Como vender rápido e fácil

Por que vendas assusta tanto, se até para as crianças é fácil e rápido aprender? Há pessoas que por medo de vender discriminam a profissão, ao invés de aprender. Outras, entendendo a real importância da atividade comercial, dão o melhor de si e têm sucesso. E há aquelas que se livram do desemprego com um artifício inteligente. Vendendo produtos que as colocam em contato com empresas nas quais desejam trabalhar.

Leais e éticas, desempenham com competência suas funções e despertam o interesse dos clientes em tê-las no seu time.
Simples assim.

Eu questiono, – por que vendas assusta tanto, se até para as crianças é fácil e rápido aprender?

Nos tempos de calça curta eu dava nó em pingo d””água, para aumentar a mesada que recebia dos meus pais. É que em se tratando de coleções de figurinhas, bolinhas de gude, cinema, sorvetes e passeios, o dinheiro sumia rápido demais para o meu gosto.

A solução foi vender jornais velhos e sorvetes. Estes para os comerciantes do Mercado Municipal embrulhar peixes e frutas, e os picolés para o prazer das pessoas nas ruas.

Acontece que eu era tremendamente tímido, e vender exigia doses enormes de sacrifício. Então, criei um método para superar isso e obter resultados rapidamente.

A base do meu método era o tripé formado pelas palavras, desejos, produtos e necessidades.

Explico: os desejos eram os meus, de criança sadia; os produtos, aqueles escolhidos por mim, jornais velhos e picolés de um bar da vizinhança; e por fim, as necessidades que tinham os comerciantes do Mercado Municipal e as pessoas em geral.

Lembro-me também, que aplicava estes elementos em duas seqüências distintas, conforme o resultado pretendido.

Para ficar motivado, o suficiente a ponto de vencer minha timidez e ir vender, a fórmula era: Desejo -> Produto -> Necessidade.

Diante dos clientes a ordem tinha que ser invertida: Necessidade -> Produto -> Desejo, porque para dar negócio, quem precisava estar motivado eram eles.

Mirei os comerciantes como alvo preferencial. Pois, quando vendiam acima da média não pechinchavam muito e decidiam rápido porque necessitavam do jornal para os embrulhos.

Mas nem sempre era assim, e tinha a concorrência, aí é que entravam os sorvetes. Os melhooores da cidade, dizia eu, aos gritos.

Desnecessário dizer que naquela época eu não pensava em vender profissionalmente, ou tornar-me um consultor, instrutor e palestrante dessa matéria. Tudo o que almejava era obter o dinheirinho extra para as brincadeiras e guloseimas, e me divertir a valer.
Sempre funcionou bem. E, aos 10 anos de idade eu não imaginava que os melhores benefícios ainda estavam por vir.

O tempo passou, outras experiências aconteceram e lá estava eu, aplicando o método da venda rápida e fácil, novamente.
Eu queria muito (desejo) ser contratado para o emprego que meu amigo indicara. Analista de Sistemas em uma importante empresa. Mas nem sabia ao certo o que fazia tal profissional. E a entrevista estava agendada para o dia seguinte. Investiguei o quanto pude e descobri o que esperavam (necessidade) da pessoa contratada. Soube também que receberia treinamento técnico de A a Z. O que me incentivou ainda mais. E, sendo que o meu padrinho era bem conceituado na empresa, bastaria vender bem o “peixe” e eu estaria encaminhado.

O produto nesse caso era eu mesmo, ou seja, o meu jogo de cintura, iniciativa, comunicação e empatia. Características importantes em vendas e em tudo o mais. Na Biblioteca Pública complementei a pesquisa sobre análise de sistemas. E para afugentar o medo caprichei na primeira parte da fórmula, a mesma dos tempos de infância. Sentindo-me pronto para encarar o futuro chefe, utilizando a segunda etapa do método.
Funcionou de novo.

É claro que um verdadeiro profissional deve se aprofundar no estudo completo da arte que é vender. E manter-se atualizado também. Como nas demais profissões.

Foi o que iniciei alguns anos depois, quando fui para outra cidade programar computadores. Era o início da era dos micros e os vendedores locais não conseguiam vender a novidade. Antes que a falta de vendas vitimasse o meu emprego, negociei com o patrão. Assumir as vendas e programar seria a solução. Tal como antes, a timidez, o medo e a insegurança me assaltaram. Mas apliquei a fórmula conhecida, investi na nova carreira, segui aprendendo e não parei mais. Venci. E você pode vencer também!

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima