Altos salários já não seduzem executivos, detecta estudo com mil profissionais dessa área

Ter autonomia, sentido de controle sobre o seu trabalho, é um dos fatores mais motivacionais, segundo os entrevistados. Ao contrário do que se pensa, ganhar bons salários e benefícios justos assim como ter segurança no emprego não estão mais entre as prioridades dos executivos. Em um estudo elaborado por uma das maiores consultorias de recursos humanos, a Keseberg & Partners, associada ao Grupo Kienbaum, um dos líderes da Europa na área de gestão de capital humano, mostra importantes mudanças no universo corporativo e algumas surpresas por conta dos fatores considerados prioritários pelos executivos para permanecerem nas empresas. Apenas bons salários ou mesmo flexibilidade de trabalho não seduzem mais os profissionais.

O que faz o executivo desejar permanecer na empresa? Neste ponto, o estudo colhe algumas surpresas. Apenas 7% apontaram “remuneração” entre os fatores de retenção de média relevância, e segurança de emprego somente 2,2% do universo pesquisado. “Muitos profissionais altamente qualificados já chegaram ao topo na carreira e salários perdem importância relativa”, avalia Gunter Keseberg, presidente da Keseberg & Partners. Foram ouvidos 942 profissionais.

Entre os fatores de retenção considerados de alta relevância, para 57,2% dos executivos entrevistados, o estudo da Keseberg/Kienbaum detectou, pela ordem:

a) A perspectiva de manter Progresso na Carreira, mediante contínuo aprendizado e desenvolvimento profissional.
b) Participar de Trabalho com Conteúdo enriquecedor, em que o executivo faz a diferença e traz contribuição para o crescimento da organização.
c) Ter Orgulho da organização, de sua missão e a qualidade dos produtos.
d) Poder executar trabalhos e desafios excitantes.
e) Ter Autonomia, sentido de controle sobre o seu trabalho.

Dentre os fatores considerados de média relevância na permanência do executivo na empresa estão:

a) Ser parte de uma equipe (7,9%).
b) Salários e benefícios justos (7%).
c) Reconhecimento pelo trabalho bem feito (5,8%).

Dentre os fatores de retenção apontados como de baixa relevância estão:

a) Ótimo ambiente de trabalho (4,4%).
b) Liderança inspiradora (4,1%).
c) Tecnologia de ponta (3,2%).
d) Ambiente agradável (2,4%).
e) Segurança no emprego (2,2%).

Mais surpresas ficam por conta dos fatores considerados sem nenhuma relevância para os profissionais ouvidos. Trabalhar com Ótimas Pessoas mereceu apenas 1,5% das preferências; Localização da empresa, apenas 1,3%; ter Bom Chefe não passou de 1%; a Empresa ser Amigável e Familiar, só 1% e Flexibilidade de horários e forma de se vestir apenas 0,7% do universo pesquisado.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima