Você está preparado para ser promovido?

Como escolher o seu número 2?

Gosto de fazer essa pergunta para gestores de áreas comerciais. Mas, na maioria das vezes, fico decepcionado com as respostas que recebo.

 

Nós tendemos a acreditar que estamos preparados para ocupar posições mais destacadas quando dominamos plenamente as atividades sob nossa responsabilidade e, simultaneamente, nos sentimos suficientemente preparados para enfrentar novos desafios.

 

Mas, na verdade, é impossível dizer-se preparado para ser promovido sem ter cuidado, de forma exemplar, da preparação de nosso sucessor. E é bom que tenhamos em mente que, quanto mais a empresa reconhece nossa competência, maior será o desafio de preparar alguém para ocupar nosso lugar.

 

Mas o que precisamos fazer para nos assegurar da existência de alguém pronto para nos suceder?

Acredito que sejam quatro as questões básicas que precisam ser tratadas:

 

  1. Vencer os próprios medos.
  2. Fazer uma escolha baseada em méritos.
  3. Investir tempo na preparação dos potenciais sucessores.
  4. Testar, na prática, antes de fazer qualquer indicação.

 

Quando falo de vencer os próprios medos, estou tocando naquele que talvez seja o maior inimigo do processo de preparação de sucessores: o medo que todo criador tem de ser superado pela criatura.

 

Nesse momento, quero assumir um tom mais intimista para contar a você uma experiência pessoal. Faz exatos 13 anos que invisto no meu sucessor na coordenação acadêmica do MBA em gestão comercial da FGV. Trata-se de um jovem que conheci quando ainda era um estudante do primeiro ano da graduação em administração de empresas da ESPM e que hoje é meu sócio em uma das empresas nas quais atuo. Assim que terminou a graduação, Luis Roberto Mello foi estimulado a fazer MBA e, ao concluí-lo, foi instigado a se candidatar ao mestrado em administração da FGV. Hoje, possui as duas titulações e é um dos mais bem avaliados professores do nosso MBA.

 

Através da participação em importantes projetos, como a montagem das universidades corporativas de algumas empresas do Grupo Saint-Gobain, a preparação e implementação do programa de Certificação Comercial da Telefônica e o desenvolvimento da Academia de Vendas do Grupo Algar, o Luis Roberto vem ganhando experiência prática que vai ajudá-lo tremendamente no dia em que passar a coordenar os MBAs que hoje estão sob minha responsabilidade.

 

Você pode se perguntar: “Por que o escolhido foi o Luis Roberto?”. A resposta é simples. Ele reunia a maior quantidade de prerrequisitos para se tornar um executivo de sucesso quando comparado aos outros 40 alunos da ESPM que estudavam comigo.

 

Passados 13 anos, posso dizer que não me arrependo nem um pouco das inúmeras vezes que investimos horas em discussões sobre a melhor forma de fazer algumas coisas. Também não me arrependo de, em determinadas ocasiões, ter apresentado uma elevadíssima expectativa em relação ao trabalho de Luis. Tenho certeza de que ele hoje reconhece que, se eu tivesse agido de maneira diferente, talvez ele não atuasse com o elevado padrão de qualidade que seu trabalho apresenta.

 

Mas será que devo investir apenas no Luis Roberto? É claro que não. Tenho mais dois potenciais candidatos a novos desafios. Seus nomes são Aaron e Leandro. Esses dois jovens, que conheci mais recentemente, estão correspondendo com muita competência às demandas que surgem no Instituto MVC. Tanto eu quanto o Costacurta, meu sócio na empresa, estamos muito entusiasmados por termos oferecido a cada um deles uma participação societária no MVC.

 

É agindo dessa forma que me sinto preparado para enfrentar novos desafios junto à FGV ou ao Instituto MVC. Posso me sentir assim não apenas porque me preparo para ousar em áreas que ainda não conheço, mas também porque sei que há gente competente e preparada para assumir a posição que hoje ocupo.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima