Três ingredientes essenciais para o amor

Fiquei tentada a colocar o título desse texto de ?Receita de Amor?. Acho que ficaria mais interessante, mas infelizmente não acredito em receitas para o amor. Então, resolvi dar apenas os ingredientes. A sua receita é você quem cria! Fiquei tentada a colocar o título desse texto de ?Receita de Amor?. Acho que ficaria mais interessante, mas infelizmente não acredito em receitas para o amor. Então, resolvi dar apenas os ingredientes. A sua receita é você quem cria!

Há alguns anos, uma amiga psicóloga me disse que um relacionamento só poderia dar certo se estivesse baseado em três sentimentos. Eu, obviamente, imaginei que o primeiro seria o amor, e os outros nem teriam tanta importância. Qual não foi a minha surpresa quando ela citou os três e o amor ficou de fora.

Somente depois de muito tempo compreendi que, na verdade, aquela era a ?fórmula? do amor. Ou seja, não é possível sentir e manter-se sentindo amor por uma pessoa caso a relação não esteja baseada em admiração, confiança e respeito. Entretanto, descobri que cada um de nós, ao usar esta ?fórmula?, obtém o seu próprio resultado, dependendo também da combinação entre o que somos e o que o outro é! Isto é, eu posso confiar, admirar e respeitar um homem, mas nem por isso amá-lo como homem. Mas quando acontece uma alquimia entre a química contida em dois corações, aí sim sentimos o amor pulsar.

Na verdade, existem muitas pessoas que acreditam estar vivendo o amor, quando na verdade estão alimentando algum outro tipo de sentimento muito aquém. Sentem-se tristes, desesperadas, perdidas, angustiadas e insistem em justificar tudo isso através da palavra ?amor?. Sentem-se rejeitadas, desmerecidas e enganadas e, ainda assim, acreditam que amam…

No entanto, se essas pessoas se desprendessem desses sentimentos tão dolorosos e respondessem a três perguntas básicas, talvez se espantassem com o fato de que não estão vivendo o amor. Faça o teste! Pense na pessoa que você acredita que ama. Pense na relação de vocês e responda:

1 ? Você admira essa pessoa? O jeito dela, o caráter, a personalidade, a maneira como encara a vida, as atitudes diante dos problemas, das alegrias, enfim, você admira a alma dessa pessoa?

2 ? Você confia nela? Você acredita que pode contar com ela, confiar no que diz? Está certo de que ela faz o possível para cumprir o que promete e está disposta a construir uma relação baseada na sinceridade e na verdade, por mais difícil que seja?

3 ? Você respeita essa pessoa? Considera o que ela pensa e sente e está disposta a aceitá-la, por mais diferente que possa ser de você? Você consegue dar espaço para que ela seja como é, sem tentar o tempo todo fazer com que ela mude de jeito, de opiniões e de comportamento?

Talvez você se surpreenda com suas próprias respostas… Muitas pessoas preferem acreditar que é melhor ficar numa relação ruim a ficar sozinho, mas estão apenas com medo de tentar, de sair em busca de um amor intenso, de se livrar de uma pessoa que só lhes faz mal e perder o lugar de vítima!

É mais fácil justificar um amor que não deu certo a se arriscar a encontrar uma pessoa maravilhosa, companheira, sincera e profunda, e ter de lidar com seus próprios defeitos, inseguranças e buracos internos. Sugiro que você cultive sentimentos como respeito, confiança e admiração. Sinta isso pela pessoa amada e, acima de tudo, por si mesmo! E se não puder, pare onde estiver e proponha-se a aprender e se preparar para o verdadeiro amor.

Rosana Braga é jornalista e escritora. Autora de diversos livros de relacionamento, qualidade de vida, autoconhecimento e comportamento humano. E-mail: [email protected] . Visite: www.rosanabraga.com.br ?À medida que o nosso amor progride, mais nos convencemos de que Deus existe e de que a alma é imortal? – Dostoievski

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima