Cheguei ao topo. E agora?

A falta de planejamento reduz o ganho obtido, dificulta a retomada do ritmo considerado ideal e pode arranhar a imagem dos profissionais e mesmo da organização. Empresas que trabalham com metas estipuladas para um determinado período costumam encarar com naturalidade a redução no rendimento de seus profissionais depois de alcançado o objetivo. Influenciadas pela cultura de que é mais fácil chegar ao topo do que se manter nele, essas organizações toleram comportamentos prejudiciais a ela própria e aos funcionários. Para garantir melhor a gestão de pessoas, de tempo, de recursos e manter a motivação, é preciso quebrar paradigmas estabelecidos nos setores produtivos.

Exige-se, portanto, uma nova visão corporativa. É possível ? e necessário ? atingir uma meta elevada sem um declínio posterior. Para tanto, é preciso incorporar à empresa e à equipe de trabalho os processos e recursos que foram utilizados na busca do objetivo conquistado. Tudo que é realizado de maneira pontual e sem planejamento pode dar resultados momentaneamente, mas não se sustenta. Não se pode abandonar o que deu certo é preciso incorporar os processos bem-sucedidos à rotina do trabalho.

Um bom gerenciamento empresarial prevê crescimento constante e uniforme, com a definição clara de indicadores, regras e responsabilidades. É errado enaltecer resultados derivados de esforços pessoais intensos, pois eles não podem ser mantidos. O que deve acontecer é a implantação de novos métodos. Se uma meta foi atingida em certo tempo, significa que isso é possível graças a algumas estratégias de trabalho. Elas devem ser incorporadas à empresa e os padrões serão modificados para cima, de modo a elevar a expectativa e a produtividade.

Um desafio comum no mundo corporativo é evitar que os funcionários interpretem a conclusão de uma etapa de trabalho como se fosse o fim do caminho. ?O bom desempenho deve ser recompensado e até festejado, mas a gestão precisa mirar sempre o crescimento contínuo. Novas etapas de trabalho conduzem a indicadores ainda mais altos e a equipe não pode relaxar?, comenta a consultora em redes de negócio Ana Vecchi, da Vecchi & Ancona Consultoria Empresarial e Franchising.

Esse relaxamento costuma ter impacto negativo nas empresas. A falta de planejamento reduz o ganho obtido anteriormente, dificulta a retomada do ritmo considerado ideal e, em alguns casos, pode arranhar a imagem dos profissionais e mesmo da organização ? especialmente quando existe uma relação direta com o consumidor final. ?Essas conseqüências podem ser evitadas com a cobrança de resultados condicionados a indicadores de gestão. Limites e responsabilidades devem ser transparentes, conhecidos por todos?, finaliza Ana Vecchi.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima