Conheça Francisco Olímpio de Oliveira, o fundador da rede de sorveterias Chiquinho Sorvetes

160 sorveterias, mais de mil colaboradores e dois milhões de consumidores

O ano é 1980 e a cidade se chama Frutal (SP). Foi lá que tudo começou. Francisco tinha 19 anos de idade e recebeu de seu pai a incumbência de tocar um pequeno negócio: uma sorveteria. Aceitou o desafio. Em gratidão, denominou a empresa como Chiquinho Sorvetes, o apelido do genitor.

“Sempre procurei fazer um produto diferenciado. Até desenvolvi uma calda especial! Acredito que o produto constrói a marca”, afirma Francisco. Durante os cinco primeiros anos do empreendimento trabalhou como funcionário do pai, até que resolveu comprar 50% do negócio. Tempos depois, comprou os 50% restantes. “Em 1986 abri minha primeira filial, numa cidade vizinha”, conta o empresário. A partir daí, anualmente, em média, foram inauguradas duas novas filiais até atingir o número de 35 pontos de venda.

A família foi um componente importante nesse processo de crescimento. Muitas das filiais foram abertas por irmãos e parentes de Francisco. “Quando já tinha cerca de 5 lojas, muitos familiares se interessaram pelo negócio. A marca era minha, mas se algum parente queria montar uma loja, eu autorizava. Ensinava a fazer os produtos e deixava que utilizassem o nome Chiquinho Sorvetes na cidade dele.”

Francisco nunca cobrou pelo uso da marca. Aliás, ele me conta, nem sócio essas pessoas eram. “Muitas vezes fui questionado por isso. Para mim, à época, parecia algo sem sentido. No fim, acho que foi uma grande sacada de crescimento”, alegra-se o empresário.

Quando a rede chegou a 35 lojas, logicamente, Francisco começou a se preocupar. Telefonou para todos os envolvidos – basicamente familiares. Alguns já tinham mais de 5 pontos de venda! Uniram-se e formataram um novo negócio onde Francisco deteve 51% do negócio e os demais 49% foram distribuídos entre os demais participantes.

O segundo grande salto veio após, digamos, essa reforma administrativa. “Resolvemos contratar uma agência de propaganda para padronizar as lojas, nossa comunicação e nossa identidade visual. Fomos para a televisão, rádio e jornais. Nos dois anos seguintes, mais que dobramos de tamanho, chegando a 80 lojas”, narra um orgulhoso Francisco.

Todo esse crescimento e popularidade geraram prospects interessados em tornar-se franqueados da marca Chiquinho Sorvetes. Esse foi o terceiro grande salto da empresa. Em 2010, iniciou-se o processo de franquias. Desse ano até hoje, a rede dobrou de tamanho. A meta para 2012 é chegar a 200 lojas.

DIFICULDADES

Nem tudo foram rosas nesse processo. Francisco conta que logo no início, com a implantação do Plano Cruzado, quase foi á ruína. “Assim que abri a 2ª filial, veio o Plano Cruzado. Eu tinha feito um empréstimo no banco. Comecei pagando 2,5% ao mês. Seis meses depois, eu pagava 90% ao mês! Vi tudo acabado, tudo perdido”, conta.

Seu pai, inclusive, pediu que desistisse de tudo enquanto ainda podia salvar algum valor. “Pai, de forma alguma eu faço isso”, falou. Renegociou com o banco, trabalhou dobrado, passou por muitas dificuldades, mas reorganizou as finanças. Em dois anos conseguiu pagar tudo. “Sou empreendedor, comerciante e sempre olho para frente. Uns me chamam de ‘atinado’, mas eu nunca desisto.”

RECONHECIMENTO

“Devo muito à meus familiares, a meu pai, mas principalmente à minha esposa. Ela foi parceira na alegria e na tristeza. Abriu mão do conforto e da qualidade de vida para ficar ao meu lado. Criou os filhos ali, no balcão da sorveteria. Trabalhou comigo na produção e no atendimento aos clientes”, afirma.

ORGULHO

O maior orgulho de Francisco é ver o crescimento da marca e a união de sua família. 98% juntaram-se a ele no processo de reagrupamento da empresa. “Todos aceitaram se transformar em franqueados. Fiquei como sócio majoritário e a família com 49%. Esse é, talvez, a minha maior realização”, comenta.

Atualmente, a maior motivação de Francisco é continuar a ter uma marca forte e poder compartilhá-la com muitas pessoas, com os franqueados e, claro, com a família. Quer gerar cada vez mais empregos, renda, impostos e ajudar no progresso do Brasil.

Francisco quer deixar como legado, uma rede estruturada, uma organização que valoriza o trabalho, o comprometimento e a honestidade.

Esse é Francisco Olímpio de Oliveira, o fundador da Chiquinho Sorvetes.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima