Um ano de muitas histórias

O que fizeram os supervendedores que marcaram história na VM em 2010?

Um cliente ligou para a vendedora pedindo que ela fosse até a loja dele. Ela achou que era algo normal e imaginou que venderia mais um produto a ele. Chegando lá, o cliente tinha convidado a vendedora para receber das mãos dele a revistaVendaMais com uma matéria sobre ela: “Assim que cheguei na loja, vi meu cliente com alguns vendedores dele reunidos. Ele me apresentou a todos e disse que eu era a pessoa da matéria (ele estava com a revista aberta e mostrando a minha história). Fiquei tão feliz! Chorei de emoção! Nem sabia o que dizer. Era muito bom para ser verdade”, conta Zildene Arruda.

 

A Zil, como é chamada por todos, saiu nesta seção no mês de janeiro de 2011. Motivados por depoimentos como o dela, decidimos fazer uma retrospectiva com todos os supervendedores do ano de 2010. Fomos atrás de cada um para saber como estavam, se a revista ajudou de alguma forma o potencial de vendedor que a pessoa já tinha, e, claro, se de alguma forma contribuímos com a vida dessa pessoa. E olha só o que descobrimos:

 

Lembra-se do vendedor de colchões?

Lá no comecinho do ano passado, contamos a história de Ildefonso Antônio dos Santos, um vendedor de colchões que começou sua profissão devido a uma necessidade pela qual passou. Ele estava numa fase complicada, sem dinheiro, devendo à financeira e ao cartão de crédito. Sua mulher estava com problema de coluna, sentindo fortes dores e vivendo no pronto-socorro. Mais aí apareceu uma colega dele oferecendo um colchão terapêutico que ajudaria na recuperação da esposa.

 

Ele, transformando a situação em oportunidade, não pensou muito e falou: “Se eu comprar o colchão, posso trabalhar com vocês?”. E foi assim que ingressou como vendedor de colchões da Cia do Sono. Tornou-se destaque na empresa, no segundo ano de emprego foi o campeão de vendas, no terceiro bicampeão e, no quarto, foi convidado pelo presidente para ser sócio da empresa.

 

“Atualmente, sou sócio, mas a paixão pela venda é muito grande e não deixo de atender os clientes. Hoje, passado um ano da matéria publicada sobre mim na VendaMais, já enviamos três contêineres de colchões para a América e a previsão para este ano é de, no mínimo, quatro contêineres a mais. A revista me deu um impulso ainda maior para fazer dar certo um novo e grande desafio, que é vender colchões para os Estados Unidos, um país exigente, que normalmente exporta colchões e que agora passou a importar a qualidade dos nossos produtos”, conta Ildefonso.

 

A lição mais importante que ele tirou da sua própria história foi que reconhecimento é dado por merecimento, não por motivação. “Aprendi que preciso merecer o reconhecimento e que ele vem acompanhado de crescimento pessoal, profissional, financeiro e social”, conclui.

 

Ações no PDV

Assim como Ildefonso, José Martins também foi destaque em uma de nossas matérias sobre os supervendedores. Ele é conhecido pelo carisma e paciência que tem com os 220 clientes de sua carteira e promove treinamentos para eles e suas respectivas equipes de vendedores. “Aprendi que as informações sobre o produto não podem ficar restritas ao representante ou vendedor da fábrica. O conhecimento deve ser compartilhado com as pessoas que estão ligadas diretamente ao consumidor final”, defende.

 

Com essa lógica, Martins ganha cada vez mais destaque dentro da Valquíria Indústria de Plásticos Ltda. “Eu sempre me esforcei muito para ser reconhecido pela empresa. Gosto do desafio de vender, me sinto motivado para isso. Mas confesso que, depois que saiu a matéria sobre a minha história, as coisas melhoraram”, conta.

 

A repercussão foi tão boa que os clientes ligaram para ele. Outros apareceram na loja para parabenizá-lo e até o seu próprio diretor elogiou o sucesso. “Além disso, outra revista aqui de Salvador, BA, me convidou para ser entrevistado”, complementa o supervendedor.

 

Para Martins, além do destaque na empresa, o fato de ter participado da revista provocou a saída da zona de conforto. “Agora eu sei que tenho mais responsabilidade. Preciso saber ainda mais sobre os meus produtos e clientes. Não posso mais ficar parado em relação a nada, porque ainda tem gente que lembra que eu fui um dos destaques da VendaMais e quer se espelhar em mim”, lembra Martins.

 

Olha ele aí

E quem não se lembra da história do vendedor que sai pelas ruas do Rio de Janeiro gritando: “Quem vai comer a minha rosca? Tô dando a rosca por um real”. Erisvaldo Correia dos Santos (o Da Rosca, como gosta de ser chamado) é um vendedor divertido. Para ele, não tem tempo ruim. Após duas frustradas tentativas de vender consórcios e água de coco, ele parou, pensou e resolveu misturar sua aptidão culinária com o desejo de ser vendedor. Foi aí que nasceu a ideia das roscas.

 

Há quatro anos vendendo o produto, ele garante que é o melhor trabalho que já fez na vida. Com o sonho de abrir um negócio, mas continuando com a venda de roscas, ele admite que já conquistou muitos clientes e isso o ajudará na construção do novo empreendimento.

 

Ligamos para ele para saber se já começou a colocar em prática o seu sonho. “Ainda não, mas eu já determinei que o foco deste ano será trabalhar em cima disso. Não é fácil, né?”, brinca. Se depender do nosso esforço, Da Rosca já conquistou seu espaço. Veja o depoimento que recebemos sobre a história dele: “Parabenizo vocês pela matéria sobre o Da Rosca. Ficou leve e profissional, assim como ele é, e por isso mereceu destaque. Eu já tinha conhecido e sei que esse vendedor vai longe. Ele tem brilho nos olhos e muita força de vontade”, destacou o palestrante Nelson Gonçalves.

 

40% em um mês

Além de histórias de supervendedores, nós também contamos uma situação diferente. Uma recepcionista que virou gerente da empresa usando a VendaMais como ferramenta. O nome dela é Elisângela Santos e trabalha na Millena Móveis, em Pernambuco.

 

Ela nos contou que conheceu a revista quando sua diretora estava a ajudando a organizar a recepção da Millena Móveis e trouxe para a mesa alguns exemplares da revista. “Foi amor à primeira vista quando eu vi a capa Estratégias para golear a concorrência e ser artilheiro (edição de maio/2006). Essa revista me ajudou muito e eu fiquei encantada com o conteúdo. Peguei todos os exemplares que estavam na mesa e fui estudá-los em casa”, lembra.

 

Pouco tempo depois, Elisângela se tornou gerente de serviços e marketing da empresa. “A gente não tinha assinatura da revista, mas, assim que saiu meu primeiro salário, já providenciei e comecei a aplicar os tópicos da revista com os 200 funcionários”, recorda. Em um mês de assinatura, a empresa conseguiu aumentar em 40% o faturamento.

 

“Quando eu recebi a VendaMais, achei que era trote. Não sabia que ia ser uma matéria daquele jeito. Foi uma surpresa muito grande. O dono da empresa passou para todos os vendedores das 25 lojas. Hoje eu tenho a matéria pendurada num quadro dentro da minha sala para nunca esquecer da importância que ela deu à minha vida. A repercussão foi tão boa que ajudou a me tornar gerente comercial da empresa. Devo uma parcela disso à revista”, emociona-se.

 

Motivação para o sucesso

Cleberson Marianié representante da Zaeli no Mato Grosso do Sul. Sempre foi um vendedor dedicado e sempre teve o coração mole. Um belo dia, ele vendeu para um amigo que estava meio sem dinheiro e sofreu um calote de R$30 mil. Resultado: teve de pagar a dívida para a empresa, exatamente quando sua esposa iria ganhar um filho. Mas ele não fez o tipo desanimado. Dinheiro não tinha, mas força de vontade e garra para trabalhar havia de sobra.

 

A partir daí, começou a trabalhar com afinco e, além de terminar de pagar todas as contas para a empresa, tornou-se o maior vendedor de 2009 pela Zaeli. Para se ter uma ideia, ele teve um crescimento pessoal de 35% nas vendas, fora a meta mínima da própria empresa, que era de 25%.

 

Depois de ver sua própria história e analisar, Mariani conta: “O meu relacionamento com os clientes melhorou muito. Na empresa, várias oportunidades apareceram. Só elogios. Foi muito bom. E eu disse à pessoa que me entrevistou: daqui há um ano quero estar na VendaMais de novo. E parece que o sonho se concretizou, não é mesmo?”, brinca.

 

Tal pai, tal filho

Na edição do Dia dos Pais, descobrimos um filho que conheceu o próprio pai devido à profissão. Carliston, mais conhecido como Cacá, conheceu seu pai aos 18 anos, mas só aos 25 aproximou-se de fato dele.

 

Carlston Argenton, pai de Cacá, era vendedor da AZ Armaturen e trabalha com vendas há mais de 30 anos. Cacá é supervisor comercial, mas começou como vendedor da Tufann Comércio e Serviço de Máquinas. Os dois atendiam os mesmos clientes, mas nunca tiveram a oportunidade de se encontrar durante as visitas.

 

Agora, com uma relação mais forte, os dois dividem experiências em vendas. E, assim como na vida pessoal e profissional os dois têm algo em comum, no quesito vendedor eles também apresentam as mesmas opiniões. Tanto o pai quanto o filho valorizam a pós-venda.

 

Atualmente, Cacá continua como supervisor comercial, mas seu pai saiu da empresa que trabalhava para buscar novos desafios. “Se antes já existia algo mais forte entre meu pai e eu, agora isso está muito mais intenso. Depois que saiu a matéria com a nossa história, percebemos que realmente temos muitas coisas em comum e que ser vendedor está no nosso sangue”, alegra-se.

 

Informação + criatividade = aumento nas vendas

Já Marcelo Carvalho, representante comercial, ensinou-nos que a busca por informações e conhecimento gera novos meios de encantar o cliente. Depois de atender sozinho alguns clientes importantes de três estados – Goiás, Distrito Federal e Tocantins –, ele recebeu a proposta de abrir uma representação dos calçados da Ferracini.

 

Depois de receber a função de novo representante, Carvalho tinha um grande objetivo, o de fazer com que a sua loja aumentasse as vendas. Entretanto, descobriu que para isso acontecer era preciso passar por pontos importantes, como a missão da empresa. “Consegui estabelecer claramente a missão da minha empresa e, desde então, trabalhamos em sintonia com toda a nossa força de vendas externas e equipe interna. No primeiro semestre, houve aumento de 20%”, diz.

 

Carvalho conta que tem um quadro em seu escritório com a matéria publicada sobre ele. “A cada vitória da nossa empresa, fazemos questão de compartilhar com nossos parceiros comerciais. Adquirimos mais de 200 exemplares da revista VendaMais contendo essa matéria e entregamos ‘em mãos’ para os nossos clientes que, desde o início da Marcelo Carvalho Rep. Com. Ltda, apoiam-nos incondicionalmente em ações que promovem vendas nos pontos de vendas. Disse a cada um: ‘Você faz parte da nossa história!’”, relata.

 

Fruto dessa matéria foi o convite do Jornal exclusivo, maior veículo de comunicação do mercado calçadista, que convidou Carvalho para dar uma palestra para os lojistas que participaram da feira Jaú Trend Show. “Foi muito legal falar ao público calçadista de todo o Brasil presente na feira sobre a importância do representante comercial, levar informações sobre tecnologia, qualidade e design dos produtos que comercializamos nas lojas do varejo. Isso faz toda a diferença na hora de atender o consumidor final. Isso eu aprendi e coloquei em prática lendo a revistaVendaMais!”, transmite.

 

Vários prêmios e uma história de vendas surpreendente

A Marcosa, revendedora da Caterpillar no nordeste, também nos presenteou com a história do seu melhor vendedor, Glayton Parente, que entrou na empresa como lavador de máquinas e hoje bate recorde de vendas. Ele é pentacampeão no concurso Melhor Desempenho do Ano em Vendas, tem 29 prêmios nacionais, quatro internacionais e 25 viagens também internacionais. Ou seja, tem um currículo de dar inveja.

 

Mas o diferencial dele está mesmo no tratamento que dá aos clientes, por exemplo: se um cliente quer comprar uma máquina, Glayton senta com a pessoa, faz um diagnóstico do que ela precisa e, se for necessário, faz até o intermédio com o banco para ajudar da melhor forma possível para que o cliente não tenha tantas dores de cabeça nos processos operacionais.

 

Depois de publicada a matéria sobre ele, Glayton disse que o sucesso foi maior ainda. “O meu gerente ficou encantado com a matéria. Depois de ler, me chamou, me deu um grande abraço e os parabéns, dizendo que eu sou o melhor consultor de vendas de máquina pesadas que ele conheceu e trabalhou em toda a sua vida”, declara.

 

Além disso, uma amiga comentou sobre a história dele na empresa que trabalha e, durante uma palestra nessa mesma empresa, outro palestrante contou sobre a vida de Glayton e o potencial de vendas dele. “Tudo isso, mostrando a revista para todos que estavam participando, foi demais para mim, um orgulho fora do comum. Tem até pessoas vindo me pedir autógrafos”, alegra-se Glayton.

 

Após os vários depoimentos que recebemos em 2010, percebemos que cada supervendedor é único, mas que todos têm algo em comum: a paixão por vendas. Por 17 anos, ouvimos histórias de sonhos, de automotivação e de pessoas que vão atrás de resultados. E, para nós, é um orgulho fazer parte dessas histórias de sucesso e poder dividir contigo essas grandes inspirações.

 

Esta matéria foi produzida em comemoração aos 17 anos de história da VendaMais. Por isso, gostaríamos de agradecer a todos os supervendedores, aos nossos leitores, por terem indicado bons profissionais, e também à nossa equipe de redação que está sempre buscando boas histórias. Obrigado!

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima