6 motivadores do vendedor de alta performance

Dicas rápidas para você vender mais

  1. Desafio – 25% dos vendedores chegam ao topo da carreira em vendas. Os desafios e a adrenalina de conquistar novos clientes são o que o leva para o sucesso.
  2. Família – Ele sente orgulho de ser uma pessoa amada pelos seus familiares e esse convívio harmonioso serve como combustível para encher o seu coração de motivação.
  3. Disciplina – Criar uma rotina diária de visitas, ligações, atendimento externo, recuperação de clientes inativos, entre outras tarefas importantes fazem parte do seu cotidiano, pois entende que volume de trabalho com qualidade é seu maior diferencial.  PARA REFLETIR: Disciplina é fazer o que tem que ser feito e acabou.
  4. Destaque profissional – O vendedor de alta performance não gosta de chegar em segundo lugar, ele trabalha pela primeira posição e esse é um estimulo poderoso para se manter automotivado todo o mês.
  5. Superação – Quando os resultados não estão fluindo, ele cresce, vira um gigante e aumenta ainda mais sua força para transformar essas adversidades em conquistas pessoais e profissionais.
  6. Autoconfiança – O cliente coloca uma objeção, e agora o que fazer? O vendedor despreparado vai demonstrar um desconforto no seu aspecto facial e o cliente vai perceber rapidamente o seu despreparo. E o vendedor autoconfiante? Ele tem pelo menos duas saídas para cada objeção que o cliente coloca, sacou? Ele confiou no teu TACO.

André Silva é palestrante de Motivação e Vendas.
E-mail: [email protected] e site: www.palestranteandresilva.com.br

Cordialidade é…

  • Tratar o cliente com cortesia e respeito.
  • Fazer que cada atendimento seja um “momento inesquecível”.
  • No primeiro contato, utilizar as formas Sr. e Sra. Empregar “você” somente se o cliente apresentar essas possibilidade.
  • Não confundir “informalidade” com “ser íntimo”.
  • Solicitar “um momento” e informar ao cliente que ele terá de esperar sempre que houver necessidade de consulta a registros ou análises.
  • Utilizar “por favor” ou “por gentileza” ao pedir algo ao cliente.
  • Pedir desculpas (sem justificativas) sempre que ocorrerem erros, retomando-se o ponto imediatamente anterior à ocorrência.
  • Nos casos de reclamações sobre um atendimento anterior ou realizado por outra pessoa, perguntar: “Em que posso ajudar?”, sem emitir opinião pessoal. Ouve-se atentamente e busca-se uma solução, seguindo as orientações e procedimentos da empresa.

Extraído e adaptado do livro Call Center: estratégias para vencer, de Lucas Mancini (Summus Editorial).

“À medida que vou ficando mais velho, presto menos atenção no que os homens dizem e mais atenção no que fazem”.
Andrew Carnegie

Vá desarmado

Os grandes vendedores nunca devem se aproximar de um novo cliente com uma caneta na mão (nem aparecendo no bolso) ou com um calhamaço de papéis contendo informações sobre o produto. O possível comprador já tem ansiedades e “desconhecimentos” suficientes passando por sua cabeça, e com certeza, não precisa se preocupar com uma pasta pesada, cheia de documentos e folhetos, que só vai se parecer com uma arma de destruição em massa.

Se isso parecer besteira ou algo que não faça sentido, imagine pessoas sentadas na sala de espera de um consultório dentário. De repente, a porta é aberta, e o dentista está ali, de pé, com uma seringa imensa na mão, perguntando “Quem é o próximo?”. Bem, posso garantir que não serei eu.

A primeira obrigação do vendedor, diante de seu cliente, é acalmá-lo, fazê-lo perceber que ele não será ameaçado, envolvendo-o numa conversa amigável, sem intromissões. Os grandes vendedores podem desarmar qualquer cliente na defensiva com uma conversa leve e interessante, nada mais, nada menos.

Extraído e adaptado do livro O Vendedor Relâmpago – Estratégias infalíveis para fechar qualquer negócio, de James W. Pickens (Best Seller).

Construindo sua marca

Cuide da sua embalagem, ela é o princípio de tudo. Afinal, você nunca terá uma segunda oportunidade de causar uma primeira boa impressão:

  • Aparência: banho tomado, cabelo cortado, unhas aparadas, dentes escovados. Parece óbvio demais, mas há quem negligencie isso.
  • Trajes: para cada ambiente, uma vestimenta apropriada. Roupas adequadas podem compensar uma baixa estatura, disfarçar um excesso de peso.
  • Acessórios: anéis, brincos, pulseiras, enfim, acessórios diversos são permitidos, desde que utilizados de forma regrada. E muita atenção com o excesso de cosméticos.
  • Etiqueta: atente para a necessidade de adquirir um bom livro com regras de etiqueta social.
  • Postura: uma postura elegante ao assentar-se e ao caminhar demonstra altivez, autoconfiança e independência, além de contribuir com sua própria saúde.
  • Vocabulário: procure ler bastante para ampliar seu vocabulário, ganhando maior versatilidade para falar em público. Tenha igual preocupação com a escrita.
  • Saúde: demonstrar estar saudável é mais do que apenas parecer bem. Isso implica em sono reparador, alimentação balanceada e prática regular de esportes.

Tom Coelho ministra palestras voltadas à qualidade de vida, empreendedorismo, liderança, marketing, administração do tempo e finanças pessoais. Visite: www.tomcoelho.com.br.

3 dicas para recordar o nome do cliente

  1. Use o nome da mesma forma que lhe for dado. Por exemplo, se um cliente disser que seu nome é José da Silva, não o chame de Zé ou de Silva – chame-o de José. O autor Dave Anderson, por exemplo, diz que se apresenta sempre como Dave, não como David. Para ele, não há nada errado com David, mas desde o tempo em que cursava a quarta série as pessoas o chamam de Dave. Assim, depois que se apresenta como Dave e alguém o chama de David, ele considera isso um primeiro erro, e com 3 erros, no máximo, ele se transforma em um ex-cliente.
  2. Repita o nome da pessoa assim que ela se apresentar para se certificar de que está usando a pronúncia correta. Dizê-lo rapidamente logo após as apresentações também ajuda a gravar o nome. É melhor ter um erro corrigido logo de cara do que irritar e desviar a atenção do cliente durante o processo de venda chamando-o pelo nome errado.
  3. Se o nome for incomum e difícil de pronunciar, não tenha vergonha de perguntar se você está falando do jeito certo. Apenas diga: “Quero ter certeza de que estou dizendo o seu nome corretamente. Pronuncia-se XXXX?” Isso não ofenderá a maioria das pessoas. Na verdade, é mais provável que apreciem o fato de você estar fazendo um esforço sincero para acertar.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima