Conheça a história da Reserva Mini: um investimento em amizade que gera recorde de vendas

Reserva Mini: produtos para bebês e público infantil

Amizade. Esta simples palavra, carregada de sentimento, define o segredo da marca infantil Reserva Mini. E os números são impressionantes: nos últimos dois anos, em plena crise econômica, a marca mais do que dobrou de tamanho. Em 2016, atingiu faturamento de R$ 37 milhões. E, em 2017, a estimativa é consolidar os dados superando R$ 55 milhões de faturamento.

A Reserva Mini começou suas operações em 2009 e abriga toda a linha bebê e infantil, para meninos e meninas, do Grupo Reserva. A empresa conta com parceiros como o cartunista Ziraldo, a nutricionista Gabriela Kapim e o Instituto Ayrton Senna e está presente em praticamente todos os Estados, por meio de suas 15 lojas próprias e 400 multimarcas.

Guilherme Abrunhosa, gestor da marca Reserva Mini, explica que a empresa vê e treina seus vendedores para criar relacionamento verdadeiro com os clientes. A marca entende roupa como uma commodity e vê as vendas como uma consequência do cuidado e carinho direcionado aos clientes. O ponto de diferenciação está na experiência de compra. Vale a pena ler mais sobre esta história nas palavras do próprio gestor. 

Como e quando surgiu a Reserva Mini?

A Reserva Mini abriga toda a linha bebê e infantil, para meninos e meninas, do Grupo Reserva. Nasceu em 2009, quando a marca mãe (Reserva) percebeu que os filhos de seus clientes tinham uma paixão pelo pica-pau e uma vontade de usarem o mesmo estilo irreverente e audacioso dos pais.

As peças para meninos seguem uma moda casual com polos, silks com ilustrações divertidas, calças e bermudas que possuem acabamento especial, entre outros produtos.

Em 2016, a Reserva Mini começou a vestir as meninas, com inspiração nas pequenas espoletas que gostam de pular, correr e andar de skate, em um universo de menos faz-de-conta e mais ação.

Case de sucesso Reserva Mini: gestor Guilherme Abrunhosa
Case de sucesso Reserva Mini: gestor Guilherme Abrunhosa

Quem é seu público-alvo e como vocês se diferenciam de outras empresas da área?

Trabalhamos com produtos para bebês (0 a 24 meses), meninos (2 a 12+) e meninas (2 a 10 anos) das classes A e B. Nossos principais diferenciais são o atendimento em loja e uma comunicação baseada no diálogo. Do ponto de vista social, a marca Reserva Mini também participa da campanha 1P5P, onde, para cada peça vendida – tanto em lojas físicas quanto no e-commerce -, 5 pratos de comida são viabilizados para quem tem fome, por meio da Associação Civil Banco de Alimentos.

Além disso, mais de 90% dos produtos do Grupo Reserva são produzidos no Brasil, justamente para incentivar e valorizar a indústria local. Apenas importamos itens que não são fabricados no Brasil na demanda necessária. Nesses casos, os fornecedores são do Mercosul.

Vocês têm Missão, Visão, Valores bem definidos?

Nossa missão é viver para estimular a conexão familiar. Sempre com carinho, respeito e profissionalismo. Nossa visão é ser a maior referência de inovação e excelência no mercado infantil brasileiro.

Quais foram as maiores dificuldades nestes últimos dois anos, com a economia em recessão?

A Reserva Mini conseguiu passar pela crise sem maiores impactos. Nos últimos dois anos a marca mais do que dobrou de tamanho, acumulando um crescimento de 2,2 vezes. Continuamos em expansão, mantendo a expectativa positiva de crescimento para os próximos anos.

Quais foram os principais sinais de sucesso que começaram a aparecer, mostrando o acerto da estratégia e modelo de negócio da Reserva Mini nestes últimos meses?

A Reserva Mini, desde sua criação, tem feito um papel de gente grande não só nos números, mas também com o engajamento de seu público, com os pequenos cada vez mais apaixonados pelo pica-pau. Percebemos ainda que a marca ganhou uma notoriedade significativa em outras regiões, o que até então era mais perceptível no Rio de Janeiro.

A marca registrou faturamento em 2016 de R$ 37 milhões, estando presente em praticamente todos os estados brasileiros por meio das 400 multimarcas. Para 2017, a marca planeja ampliar ainda mais sua capilaridade e superar os R$ 55 milhões de faturamento.

O que vocês fazem que é totalmente diferente da maior parte dos concorrentes?

A gente ama o que faz. Temos um vínculo muito forte com nossos consumidores, amizade mesmo.

O mercado acredita que pessoas em loja nada mais são do que atendentes. E que as roupas são as estrelas da festa, vendem sozinhas. O Grupo Reserva acredita no contrário: roupas são commodities, tanto as das nossas marcas quanto a dos outros. E, se as pessoas que hoje trabalham na empresa não estivessem entregando uma experiência completamente encantadora e diferente, a marca estaria fadada ao fracasso.

Quando falamos de pessoas também nos referimos aos consumidores. Não estamos ali para atendê-los e sim para sermos amigos. Acreditamos que a venda sempre será consequência de uma relação de amizade, não causa.

Especificamente em relação a Vendas (que é nosso foco na VendaMais), como vocês treinam a equipe comercial para reforçar seus diferenciais e não cair na guerra de preços?

Ai que está a diferença, não treinamos os nossos vendedores para seguir um padrão e sim para ter a capacidade de se relacionar com o consumidor de forma verdadeira, como fariam com seus amigos pessoais. Eles são eles mesmos, nisso que acreditamos. O diferencial está no processo de contratação, chamamos para a nossa família Reserva Mini pessoas que compartilham da nossa cultura, que possuem nosso DNA. Dessa forma, amam o que fazem e podem ser eles mesmos. Isso que nos cativa e aos clientes também.

Nosso vendedor tem total liberdade de agir da forma como ele considera ideal. Temos total confiança na nossa equipe e os resultados – não apenas quantitativo, mas qualitativo – comprovam que estamos no caminho certo.

O que vocês têm feito de especial para atrair novos clientes e que tem funcionado bem?

Entregamos não apenas produtos de qualidade, mas experiência e alegria para todos que convivem com a gente. Procuramos cuidar, emocionar e surpreender as pessoas todos os dias.

E em termos de fidelização de clientes, algo em especial que façam para que os clientes continuem comprando ou fazendo negócios com vocês?

Como disse anteriormente, não entendemos o nosso negócio como uma simples venda de produtos. Acreditamos que uma experiência de atendimento excelente e uma relação frequente e contínua com nosso cliente seja fundamental para uma verdadeira fidelização.

Existe algo que era feito antes e que vocês PARARAM de fazer, por mais dura que fosse a decisão, para atualizarem seu modelo de negócios?

Não.

Em quais áreas foram feitos os principais investimentos nesse processo de crescimento da Reserva Mini? Não só em termos de dinheiro/investimentos, mas revisão de processos, aumento de eficiência, etc. Ou seja, onde foi colocado mais foco e energia?

Em todas as áreas, desde comercial à tecnologia e backoffice. De 2014 para cá, a marca passou a ser entendida como uma unidade de negócios de fato. Portanto, passamos a fazer todos os investimentos correspondentes à expectativa de crescimento.

Quais os próximos passos? O que estão planejando para o futuro? Qual o próximo grande objetivo?

Nosso objetivo para os próximos anos é ampliar a nossa capilaridade pelo Brasil por meio de lojas próprias. Estamos iniciando um modelo de franquias e acreditamos em uma forte expansão do e-commerce da marca.

Que conselhos daria para um empreendedor pensando em iniciar um projeto pessoal, mas ainda relutando se começa (arrisca…) ou não?

Primeiro: escolha algo pelo qual seja completamente apaixonado. O caminho vai exigir dedicação ininterrupta e foco irrestrito. Sem paixão é impossível chegar do outro lado.

Segundo: descubra formas simples, baratas e rápidas de testar pequeno as suas ideias. Erre muitos erros pequenos para aprender muito rápido e acertar grande na sequência.

Por fim, estude muito, leia muito e acredite no sonho que você desenha.

Existe algum livro, vídeo, filme, pessoa que mais influenciou sua trajetória pessoal/profissional e que você recomendaria para pessoas que querem resultados melhores?

São muitos, mas hoje citaria os livros:

  • Abundância – Peter H. Diamandis
  • Organizações Exponenciais – Salim Ismail
  • e não poderia deixar de citar o Rebeldes têm asas – Rony Meisler. Ele conta a trajetória do nosso grupo e acho realmente uma leitura fundamental, principalmente para aqueles que querem empreender.

Algum comentário final que gostaria de fazer para nossos assinantes e leitores da VendaMais?

O que mais aprendi e aprendo diariamente na Reserva é a importância de sempre olharmos para dentro. Em tempos de dificuldade econômica, muitas vezes nos dedicamos a reclamar e olhar para fora, quando poderíamos agir para melhorar tudo que sabemos não ser excelente ainda na nossa operação.

Para saber mais:

Leia também:

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima