A supremacia humana nas organizações inteligentes

Organizações inteligentes despem-se dos modismos de mercado e buscam sua autonomia, prezando o desenvolvimento humano como um bem valioso a ser conquistado. Após décadas movidas por saltos tecnológicos e avanços contínuos, com profundas repercussões sociais e transformações nos hábitos de consumo e na maneira de se relacionar, o ser humano deparou-se com um novo momento, que demanda exaustiva reflexão e conseqüente modificação: o uso de mais capacidades existentes em si, para lidar com tamanha mutação. Embora as máquinas e os programas informatizados já convivam com o homem, há novos desafios que despontam na vida organizacional. É preciso encará-los rapidamente e entender o novo papel a ser desempenhado pelos colaboradores, desde a cúpula até a base organizacional.

A adaptação e o desenvolvimento obtidos por meio da tecnologia levaram muitas pessoas a aprender coisas que, há bem pouco tempo, sequer imaginavam. Computadores interligados e softwares para gerenciar o funcionamento das áreas envolvidas na vida produtiva. Transmissão de informações geradas em um notebook. Aprendizagem e negociações realizadas à distância, por meio de transmissão simultânea de imagens a países distribuídos pelos continentes e até a manipulação de átomos e moléculas com o propósito de criar novos materiais e produtos: metais e plásticos, por exemplo, com peso reduzido e aumento de sua resistência, fruto do que se denominou nanotecnologia. O tempo não pára e o homem precisa continuar. Apesar da complexidade que se formou, está em nosso poder a chave para abrir um pouco mais a porta do universo psíquico e simplificar esta ?bagunça? sócio-tecnológica.

Reunir conhecimentos fragmentados, refletir e obter solução para resolver problemas não é uma questão puramente técnica, mas antes uma articulação mental que envolve tempo, prática, erro e acerto, até culminar em uma espécie de processamento das coisas percebidas e registradas pelo cérebro. É uma ação interna. A dificuldade, portanto, está em conseguir se desligar do mundo exterior e voltar-se à vida interior. Nos mantemos presos à exterioridade pelas nossas próprias invenções e esperanças em satisfazer os desejos pessoais. Nos envolvemos mais pela aparência captada pelos sentidos do que pela louvável meditação interna. É quase impossível se desligar dos milhares de estímulos externos. Como desenvolver mais o potencial humano?

Para o psicólogo norte-americano Abraham Maslow, é preciso estabelecer um compromisso consigo a longo prazo com o crescimento e o desenvolvimento máximo das capacidades. Evitando, dessa forma, acomodação, falta de auto-confiança e preguiça. Os desafios servem como estímulo. Entretanto, destacou que algumas influências negativas do passado podem nos prender a comportamentos improdutivos. Outro ponto é a influência e a pressão social de se manter favorável a opiniões e preferências de grupos e, ainda, algumas defesas internas nos distanciam do contato conosco mesmo.

Tratar com vigor as questões que entravam o processo de aperfeiçoamento parece ser uma medida fundamental. A supremacia humana consiste em resolver os impasses psíquicos e fazer uso do potencial articulador do conhecimento, adquirindo-o incessantemente, retalhando-o e, sobretudo, relacionando-o a outros conhecimentos, remontando-o e, finalmente, produzindo novo saber. A simples acomodação das informações é um arquivo morto, sem sentido para o ser humano, tal como ocorre em muitas gestões que pretendem administrar o conhecimento.

Organizações inteligentes despem-se dos modismos de mercado e buscam sua autonomia prezando o desenvolvimento humano como um valioso bem a ser conquistado. Elas não se esquecem de que as pessoas têm potencial e se motivam por seus avanços e merecido reconhecimento.

Dessa forma, podemos concentrar os esforços em alguns focos: desenvolver e impregnar a empresa com a cultura do simples através da convivência natural e o fluxo de comunicação rotineira. Discutir e pactuar a mudança com as lideranças. Apresentar claramente e com insistência a todos os colaboradores, terceirizados e fornecedores, os objetivos que existem a respeito da transformação e da evolução humana dentro da organização. Se reunir, planejar, acompanhar e avaliar o andamento da mudança. Disponibilizar tempo e lugar para fazer o exercício de articulação do pensamento. Deve existir flexibilidade, todavia, deve haver limites.

Do contrário, todos retomam os velhos hábitos e detonam o propósito de transformação. Não adianta impor tal exercício aos mais resistentes, mas não faça corpo mole com eles. Cobrar faz parte de qualquer jogo. Ter regras também. E não encare esse novo processo como algo místico, desestimulando a turma de exatas. Porém, ao ler no dicionário o significado do termo, encontrará que misticismo é o estado espiritual de união com o divino, o sobrenatural, ou ainda, religiosidade profunda. Portanto, lembremo-nos de que várias pessoas crêem em algo místico e vencem, superando as próprias dificuldades, provando aquilo que às vezes se tenta contradizer por pura falta de conhecimento. Permitir a diversidade complementa o rol de focalizações a serem observadas.

Empreender movimento dessa envergadura requer coragem, desprendimento e persistência. Mas o mundo pós-moderno exige que se processem transformações de muitas ordens, especialmente a humana, por meio de formas de pensar e se adaptar à realidade dos problemas atuais. A supremacia humana está em se desenvolver a partir do potencial disponível e contar com a ajuda de outras pessoas que formam a organização.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima