A humanização dos profissionais do call center

É fundamental uma educação mais complacente e lembrar que os profissionais e os clientes são seres com corpo, alma e mente. O crescimento do mercado de call center está a pleno vapor, mas há um ponto que precisa de reflexão: a busca de alternativas para melhorar a imagem desgastada desse setor tão próspero e necessário para a economia nacional. Esse mercado é alvo de críticas e piadas, tanto pela internet quanto pela televisão, feitas por consumidores insatisfeitos que, em algum momento, sentiram-se invadidos e atendidos de forma ineficaz ou com uma dose de frieza.

Alguns aspectos podem ser melhorados para a mudança dessa imagem, como melhores processos seletivos, maior autonomia para a operação, processos bem-definidos, visão sistêmica, liderança servidora e educadora, entre outros. Porém, o foco deste artigo está na alternativa básica: a educação das pessoas. A estruturação consistente de programas de treinamento e desenvolvimento, aliados às verdadeiras necessidades dos clientes internos e externos.

Como é feito? ? O que se vê, hoje, em alguns call centers é um programa em que os operadores que estão ingressando passam pelas disciplinas de conhecimento da empresa, dos produtos, dos processos, dos sistemas de informação, das técnicas básicas de atendimento, da negociação e das vendas.

Esses assuntos são fundamentais para o atendimento, receptivo ou ativo, porém, não garantem a satisfação do consumidor. O ponto crítico não está no treinamento nem na metodologia que é utilizada, mas na continuidade do processo educacional e desenvolvimento desses profissionais. Eles vivem com sobrecarga de conflitos, estresse e cobrança por resultados referentes ao tempo de atendimento e de espera, número de chamadas atendidas e realizadas, número de vendas.

Outro problema é a falta de tempo para desenvolver as pessoas. O enfoque técnico ainda é a prioridade dos programas de tecnologia e desenvolvimento de uma considerável parte dos call centers, mas as disciplinas técnicas não trabalham os pontos que sobrecarregam as pessoas.

O que pode ser feito? ? A sugestão é que existam disciplinas de comportamento e relacionamento nos programas de desenvolvimento do call center. As pessoas precisam compreender como se comportar diante de situações de estresse, assédio e conflito.

Esses fatores são muito mais importantes do que saber dizer uma frase de abertura na ligação ou explicar como funciona um aparelho qualquer. Esses profissionais precisam aprender a se relacionar com os outros e suas diferenças e conviver com a diversidade. Precisam de conhecimento de si, pois conhecer os limites pessoais ajudará a traçar planos de melhorias. A busca do aperfeiçoamento não deve ser apenas na parte técnica, mas nas atitudes, na revisão dos valores e na melhoria como ser humano.

As pessoas querem atendimento humano com cordialidade e, lógico, profissionalismo. Portanto, é fundamental uma educação mais complacente e lembrar de que os profissionais e os clientes são seres com corpo, alma e mente. Tendo isso como objetivo, o crescimento do setor não será só no aspecto quantitativo, mas no qualitativo também.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima