A criatividade está ao seu alcance

Quais são os fatores que facilitam e prejudicam o desenvolvimento da criatividade

“A criatividade estimula a capacidade de ver o novo onde todos os demais enxergam apenas o óbvio”. Assim, Eduardo Zugaib, profissional de comunicação e palestrante em criatividade aplicada ao crescimento profissional, inicia sua explicação sobre as razões que fazem da criatividade uma característica tão importante para o sucesso hoje em dia.

 

Para ele, num cenário competitivo, em que muitos possuem acesso à informação em doses cada vez mais cavalares, pensar diferente se torna uma característica bem mais valorizada. “A capacidade de ver o que ninguém viu antes tem gerado respostas para novos problemas, mas, principalmente, respostas novas para os antigos problemas”, aponta.

 

Só por essas pequenas declarações do especialista já dá para se ter uma ideia da importância que essa tal criatividade tem na sociedade em que vivemos, não é mesmo? Mas pode ter certeza de que ela vai ainda mais além.

 

Como a criatividade funciona

O que você faria se, ao chegar a uma palestra sobre criatividade, ouvisse o palestrante dizer: “Por favor, quero que façam algo criativo”. É bem provável que acontecesse o que ocorre com a maioria dos frequentadores das palestras e seminários de Roberto Menna Barreto, especialista no tema e autor do livro Criatividade no trabalho e na vida, um completo desespero por não saber o que fazer. E Barreto diz ainda que o que ocasiona isso é o fato de não haver nesse pedido o fator primordial para que a criatividade aconteça: um problema.

 

Essa afirmação pode parecer estranha a princípio, mas se torna completamente compreensível depois que o autor explica que tipo de problema é esse. “Aquele que ainda não foi resolvido por meios disponíveis, tradicionais”, afirma. Ele aponta também que, no estado de insegurança em que os participantes de seus seminários são colocados, é impossível exercer a criatividade. Mas quais seriam, então, os fatores que influenciam positivamente o desenvolvimento dessa importante “ferramenta para o sucesso”?

 

Renata Di Nizo é consultora em comunicação e recursos humanos e autora do livro Foco e criatividade: fazer mais com menos. Para ela, a maneira como cada um olha as situações da vida é fundamental, pois isso diz se a pessoa é ou não capaz de ter atitudes criativas. “Vou utilizar um exemplo que todos conhecem porque ele é bem representativo. Quando você olha para um copo, ele parece meio cheio ou meio vazio? Quem vê a vida com mau humor e enxerga o copo meio vazio pode ter dificuldade de desenvolver sua criatividade, pois a atitude criativa depende de bom humor”, analisa.

 

Barreto concorda com Renata, pois, segundo ele, apesar de não haver uma fórmula mágica para ser mais criativo, existem três fatores que, se reunidos, podem ajudar bastante: “É o que chamo de BIP, que são elementos fundamentais para quem deseja desenvolver sua criatividade”. São eles:

 

  1. 1.       Bom humor – “É possível raciocinar logicamente de mau humor, mas jamais se pode ter uma ideia criativa assim – e há uma explicação científica para isso. Ou seja, se você precisa colocar sua criatividade à prova, antes de tudo, esteja bem-humorado”, revela o autor.

 

  1. 2.       Irreverência – Para Barreto, as pessoas criativas não levam nada demasiadamente a sério. Elas têm consciência de que no mundo nada é 100% “assim”, e não importa o que signifique esse “assim”: “Se você analisar a história da ciência, logo perceberá que, depois que todos passam a acreditar em uma teoria, vem outro cientista e alega que ela não era verdadeira. Caso queira ser criativo, liberte-se de todas as crenças absolutas e não leve problema algum tão a sério. Assim, você poderá resolvê-lo de forma criativa mais rapidamente”.

 

  1. 3.       Pressão – “Sem pressão não há criação”, afirma. O terceiro ingrediente fundamental para o autor pode parecer negativo, mas não é. Ele trata logo de explicar que a pressão, aqui, é “valorativa”: “O bom líder coloca pressão em sua equipe, porém valoriza os erros de cada colaborador e faz com que ele se sinta motivado, instigado e entusiasmado para produzir criativamente, ou seja, pressão é fundamental”.

Apesar de indicar esses três itens como primordiais para o desenvolvimento do espírito criativo, Barreto lembra ainda que motivação e paixão pelo que se pretende fazer ou pela profissão que escolheu para seguir são aspectos de grande relevância, isto é, realmente não há uma fórmula mágica, existem fatores que auxiliam e outros que atrapalham esse processo.

 

O que prejudica

Em todas as etapas do desenvolvimento da criatividade, o autoconhecimento se faz importante, uma vez que é preciso saber identificar a presença do humor, da irreverência e da pressão. No entanto, também temos aspectos negativos apontados pelos especialistas: acreditar que já se atingiu o ponto máximo, dificuldade em superar “nãos”, excesso de autocrítica e negatividade.

 

Para Eduardo, todos esses itens funcionam como bloqueios à criatividade, sendo alguns deles internos, que partem de cada indivíduo, e outros externos, como os “nãos” que recebemos tanto na vida profissional, como os de líderes, quanto pessoal, tomando como exemplo os de pais e mães. “Nesse caso, a questão é saber digerir o ‘não’, compreendê-lo para que se transforme em ‘sim’ e saber ouvir, investigar e construir uma base de conhecimento que possibilite as melhores decisões”, aponta.

 

E como ser criativo na prática?

Depois de conhecer os fatores que facilitam e os que atrapalham o desenvolvimento da criatividade, é hora de começar a entender como realmente é possível ser mais criativo no dia a dia. Confira algumas dicas de quem entende do assunto!

 

Renata Di Nizo

Para a autora, existem duas coisas que, no momento de tirar o conceito de criatividade do papel e aplicar na vida real, são muito importantes: a qualidade de vida e a colaboração criativa.

 

Segundo ela, a qualidade de vida virou um mito e, se você incorporá-la como atitude, já estará sendo um pouco mais criativo. “Busque incessantemente uma forma muito tangível de ter prazer nas pequenas coisas, o que implicará em autossatisfação, que é fundamental para quem deseja ser mais criativo.

 

Além disso, Renata acredita que, promovendo a atitude criativa entre os grupos aos quais pertencemos, teremos maiores chances de sermos individualmente criativos. Portanto, reúna seus familiares, colegas de trabalho e amigos e promova a criatividade por meio de ações simples, como escolher um tema e fazer brainstorming sobre ele. Assim, cada um pode libertar suas ideias, desenvolvendo a criatividade coletiva e individual.

 

Roberto Menna Barreto

  • Não se preocupe em ser criativo.
  • Conscientize-se de que você já teve milhares de ideias e não há razão para continuar não tendo. Por isso, tenha sempre um lápis e papel ao seu lado para anotá-las, porque você não sabe quando poderão surgir.
  • Ame seus problemas, pois eles são o cerne de sua criatividade. Quem foge dos problemas está, ao mesmo tempo, fugindo da criatividade. “É difícil, eu sei, mas é a grande porta para a criatividade”, declara o autor, que finaliza: “Quando surgir um problema, aproveite-se dele para desenvolver sua criatividade, encontrando soluções diferentes e inesperadas”.

 

Eduardo Zugaib

A dica desse especialista é bem simples: “Estimule a associação de ideias. Você pode fazer isso individualmente ou em grupo. Logo, vai perceber que essa ação simples fará com que as pessoas comecem a pensar, criar e ser mais criativas”.

 

Para saber mais:

Livro: Criatividade no trabalho e na vida

Autor: Roberto Menna Barreto

Editora: Summus Editorial

 

Livro: Foco e criatividade: fazer mais com menos

Autora: Renata Di Nizo

Editora: Summus Editorial

 

Visite os sites: www.eduardozugaib.com.br e www.rmennabarreto.pro.br

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima