Descomplique sua vida e seja mais feliz

Leila Navarro mostra como descomplicar a vida Fisioterapeuta, especialista no comportamento humano e em medicina comportamental, empresária e autora de diversos livros. Com um extenso currículo, Leila Navarro destaca-se como uma das principais palestrantes comportamentaois do Brasil.
O reconhecimento, tanto nacional como internacional, fez com que ela já tenha ficado por três anos consecutivos entre os cinco palestrantes mais lembrados pelos profissionais de RH de todo o Brasil. Em 2005, ganhou o 8º Prêmio Top of Mind ? Fornecedores de RH de 2005, na categoria palestrante do ano. Leila foi a primeira mulher a receber essa indicação e é uma das raras representantes femininas que compõem o cenário de conferencistas brasileiros, chegando a integrar o ranking dos 20 maiores palestrantes do País.
Na entrevista a seguir, Leila fala sobre como pessoas podem tornar a vida mais simples. Confira e descubra o que fazer para descomplicar sua vida!

Muitas pessoas dizem fazer de tudo para que as coisas dêem certo, mas a vida não está fluindo do jeito que desejavam. Por que tem tanta gente achando a vida complicada? Acredito que isso acontece em função de exigir-se cada vez mais das pessoas. Para ser “alguém que deu certo” é preciso atender uma infinidade de requisitos e ter muitas competências.

E o que fazer para atender a estas exigências e tornar a vida menos complicada?
O que realmente incomoda as pessoas é a sensação de vazio, o fato de pensarem que não estão conseguindo chegar a lugar algum. Mas quando as pessoas descobrirem e perseguirem o que realmente é relevante para elas cumprirão o seu propósito de vida. E quando se segue o propósito, a vida flui.

Como podemos descobrir se pegamos o caminho certo para que as coisas fluam bem em nossa vida?
É necessário identificar três coisas: quem somos, onde estamos e para onde vamos. É fundamental entender também que, de um jeito ou de outro, a vida jamais deixa de fluir e que o segredo é nos deixar levar por ela, aproveitando-a ao máximo.

Muito tem se falado em tornar a vida mais simples, mas como podemos fazer isso no dia-a-dia?
Com o autoquestionamento. Ele nos obriga a voltar a atenção para nós mesmos. É um recurso fundamental para quem deseja se conhecer melhor e progredir no desenvolvimento pessoal. Para colocar o autoquestionamento em prática, você precisa se perguntar: “O que eu quero? O que não quero? O que me dá satisfação? O que me incomoda? Como está meu equilíbrio?”. Fazendo essas perguntas, saímos do “piloto automático”, evitamos as reações e comportamentos condicionados e nos tornarmos mais conscientes de nós.

Na teoria parece fácil, mas na prática nem sempre conseguimos encontrar essas respostas. O que fazer para encontrá-las?
É necessário “ouvir-se mais”, ou seja, prestar atenção ao que dizemos de nós. Muitas pessoas costumam falar: “Nada dá certo para mim”, “o mercado está em crise”. Essas frases refletem seu interior. Mas o que existe em seu interior? Autocensura, medos, dúvidas, desmerecimento? É fundamental ter consciência disso, já que há uma relação direta entre o conceito que fazemos de nós e a maneira como nossa vida flui. Por isso, recomendo que você preste atenção em tudo que fala a seu respeito para outras pessoas. Ouça também seus próprios pensamentos. Quando estiver só, no trânsito, em casa ou em uma caminhada, fale tudo que está pensando, sem medo de parecer doido, pois há muita gente que faz isso. Falar para você mesmo é uma ótima maneira de ter consciência dos pensamentos negativos que passam pela sua cabeça.

É, normalmente, nessas horas em que as pessoas param e refletem sobre a vida que descobrem seus medos. O que fazer para identificá-los?
Identificar os medos e fácil porque eles causam reações físicas ? tremor, aperto no estômago, suor. O difícil mesmo é admiti-los, pois sempre procuramos esconder nossas fraquezas e inseguranças, até de nós mesmos. Mas não ganhamos nada tentando nos enganar. E se não reconhecermos os medos, não será possível enfrentá-los. E se não os enfrentá-los, continuaremos limitado por eles. Então, pergunte-se quais são seus medos e enfrente-os.

Um dos principais medos que as pessoas enfrentam é o de fracassar. O que fazer para superar isso?
Por trás do medo de fracassar existe o receio de errar, que nos levaria a ser reprovados, ridicularizados ou menosprezados. No entanto, esse medo só existe porque achamos que podemos ser perfeitos. Mas é muita pretensão pensar isso e abrir mão da possibilidade de errar como forma de aprender. Então, sugiro que as pessoas deixem de lado o orgulho e façam o que dá medo. Não devemos ter medo de perguntar o que não sabemos, de pedir ajuda, ou o que mais for necessário para aprender.

Muitas vezes achamos a vida complicada por causa da busca desenfreada pelo sucesso. E, quando não conseguimos, acabamos ficando deprimidos. O que fazer para evitar isso?
Isso acontece quando nos comparamos aos padrões de sucesso que a sociedade impõe. Ou seja, quando usamos referências externas para medir nosso próprio valor. Mas se buscarmos aquilo que nos traz a real satisfação, o que é uma referência interior, não haverá espaço para depressão.

Para saber mais
www.leilanavarro.com.br

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima