Serviço ao consumidor – CV n. 94

Nesta edição

Para todos os gostos

De graça, mas…

Grandes números

Sedativo de escorpião

 

Comunicação

Uma leve mensagem

Determinada agência criou uma campanha superinteressante para as lojas Carrefour: apostou em algo criativo e sem o tom característico de apelo da comunicação de varejo a fim de divulgar os descontos de até 50% dos produtos vendidos na rede. A agência investiu em uma divulgação um pouco mais leve – bela forma de fugir das abordagens tradicionais.

 

o ponto de vista criativo, isso é uma prova de que a propaganda focada em preço não precisa necessariamente ser agressiva e baseada apenas em aspectos funcionais.

 

Novas mídias

Aproveitando o momento

Um novo tipo de mídia vem tomando força nos Estados Unidos: as lojas abandonadas. Devido à crise mundial, diversos varejistas tiveram de fechar suas lojas. Assim, seus pontos comerciais em grandes centros foram desocupados. E foi então que surgiu uma grande ideia: transformar a fachada desses pontos bem localizados numa espécie de outdoor. A solução é interessante para ambas as partes, pois os proprietários voltam a ter receita e as empresas passam a contar com uma alternativa relativamente mais barata a fim de atingir um número alto de pessoas que passam diariamente em frente a esses locais.

 

 

Vendas esquisitas

Para todos os gostos

Para quem ainda tem dúvidas que há negócios para todos os gostos, segue uma lista dos negócios mais estranhos dos Estados Unidos compilada pela revistaInc.:

  • Alibi Network –Vende desculpas e álibis. Muito útil para maridos, funcionários e namorados.

  • Happyballs.com –Vende bolas para colocar no topo das antenas dos carros.

  • Clube Climax –Afirma ser o único show de striptease drive-thru do mundo.

  • HotWicks –Vende velas aromatizadas para quem tem saudade da cidade grande. Disponível nos perfumes de cerveja, pão quente, panqueca e roupa recém-passada.

  • Smash Shack –Estabelecimento onde você pode descarregar suas tensões quebrando pratos e garrafas.

  • Season Shot –Para os caçadores muito práticos: vende projéteis biodegradáveis embebidos de tempero. Fica mais fácil levar a caça da mata para a mesa.

  • Throx –Vende meias em pacotes com três, porque uma sempre some.

 

 

Sustentabilidade

Manobra ecológica

Mais uma forma de diferenciar seu produto ou serviço: a empresa suíça Arniko, fabricante de shapes (prancha) de skates, contrata os serviços de artistas do Nepal, famosos por suas técnicas tradicionais de entalhes na madeira. Em troca do mercado internacional para sua arte, os artesãos aprendem a trabalhar de forma sustentável em uma relação em que todos ganham: os nepaleses conseguem uma maneira de sobreviver com sua arte antiga, preservam a natureza e a Arniko vende skates únicos no mundo.

 

 

Posicionamento
Macacada

Quem deseja jantar no restaurante japonês Kayabuki tem de enfrentar uma lista de espera de algumas semanas graças ao novo garçom do local, o chimpanzé Fuku-chan. O macaco cumprimenta os clientes que entram no estabelecimento e, no fim da refeição, leva até eles toalhas quentes para que limpem as mãos.

 

O dono do restaurante afirma que o novo contratado não foi um caso pensado: certo dia, seu bicho de estimação simplesmente pegou uma toalha e a levou até um consumidor, imitando os garçons humanos. Algumas vezes, o acaso pode fazer toda a diferença. Por isso, preste atenção nesses acontecimentos em seu negócio.
 

Serviço ao consumidor

Venda direta
A empresa de aluguel de veículos Hertz, dos Estados Unidos, desenvolveu uma nova forma de vender seus carros usados: as pessoas podem procurar em seu site o automóvel que deseja comprar (busca por ano, modelo ou tipo). A partir daí, a Hertz aluga o carro, com um bom desconto, para o interessado durante um período de até três dias. Se depois desse tempo o indivíduo não quiser o veículo, deve entregá-lo na empresa e pagar o aluguel.

 

Entretanto, caso queira ficar com ele, simplesmente precisa acessar o site da companhia a qualquer hora e clicar em “comprar carro”. A Hertz cuida de toda a papelada e, em pouco tempo, contata a pessoa para assinar os papéis e acertar o pagamento. Assim, essa empresa evita que o cliente tenha um momento de indecisão ao entregar o automóvel e, só depois, pensar se vai comprar. Sendo inteligente, até carro pode ser vendido por impulso.

 

 

Promoção

De graça, mas…

Certa manhã de segunda-feira, várias pessoas faziam fila em frente da joalheria Mauboussin, em Tóquio. Tudo graças a uma promoção da empresa: ela daria um diamante de 0.1 quilates a qualquer indivíduo que entrasse em sua loja, naquele dia, para divulgar a marca. Cada pedra é avaliada em aproximadamente 50 dólares, e os responsáveis pela Mauboussin afirmam que estão disponíveis para incrustar os brilhantes em anéis ou pendentes – por apenas 500 dólares.

 

Nicho de mercado

Melhor idade

Alguns mitos e fatos do marketing para a terceira idade.

 

Mito: idosos perdem a acuidade mental.

Fato: apenas 7% das pessoas com mais de 65 anos sofrem de algum problema relacionado à diminuição de memória ou capacidades mentais.

 

Mito: idosos são solitários.

Fato: já foi a algum bailão da terceira idade? Idosos são muito bons em criar novas redes de amizades.

 

Mito: idosos não se interessam por sexo.

Fato: estudos mostram que a maioria das pessoas da terceira idade continua a gostar de sexo, e alguns acham o ato mais prazeroso que quando eram mais jovens.

 

Mito: para vender à terceira idade, é necessário falar de lazer e descanso.

Fato: o que mais interessa à terceira idade é o envolvimento em algo, e não em lazer.

 

Mito: a melhor idade não é aberta a mudar seus hábitos de consumo e demora a tomar uma decisão.

Fato: pessoas mais velhas tendem a tomar decisões rapidamente e não têm medo de mudar o que compram se entenderem que a mudança é útil para eles.

 

Grandes números

 

10%dos produtos vendidos no Brasil são devolvidos pelos consumidores, segundo a pesquisa “Políticas de logística reversa em empresas que atuam no Brasil”.

Fonte:Consumidor Moderno

 

4 é o tempo que os internautas brasileiros passam por mês navegando em redes sociais e blogs.

Fonte: Ibope Nielsen On-line

 

12%dos e-consumidores brasileiros repassam mensagens de empresas/marcas que confiam e valorizam para amigos.

Fonte:E-Consulting Corp

 

 

Frase

“Provamos através da lógica, mas descobrimos a partir da intuição”

Henri Poincaré

 

Uma experiência criativa

Sedativo de escorpião

 

Confira como o consultor de estratégias de comunicação e marketing,palestrante e professor Mario Persona descobriu o sedativo de escorpião.

 

“Precisava trocar meu Santana 97 por um carro mais novo para minhas viagens, nas quais ministro palestras e treinamentos em cidades próximas ou sem voos regulares.Negociador veterano, coloquei a máscara de quem só estava olhando e entrei em uma concessionária local, dirigida por dois rapazes que foram meus alunos de marketing. O escorpião em meu bolso beliscou para lembrar que estava ali. Não seria fácil alguém conseguir vender para mim, um inveterado e compulsivo não comprador. Sofro da síndrome de pânico de shopping. Antes seria preciso sedar o escorpião.

 

Se pensou que um profissional de marketing é imune à sedução de uma venda bem-feita, errou. Treino pessoas para vender, mas viro geleia quando encontro alguém que vende bem. Compro com o sentimento de um professor que quer premiar um aluno com uma boa nota. E que nota! ‘Por que eu deixaria de comprar um Astra, Corolla ou Honda para comprar um Focus?’, testei a vendedora, citando que já tinha pesquisado na internet. Esperei pelo esconjuro de praxe contra a concorrência. Não veio. Aquela era uma venda ética, positiva e profissional. ‘Todos são excelentes. Qualquer um deles vai deixá-lo satisfeito, mas você ficará ainda mais dirigindo um Focus’, comentou. Nem bem o ‘s’ terminara e eu já estava embarcado em um test-drive. Os heróis de minha resistência estavam sendo vencidos um a um. Fugi para casa a fim de tratar das picadas do escorpião que estava no bolso.

 

Mas a vendedora ligou para saber o que achei. Gostei do modelo hatch, mais barato para o escorpião. No entanto, apostei que no porta-malas não caberia a cadeira de rodas do meu filho. Ufa! Achara uma desculpa para não comprar. Ela estacionou um modelo hatch na porta de minha casa só para experimentar a cadeira de rodas. Ganhei a aposta, porém ela não desistiu. Novo telefonema. Era para eu ir ver as condições de pagamento do sedan. Voltei à loja. Negociei, negociei e negociei até conseguir o que queria ou, pelo menos, ela me fez pensar assim. A atenção de meus alunos serviu de sedativo para o escorpião. ‘Vai uma água, professor? Um café?’. Pesou ainda na decisão um aperto de mão do funcionário veterano, que conheceu meu pai, perguntou da família e trocou dois minutos de conversa saudosa.

 

— Aceita o Santana de entrada? – Indaguei, já nos últimos espasmos.

— Claro – Respondeu ela, pegando um formulário.

— Financia o restante? – Eu suava.

— Até perder de vista. – Estendeu-me a caneta.

 

Há uns dias, meu celular tocou. Então, estacionei o Focus – que agora é meu e do banco – e atendi. Era da concessionária, perguntavam se estava tudo bem comigo e com o carro. Lembrei-me do que ouvi lá, de meu aluno, quando elogiei o atendimento em sua loja: ‘Aprendemos com você, professor’. Foi aí que passei a olhar de um jeito diferente para o carro. De uma maneira que inclui gente – as pessoas que me levaram até ele”.

 

Mario Personaé palestrante, professor e consultor de estratégias de comunicação e marketing e autor de vários livros de negócios.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima