Abacaxi da Global

O que fazer quando uma empresa surpreendentemente não quer vender seu produto, mesmo com a insistência do cliente?

Eu não queria escrever sobre esse assunto, mas hoje eu fui forçado a isso.

Tudo começou no dia em que recebi na minha casa uma proposta para trocar meu celular. Não posso reclamar, porque a empresa, da qual já sou cliente há dois anos, sempre me oferece algumas vantagens, são bons no relacionamento com os clientes, mas apenas na teoria.

Pela primeira vez me senti tentado a trocar o aparelho. O material de comunicação era um show, com movimento, com todos os aparelhos que eu poderia trocar, sem o preço, 0800 para ligar, enfim, teoricamente perfeito. Liguei para o 0800. Fiquei na espera cerca de 10 minutos, você sabe, às vezes vale a pena insistir, mas desisti. Pensei: eles devem ter enviado para muita gente a mesma mala direta e as centrais devem estar sobrecarregadas. Tentei de novo e de novo e de novo. Não consegui. No dia seguinte fui almoçar em casa e aproveitei a hora do almoço para ligar de novo, de novo…. desliguei.

No dia seguinte, vou almoçar com minha esposa no centro da cidade. Passo em frente a uma loja da empresa ? aliás, eles têm muitas lojas na cidade. Entrei. Era hora do almoço, no centro da cidade. Entro na loja (revendedora exclusiva da empresa) e me deparo com uma cena no mínimo estranha. Uma vendedora sentada em sua mesa, atendendo um casal , uma pessoa esperando ao lado. Pensei, ?deve estar esperando a outra vendedora…?

Engano meu, não havia outra vendedora naquela loja no centro da cidade, no horário em que todos saem para almoçar e comprar. Paro e penso, ?que tal dar uma volta pelo centro??. Olho para minha esposa, vamos dar uma volta, depois voltamos. Fomos, levei-a até o trabalho e voltei na loja. Agora sim serei atendido – não que a loja já estivesse com duas vendedoras, mas sim por que não tinha ninguém comprando. Pensei, chegou ao fim, agora vou trocar meu celular. Sentei-me na confortável cadeira e fale para a vendedora: ?eu estou aqui porque recebi um folder?. Descrevi o folder inteirinho, quando dei por mim ela me olhava como quem ouvia a descrição de um OVNI. Parei imediatamente. E perguntei se havia algo de errado. Ela ficou muda, e finalmente chega a outra vendedora. Ela pergunta ? ?esse senhor recebeu um folder assim, assado, etc.? A recém chegada atendente, também sem saber do que se tratava disse automaticamente. ?Ah, essas promoções são só nas lojas próprias da empresa, não vale para os distribuidores, a loja própria é lá e lá?. Agradeci e saí da loja. Confesso que já comecei a pensar em escrever este artigo. Como sou teimoso, e uma das lojas próprias era no caminho do meu trabalho pensei, ?vou lá.? Cheguei na loja, muito bonita por sinal. O atendente prontamente me chama ?em que posso ajudá-lo?? ?Olha, é que eu recebi um folder, assim, assado, etc.? Olhei para o atendente, que dessa vez sabia do que se tratava, e prontamente me respondeu: ?Senhor, essa campanha só vale para quem ligar para o 0800.?

Puxa vida, eu sou publicitário, marketeiro, leio até as letras minúsculas dos materiais que recebo e tenho a certeza de não ter lido que a venda era exclusiva pelo 0800! Isso deveria estar um forte destaque! Olhei para o vendedor, que estava rodeado de aparelhos que eu gostaria de comprar e pior, com um telefone bem à sua frente, que ele poderia oferecer para que eu ligasse para o 0800 dali mesmo e acabasse, de vez, com essa maratona. Perguntei, já um pouco menos sorridente: ?Você não pode me vender, nem na loja própria?? Não pedi para telefonar naquele telefone que estava a um palmo do vendedor em uma loja que tinha uns 20 aparelhos telefônicos, um para cada vendedor. E nenhum para o cliente. Sai da loja pensando ?será que eu devo insistir, será que eu devo continuar?? Fui trabalhar.

À noite em casa pensei, ?vou continuar aquela história, ainda que seja só para escrever o artigo.? Liguei para o 0800 e fui atendido. Comprei o celular, a vendedora me pediu para escolher uma loja e eu escolhi uma que fica perto da minha casa. Disse a atendente do telemarketing,: ?Quando o celular chegar na loja eles vão ligar para o senhor ir buscar, no máximo em uma semana?. Achei que o tempo era muito longo, mas, tudo bem…

Passaram-se quinze dias. Um dia, voltando do trabalho às 18h30 passei em frente à loja para ver se meu aparelho já estava lá. A loja fica em uma das ruas mais movimentadas de Curitiba e estava fechada às 18h30, horário de verão, rua lotada. Quem sabe eles tinham acabado de fechar. E hoje, Quinta-feira, 29 de Novembro de 2001 passei na mesma loja que, pasmem, estava fechada às 13:20, novamente em uma das ruas mais movimentadas de Curitiba.

Agora estou escrevendo esse artigo, sem saber se vale a pena continuar a insistir nessa história, se passo pegar meu aparelho no meio da manhã, ou da tarde, e compro meu celular, ou vou comprar em um concorrente. Acho que o artigo já está pronto… ou será que devo comprar o celular para terminar esse artigo? Me envie um e-mail dizendo se você acha que eu devo comprar o celular no concorrente ou insistir um pouco mais.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima