Dinheiro não é tudo – maio de 2006

“Programas de incentivo podem fazer você ganhar duas vezes. Pense em dar prêmios que aumentem a confiança e o conhecimento da equipe” Tom Mott, da empresa de consultoria Hewitt Associates

Prêmio Marguerita

Uma empresa norte-americana premia, todo mês, o vendedor que enfrentou o cliente mais difícil (seja devido ao volume de negociação, seja devido à reclamação ou à pura teimosia em fechar o negócio) com um happy hour em que se brinda ao homenageado com margueritas ? daí o nome do prêmio. Nada impede, entretanto, que você adapte a idéia para Prêmio Guaraná, por exemplo.

Ajuda no social

Se você quer que sua equipe se envolva com práticas sociais ou quer montar algum programa de ajuda à comunidade em sua empresa, procure os Parceiros da Vida. Essa ONG é especialista em ajudar empresas de todo o Brasil a dar os primeiros passos em projetos sociais. O site é: www.parceirosdavida.org.

Dinheiro no bolso

Nos Estados Unidos, uma empresa de instalação de áudio, vídeo e celulares em automóveis premia e pune seus funcionários, de acordo com a opinião dos clientes. A cada elogio de um cliente, os funcionários que trabalharam naquele carro ganham um bônus de 10 dólares cada. A cada reclamação, deduz-se 5 dólares do salário. E, se o carro do cliente for danificado durante a instalação, o rombo no bolso da equipe responsável é bem maior: 20 dólares. Desde que essa política entrou em vigor, o número de danos a veículos de clientes caiu 70% e os elogios triplicaram.

Uma mão na massa, outra no volante

Uma cadeia de lanchonetes dos Estados Unidos criou um prêmio curioso: se o gerente de uma de suas unidades conseguir aumentar 40% as vendas em um ano (a comparação é feita ano a ano: o que foi vendido em um ano, comparado ao ano anterior. Assim, as distorções de promoções e outras ações que podem causar picos de vendas são evitadas. Só vale aumento real em vendas.), ganha o direito de dirigir um carro de luxo por um ano. Se, no ano seguinte, ele conseguir repetir a performance, garantir um aumento real de mais 40% nas vendas, fica com o carro para si.

É um grande incentivo porque, depois de se acostumar com o gosto do carrão, ninguém quer perdê-lo. E as metas são ambiciosas o bastante para que poucos consigam levar o automóvel (que é pago com o aumento do lucro de cada lanchonete).

Comunicação

· Para facilitar a comunicação entre níveis, um banco dos Estados Unidos proibiu os tratamentos de senhor, senhora, doutor e similares entre funcionários. Até mesmo o presidente é tratado pelo primeiro nome.

· Outra empresa tem eleições anuais, em que todos votam em temas como uniformes, bônus e o que fazer com quem mantém um segundo emprego.

Interesse

Poucas coisas motivam mais um funcionário do que saber que sua opinião vale para alguma coisa. Por isso, em vez de se limitar à caixa de sugestões, faça com que o chefão da empresa, uma vez por mês, se reúna com funcionários para ouvir suas idéias sobre como melhorar o trabalho/vendas. E que eles tenham uma resposta, para que saibam que o que foi dito está sendo implantado (ou as razões pelas quais a idéia teve de ser deixada de lado).

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima