A cerva torta

Saia do piloto automático

Uma cerva cega de um olho passeava pela praia. Para evitar surpresas desagradáveis, usava sempre o olho bom para vigiar a terra e a mata, onde caçadores poderiam aparecer. Voltava o olho ruim para o mar, pois suas águas não poderiam oferecer nenhum tipo de perigo a alguém de sua espécie – pelo menos, era assim que ela pensava.

 

No entanto, para sua infelicidade, um bando de homens chegava à costa de navio e, ao verem a cerva distraída, olhando em outra direção, não tiveram dúvida: atiraram do mar mesmo. A cerva nem teve tempo de correr antes de tombar na areia. Pressentindo o fim de sua vida, pensou: “Eu sou mesmo uma coitada! Estava de olho na terra, que parecia cheia de perigos, e o mar, que eu pensava ser meu refúgio, trouxe-me a morte”.

 

Baseado em fábula de Esopo

 

Moral da história para sua vida prática:

 

Nunca ache que você está 100% correto – Por mais que conheça muito bem as atividades que desenvolve, jamais ache que tudo está sob seu controle e que imprevistos não acontecerão. Esteja atento, pois alguma surpresa pode acontecer no caminho e, se não estiver preparado, não saberá como reagir.

 

Tenha um segundo plano – Sempre busque duas ou mais alternativas para resolver um problema. Caso algo falhe na primeira vez, você terá uma segunda chance para solucionar. Estenda as possibilidades e evite grandes prejuízos.

 

Atenção ao que estiver fazendo – Às vezes, estamos tão acostumados a fazer uma mesma atividade constantemente que não temos cuidado com o que pode acontecer de diferente. Por isso, evite o piloto automático em sua vida e busque sempre caminhos e soluções diversos.

 

Para saber mais

Título: Fábulas de Esopo para executivos

Autor: Alexandre Rangel

Editora: Original

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima