Dando um tempo

Muitos vendedores anseiam pelo período de férias. Esperando que ele chegue logo, contam os dias e as horas. Pensam somente em relaxar, em ficar de papo para o ar. E, quando chega essa data esperada, eles vendem, onde quer que estejam.

Alguns o fazem de caso pensado, como conta o leitor Aldori Luiz Zulian, de São Paulo, SP: ?Sempre carrego comigo catálogos e folhetos de minha empresa. Falando com amigos, apresentei o catálogo e a venda foi conseqüência?.

Outros contam com uma boa dose de sorte, extraindo o máximo da oportunidade, como conta Sérgio César Zamparone, de Paranavaí, PR: ?Sou representante dos Motores MWM. Estava em Bombas, litoral de Santa Catarina, a mais de 700 km de casa, quando vi uma caminhonete que usa nossos motores, com placa de minha cidade. Esperei o dono do carro aparecer, mostrei meu cartão, conversei, ganhei e fidelizei um cliente. Hoje, somos bons amigos?.

Outra imagem ? Algumas pessoas ainda vêem as férias com ressalvas. Em algumas empresas, ainda persiste a imagem de que funcionário bom é o que não tira férias ou que as pessoas que realmente importam ?não podem? se ausentar.

Os grandes vendedores podem se ausentar, pois sabem delegar funções e administrar o tempo de maneira eficiente, para que possam usufruir de um merecido descanso. Além disso, sabem que, se você continuar a fazer o que sempre fez, vai obter sempre os mesmos resultados. É preciso parar um pouco, ver o que outras pessoas fazem, como trabalham e evoluir seus processos, suas maneiras de trabalhar.

Às vezes, o simples fato de encontrar um cliente ou prospect fora do ambiente normal ajuda, como diz Rui Guilherme, de Belém, PA: ?Na época, eu trabalhava em uma empresa de produtos químicos automotivos. Tentava, de todas as maneiras, colocar meus produtos em uma importante concessionária da Fiat na região, mas não obtinha sucesso. Como as coisas não estavam progredindo, saí de férias. Estava quase chegando em Salinas, a uns 200 km de Belém, quando vi um carro parado no acostamento, com uma família com cara de desesperada. Minha esposa pediu que parássemos para ajudar. Então, conversando com o dono do carro enguiçado, ele disse que o motor fervera por falta de água no radiador. ?Mas isso não é normal, a não ser que o radiador tenha furado?, expliquei.

Eu estava certo: colocamos mais água na peça e localizamos o furo. Na hora, lembrei da minha pasta de mostruário no carro, que incluía nosso selante para radiadores. Peguei e apliquei o produto, explicando que a família poderia rodar com segurança até a concessionária mais próxima, que ela resolveria definitivamente o problema.

Entusiasmado, aquele senhor perguntou onde eu trabalhava. Expliquei, passei alguns dados técnicos e meu cartão. Foi quando ele disse: ?Ah, coincidência, eu sou diretor de uma concessionária da Fiat de Belém!?. Não perdi tempo. Disse que estava a algum tempo tentando demonstrar minha linha de produtos naquela empresa e precisaria da ajuda dele. Ele se prontificou e, a partir daí, conseguimos efetuar um ótimo trabalho naquela empresa. Isso abriu as portas para a nossa entrada em outras concessionárias?.

Muitos leitores também afirmaram que não faz muita diferença o local em que estão, pois a maioria das vendas é feita via celular, como conta Mário Rodolfo Novello, de Piracicaba, SP. Ele afirma que já fechou negócios com um cliente difícil enquanto estava na praia, cercado de amigos e família. ?No final, o cliente perguntou que barulho estranho era aquele na linha, parecia que eu estava em uma festa! Aí, como eu tinha essa liberdade com ele, disse: ?Pois é, acabei de fechar a melhor negociação da minha vida. Você é um cliente difícil de contentar e consegui vender, tomando cerveja, olhando o mar e em contato com meus amigos e família, quer algo melhor que isso??. Ele quase cancelou o pedido, pedindo mil desculpas por ter me incomodado.?

Férias do bem

Aproveite as férias para fazer a diferença na vida de algumas pessoas. Existem várias organizações e associações beneficentes precisando de ajuda, nem que seja por apenas uma semana. Além de fazer muito bem para outras pessoas, é uma forma de sair completamente da rotina, de fazer coisas diferentes, de adquirir experiência de vida e de ter histórias para contar aos colegas e clientes. Para as pessoas que freqüentam uma religião ou sociedade como Lions ou Rotary, é simples: pergunte aos coordenadores (superiores, padre, pastor, xeque, rabino ou outros) sobre que ações assistenciais existem no local em que você pretende passar as férias. Ou, então, ajude sua comunidade por uma semana e viaje durante as outras duas ou três.

Outra opção é acessar o site www.voluntarios.com.br. Lá você encontra dezenas de opções e instituições que precisam de sua ajuda.

Para saber mais:

Livro: O Ócio Criativo

Autor: Domenico de Masi

Editora: Sextante

Onde encontrar: www.livrariascuritiba.com.br

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima