Anila ? Qualidade no atendimento da empresa que é reconhecida pelos seus queijos

A história de empreendedorismo da Anila Duas vacas. Duas vacas que produziam muito leite. Muito leite para produzir muito queijo. Muito queijo para poder criar a Anila!

Foi mais ou menos assim que tudo começou. Há quase 20 anos, o casal Cleonice e Nei Schuck resolveu que era hora de largar o interior de Santa Catarina para tentar ganhar a vida no interior do Paraná, no município de Rebouças. O que eles trouxeram na bagagem? Duas vacas que nem eram vistas como fonte de lucro, pois a intenção dos dois era plantar feijão e milho. ?O clima da região não nos permitiu dar continuidade ao plantio e tivemos de nos direcionar para a produção de leite e, conseqüentemente, de queijo?, conta Cleonice. É, as duas vacas se tornaram fundamentais para o sucesso do casal.

Logo no começo da produção de queijo, Cleonice e Nei perceberam que esse seria um bom caminho para alcançar o sucesso, pois todas as pessoas que degustavam do sabor dos queijos produzidos pelo casal aprovavam.

Dificuldades ? A falta de recursos foi, com certeza, a maior dificuldade enfrentada pelo casal no começo da caminhada. Além disso, o desconhecimento do mercado em que iriam atuar e a grande burocracia para se obter financiamentos também atrapalharam.

Apesar dos obstáculos iniciais, eles sempre tiveram uma clientela considerável, que era formada por amigos, vizinhos e pessoas que moravam na região. Com o bom marketing boca a boca, feito pelos primeiros clientes, foi preciso aumentar a produção. Não demorou muito para que eles percebessem que seria necessário, também, encontrar um local mais visível, em que passassem mais pessoas. Assim, decidiram transferir a empresa, até então chamada de Queijo Trançado, para uma casa na BR 277, nas proximidades de Fernandes Pinheiro. A produção de queijo já estava sendo feita em grande escala.

A Anila ? A mudança para Fernandes Pinheiro não foi apenas uma questão territorial, mas também uma mudança conceitual. Como ali a demanda pelos produtos fabricados pelo casal aumentou, foi preciso registrar uma marca, escolher um nome oficial. ?Em homenagem à mãe do Nei, escolhemos o nome Anila?, conta Cleonice.

As mudanças físicas e institucionais fizeram muito bem à empresa. Quase 15 anos depois da inauguração da Anila, a equipe conta com 120 funcionários diretos. Além disso, em dias de bastante movimento, a empresa chega a receber mais de duas mil pessoas. ?Diariamente atendemos turistas de todo o Estado do Paraná, pessoas do País inteiro e até visitantes internacionais?, afirma Cleonice.

O casal sabe que a concorrência é grande, pois existem postos de beira de estrada que possuem, em suas instalações, restaurantes e lanchonetes, mas ambos concordam que o bom atendimento feito por todos os funcionários da Anila e a qualidade dos produtos produzidos por eles os diferencia e os torna ?queridinhos? de quem passa pela região com freqüência.

Mas quem pensa que o trabalho da Anila é somente vender queijos está equivocado. Hoje em dia, a empresa tem um restaurante com capacidade para cem lugares (que oferece almoços e jantares), uma lanchonete, que pode receber até 50 pessoas, uma minifazendinha e um parque de diversões para crianças, além de loja de conveniências e loja de artesanatos regionais. E não pára por aí.

Anila Thermas ? Um passeio, no ano de 2003, trouxe uma idéia ao casal Schuck. Um imóvel abandonado na região de Francisco Beltrão, PR, parecia mais do que apropriado para o início de um novo negócio: a Anila Thermas. ?Imediatamente, surgiu o interesse, a curiosidade e o desejo de reestruturar aquele local, considerando a maravilha que é a água thermal de lá. Além disso, consideramos o fato de este ser um projeto altamente produtivo para a região sudoeste do Estado?, aponta Cleonice.

Hoje, a Anila Thermas possui cinco piscinas, três toboáguas, restaurante com capacidade para receber 300 pessoas e cinco chalés, com quatro apartamentos cada ? os apartamentos são de tamanhos variados, podendo acolher de duas a cinco pessoas em um só. E com toda a dedicação e esforço dos colaboradores e, até mesmo, dos proprietários, que nunca deixaram de colocar ?a mão na massa?, a Anila só tende a crescer.

Como crescer como a Anila ? O crescimento de qualquer empresa está calcado em trabalho, amor, dedicação, atitude… Para o casal Schuck, criador e proprietário da Anila, é preciso mais do que tudo isso, é preciso ter preocupação com o cliente, pois, segundo eles, é o cliente quem faz o negócio prosperar. ?Através da qualidade dos serviços prestados, é possível fidelizar clientes, gerando assim uma parceria de viabilização comercial?, explica Cleonice.

Quer que a sua empresa também cresça? Foque sua atenção no cliente e siga mais este conselho da empreendedora Cleonice Schuck: ?Todo empreendimento deve contar com muita persistência, responsabilidade, capital de giro e consciência dos administradores da necessidade de constante investimento no negócio?.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima