacitação dentro da empresa?

 

Com esses pequenos cuidados dedicados ao colaborador, a Epros conseguiu se diferenciar da concorrência e fidelizar mais clientes!

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima