A importância do planejamento estratégico

Todas as empresas, independentemente de seu porte ou segmento, podem alcançar novos níveis de desempenho e rentabilidade. Dizer que o planejamento não é importante é como dizer que em uma prova de salto à distância a força física predomina sobre a concentração e sobre a bagagem de conhecimentos adquiridos.

No atual cenário empresarial e de negócios, quem não estiver dotado de uma bússola ficará disperso e não conseguirá ter um ?norte?, o qual também só fará sentido se a direção a ser seguida for definida inicialmente.

Que o planejamento estratégico empresarial é, hoje, uma peça fundamental nos modernos conceitos de gestão, não há a menor dúvida. Então, como se explica a enorme resistência de tantos empresários e executivos na observação desse importante fundamento da administração?

O equívoco de que planejamento estratégico é coisa apenas para as grandes empresas é um dos fatores ainda mais agravantes. Essa constatação se torna perceptível nos segmentos das MPEs (micros e pequenas empresas). Isso explica, em grande parte, sua altíssima taxa de mortalidade (15,8% no comércio e 19% no setor de serviços), se considerarmos que mais de 95% das empresas do Brasil são micro ou pequenas, esse cenário é ainda mais alarmante.

A despeito da importância de uma ação estratégica de negócio, vamos citar algumas visões que representam tabus e restringem ou até mesmo impedem sua execução. Nessa observação, pudemos perceber que o caráter cultural predomina sobre o técnico: ?Esse negócio de planejamento atrapalha o trabalho de verdade?, ?Planejar é prever o futuro e isso é impossível?, ?Planejamento é nada, execução é tudo? e por aí vai.

Para que a ação de planejamento estratégico gere resultados, existem duas condições fundamentais para sua aplicação: a necessidade do total apoio e envolvimento da diretoria e gerências (ação imprescindível para otimização dos trabalhos) e a divulgação de quaisquer planos, esses não devem ser tratados como algo confidencial. É evidente que não é necessária a participação de 100% da equipe em todo o trabalho. Por outro lado, cada um deve ter consciência de seu papel e participação no planejamento geral das estratégias que a empresa pretende conduzir.

Seja nas MPEs ou em empresas com grandes estruturas, uma ação de planejamento estratégico, para surtir resultados, deve ocorrer de forma integrada, sistemática e, principalmente, envolver todos os níveis da estrutura da organização, seja no sentido vertical ou horizontal. Na essência, qual é a real finalidade do planejamento estratégico? Aumentar a rentabilidade do negócio.

Para isso, é necessária uma análise a partir da visão, ambição e objetivos que a organização tem em relação ao seu negócio, para que, na seqüência, estruture ações integradas que levem aos objetivos propostos. O modelo de uma ação estratégica eficaz deve desdobrar-se em etapas distintas, porém integradas.

Além de ações integradas, todo o conceito desse modelo deve estar fundamentado na construção e aplicação de ID´s (Indicadores de Desempenho). Eles servirão de apoio à tomada de decisão para as ações de monitoramento, analise crítica e correção de desvios. Em outras palavras, trata-se de uma Gestão Estratégica com Indicadores de Desempenho (GEID).

Na verdade, o que é a GEID? Basicamente, a Gestão Estratégica com Indicadores Desempenho é compostas das seguintes fases:

    1. Avaliação, definição ou revisão dos elementos de gestão existentes (missão, visão e objetivos).
    2. Levantamento da situação atual da organização com relação ao mercado de atuação, concorrência, recursos internos e fornecedores.
    3. Definição ou revisão do planejamento estratégico e identificação das perspectivas estratégicas e definição dos indicadores de desempenho.
    4. Divulgação dos novos elementos de gestão e avaliação, revisão ou criação de processos internos (se necessário, definição de Indicadores de Processos).
    5. Acompanhamento e verificação das ações, bem como análise crítica dos resultados e revisão das ações.
    6. Revisão do planejamento estratégico, se necessário.

Como essa abordagem prioriza as ações integradas e baseia os resultados em ID´s, será possível uma ação com foco nos resultados e com enorme poder para ações preventivas e, em casos extremos, uma poderosa ferramenta para se reagir frente a situações adversas.

Quais serão os resultados esperados do modelo GEID? Esse modelo de gestão deverá, objetivamente, proporcionar os seguintes resultados:

    · Planejamento estratégico mais transparente, direcionado e eficaz.
    · Inter-relação entre todas as perspectivas estratégicas.
    · Visão de futuro bem-definida e de forma clara.
    · Processos mais confiáveis e eficazes.
    · Ambiente propício ao aprendizado, à mudança e ao crescimento.

Podemos concluir que, com essa abordagem, as empresas, independentemente de seu porte ou segmento, poderão alcançar novos níveis de desempenho, sendo essa uma visão contemporânea de gestão por resultados e um grande diferencial de competitividade e, principalmente, elevação dos níveis de rentabilidade.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima