A hora do sprint

Como alcançar as metas nos últimos instantes

“Quando você tem uma meta, o que era um obstáculo passa a ser uma etapa de seus planos”

Gerhard Erich Boehme

 

China, 2008. No complexo aquático chamado Cubo D’Água, todas as atenções estão voltadas ao norte-americano Michael Phelps, que chegou à Olimpíada de Pequim com a missão de conquistar oito medalhas de ouro numa mesma edição dos jogos. Após faturar o primeiro ouro nos 400 metros medley, Phelps abre a prova do revezamento 4×100 estilo livre para a equipe dos EUA. Contudo, ele é superado pelo australiano Eamon Sullivan, entregando a prova na segunda colocação para seu companheiro.

 

Garrett Weber-Gale, por sua vez, faz uma prova fantástica, colocando os EUA na primeira posição após sua passagem. No entanto, Cullen Jones tem um desempenho medíocre, perdendo a liderança para os franceses e permitindo a aproximação dos australianos. Jason Lezak é o quarto e último nadador norte-americano a saltar na piscina. Ele enfrenta o ex-recordista mundial da prova, o francês Alain Bernard, que já larga com uma vantagem de 59 centésimos de segundo.

Após os primeiros 50 metros de prova, a diferença de tempo aumenta para 82 centésimos. Parece ser o fim do sonho dourado de Phelps. Mas, nos últimos 20 metros, Lezak dá um sprint (uma técnica de partida e força de explosão que acentua o nível do grau de aceleração de modo a desenvolver uma grande velocidade num curto período de tempo) inacreditável e supera Bernard em apenas oito centésimos, vencendo a prova e batendo o recorde mundial.

 

Energia nos últimos minutos

A cada reveillon, temos o hábito de planejar uma série de resoluções de ano-novo. Assim, estabelecemos as mais diversas metas. Coisas como cuidar melhor da alimentação, praticar atividade física com regularidade, trabalhar com maior afinco e entusiasmo em busca de resultados mais efetivos, etc. Entretanto, as semanas passam, uma crise econômica se instala, a desmotivação nos abate e passamos, até mesmo, a acreditar que todas aquelas metas não podem mais ser alcançadas porque as adversidades são muitas e o tempo é curto.

 

O aluno com notas vermelhas desconfia que será reprovado, o vendedor com baixo índice de negócios tem quase certeza de que será demitido e o atleta com resultados pífios conforma-se que será derrotado. Entretanto, é exatamente nesse momento que precisamos promover uma grande virada. Valorizar o pouco tempo que nos resta, fazendo uso dos recursos disponíveis para perseguir resultados extraordinários. Há partidas de futebol que são vencidas nos acréscimos concedidos pelo juiz. Há concorrências que são vencidas pelo postulante que entrega seu envelope de oferta no último minuto.
 

Esforço supremo – O estudante inteligente perceberá que, com dedicação e concentração, poderá passar nos exames finais. O vendedor astuto encontrará na retomada da economia e nas festas de fim de ano a senda para cumprir sua cota. O atleta bem preparado psicologicamente saberá que as derrotas passadas são apenas sementes para a maturidade e que a vitória mais importante está no próximo ponto a ser disputado.

 

Jason Lezak fez história com um esforço supremo nos últimos instantes de sua prova. Venceu por uma fração de segundo. Como ele mesmo declarou, sua preocupação não estava em compensar o tempo de desvantagem que tinha ao assumir a prova nem em enfrentar um oponente renomado. Seu único objetivo era ajudar sua equipe e fazer o seu melhor.

 

Agora, pergunte a si mesmo: o que já foi feito ao longo deste ano e o que você ainda pode, deve e irá fazer com os dias que lhe restam antes de mais uma virada no calendário?

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima