Faça! Agir é fundamental para que as coisas aconteçam

Cesar Romão diz que é preciso agir para fazer acontecer De todas as coisas que você planejou, pensou ou gostaria de fazer, quantas realmente foram realizadas? É muito comum passarmos horas pensando, decidindo, elaborando e acabarmos esquecendo de uma etapa fundamental: o fazer!

Para abordar a importância de agir, realizamos uma entrevista exclusiva com Cesar Romão. Jornalista, escritor e conferencista, ele é pós-graduado em Administração com MBA em Marketing. Além disso, é mestrando em Psicologia Organizacional e possui cursos de extensão nas Universidades de Richmond e Califórnia. Autor de diversos livros no Brasil e no exterior, também é motivador da Força de Paz da ONU integrada pelos soldados do Exército Brasileiro. Acompanhe a seguir a entrevista e descubra o que fazer para realizar mais em sua vida!

Por que muitas pessoas planejam, dizem, pensam em coisas que gostariam de fazer, mas esquecem de uma etapa fundamental: fazer?
Nossas vontades ficam em nosso cérebro, mas para haver ações precisamos que o corpo faça uma convergência de atuação. Chamo isso de “eudomarketing”, situação em que precisamos encontrar meios para estimular nosso comportamento idealizador com o realizador. Idealizar implica pensar em tudo que desejamos. Realizar implica em fazermos um movimento generalizado que envolve esforço, talento, competência, negociação, empenho e muito desgaste físico. A grande diferença entre quem idealiza e quem realiza é a disposição de pagar o preço com dedicação da escolha que fez. Você pode se dedicar a nada ou ao seu projeto.

E como colocar essa convergência de atuação em prática? O que impede as pessoas de agirem?
O grau de compromisso que temos determina nosso desempenho com o que desejamos realizar. O fator que impede as pessoas de agir é que elas sabem o que querem, mas não têm idéia do que precisam aprender a fazer para conseguir o que desejam. Devido ao sucesso do meu livro A Semente de Deus em 28 países, recebo muitos originais para julgar. Na maioria dos casos, recomendo às pessoas que não sigam em frente com o sonho de escrever. Algumas pessoas ficam contrariadas quando recebem uma sugestão e acabam fazendo exatamente o que faziam, sem ter idéia da importância de um texto elaborado para o leitor, escrevem de qualquer maneira e assim são tratadas pelo mercado.

Ao não agirem, as pessoas acabam tendo de reagir? Por exemplo: por não terem realizado um curso de Inglês, precisam aprender rapidamente o idioma para desenvolver uma tarefa e aí precisam agir sob pressão.
Toda vez que prometemos coisas a nós e não cumprimos criamos em nosso cérebro um espaço ocupado no arquivo dessas promessas, e quando não as cumprimos ele nos cobra. A pessoa prometeu que faria um curso de Inglês e não fez; toda vez que ela passar em frente a uma escola de idiomas seu cérebro lhe cobrará. Muita gente usa a mente em demasia, com promessas em vez de ocupar com planos de futuro que realmente pretende realizar. Tudo que fazemos sob pressão nos causa um aprendizado incompleto, realizamos apenas para nos livrar da situação e, com o passar do tempo, percebemos que vivenciamos um conhecimento que não se perpetuou.

Qual é o preço que se paga por não agir? Quais as conseqüências para as pessoas que não colocarem a ?mão na massa? ou não agirem efetivamente?
A conseqüência é uma só: se a pessoa não fizer, ninguém fará por ela e nada acontecerá, só podemos dizer que estivemos em algum lugar se nossos pés realmente pisaram por lá.

E pessoas que fazem o contrário: agem sempre, mesmo sem saber por quê. Isso é bom ou ruim?
Ação sem direção não leva a lugar algum. Antes de agir é preciso muita concentração e foco naquilo que se deseja cumprir. Cantar sem saber cantar não significa que a pessoa canta.

Como encontrar um equilíbrio entre agir e não acabar fazendo tudo de maneira desenfreada, desperdiçando esforços?
O equilíbrio está no bom senso e na qualidade do nosso comportamento. Quando não há um planejamento, uma avaliação de resultados ou mesmo uma simulação dos resultados antes da ação, as coisas podem ficar ruins. Simular resultados é uma boa técnica. A simulação de resultados nos poupa de decepção, de muitos erros e nos deixa próximos daquilo que realmente queremos.

Qual é a importância da motivação para que se consiga essa etapa tão importante que é a de realizar as coisas?
Motivação é um fator delicado e importante. Mais delicado que importante, afinal existe muita gente motivada batendo de frente com um paredão, pois pessoas indevidamente motivadas podem também causar efeitos desastrosos. Se uma pessoa está motivada, mas faz escolhas erradas, mesmo atuando com motivação, o resultado não virá. A motivação precisa estar centrada no alvo correto, é como estar motivado para amar e entregar esse amor a uma pessoa errada. Motivar-se é ter princípios, planejamento, determinação, conhecimento do processo de atuação e muita disciplina no caminho daquilo que deseja atingir.

Qual é a melhor maneira de as pessoas desenvolverem continuamente sua motivação?
Grande parte das pessoas sofre de ausência de convicção. É como as religiões que possuem em suas orações: “Embora não sejamos dignos de nos dirigimos a Ti…”. Basta observar os candidatos a entrevista para empregos. Eles estão, na maioria das vezes, mais preocupados em impressionar o entrevistador do que em mostrar no que são bons. As pessoas não têm convicção se são bons pais, bons profissionais e, o que é pior, não têm convicção se realmente são capazes. Mais do que vencer é necessário se preparar para vencer. Isso significa estar sempre com a mente e o coração preparados para vencer desafios com convicção.

Quais são as principais coisas que os vendedores sempre falam que farão, mas acabam não fazendo? Como o ?não fazer? prejudica o trabalho dos profissionais de vendas?
Há vendedores que falam demais, se vangloriam demais. Falam que praticarão o treinamento de que participaram e não praticam, terminam sempre fazendo do seu jeito. Do seu jeito é bom, mas essa história nem sempre tem um final feliz. Na verdade, eles dizem muito pouco sobre o que realmente pretendem fazer. Em vez de vender, auxiliam na compra e apenas isso. Há muito tempo não vejo um profissional que desperte uma necessidade no cliente. Tem vendedor que parece mais um garoto-propaganda de tecnologias agregadas do que um profissional conhecedor de seus produtos. Há poucas semanas, um vendedor me deu uma aula sobre seu BlackBerry, mas quando lhe fiz uma pergunta mais técnica sobre seu produto ele amarelou. Falta audácia para aprender tudo sobre o produto e saber realmente oferecer vantagens ao cliente, falta audácia para terminar com o papo que desconto vende ou que só pode vender se der desconto, falta audácia para inovar em seu comportamento, falta audácia para ser realmente alguém que faz a diferença no mercado, para a empresa e para o cliente.

Visite o site: www.cesarromao.com.br

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima