Felicidade em vendas

12 reflexões para ser mais feliz na arte de viver e vender

Você sabe o que é felicidade profissional? Você é um gerente feliz? Um representante feliz? Um gerador de lucros feliz? Uma secretária feliz?

O que sabemos até agora é que ser feliz é uma conseqüência das características internas da personalidade e não de fatores externos como renda, sexo, idade e escolaridade. Atualmente, quais são as características dos profissionais muito felizes? Baseado em minhas observações, são as seguintes:

1. Os cérebros felizes sabem que a felicidade não está relacionada à renda ou à fama: pesquisas já mostraram que há ricos infelizes e pobres felizes. Há pessoas famosas, como atores globais, que são infelizes e há anônimos clássicos, como serventes de pedreiros, que são felizes. Para ser feliz em vendas, você deve esquecer as piadas ordinárias (dinheiro não traz felicidade, mas manda buscar; é melhor chorar com grana no bolso; a felicidade está nas pequenas coisas: um pequeno milhão de dólar, um pequeno navio, uma pequena mansão, etc.). A verdade é que se você se concentrar no dinheiro, perderá as metas, mas se você se concentrar nas metas, ganhará dinheiro. Lembre-se: a meta suprema não é vender, mas fazer o outro feliz para você ser feliz. Observe que a maioria pensa o contrário: primeiro serei feliz e, depois, farei o outro feliz. Não é não. Primeiro procure fazer o seu cliente feliz e, quando isso acontecer, você ficará feliz.

2. Os profissionais felizes não se preocupam demasiadamente com a auto-imagem porque possuem uma auto-estima elevada. Eles sempre acreditam que podem superar dificuldades, não são discriminadores e estão sempre prontos para fazer novas amizades todos os dias. Pessoas felizes não estão preocupadas em decifrar se é melhor fazer o que se gosta ou gostar do que se faz. Para elas, o importante é gostar de si apaixonadamente. Como é possível ter paixão por vendas se você não tem paixão por si mesmo? Por pensarem assim, as pessoas felizes têm um alto nível de auto-exigência, enquanto as infelizes querem fazer bem-feito o que é apenas necessário.

3. Os felizes são mais entusiasmados que os outros, não necessariamente mais otimistas. Pode ser hipocrisia afirmar que se é otimista quando milhares de crianças morrem de fome no mundo, e os governantes não têm vontade política. E, apesar disso, os felizes fazem a sua parte com entusiasmo, empreendem e vendem com confiança e, por isso, são competitivos, assertivos, proativos e bem-sucedidos.

4. Pessoas felizes sabem que não há felicidade na rotina e, por isso, sentem-se capazes de criar situações inovadoras. Para ?motivar? os empregados a trabalhar na rotina com entusiasmo, as empresas usam motivadores externos como premiação, bônus, marketing de incentivo e outros, mas as pessoas felizes disparam nelas mesmas o maior motivador interno, que é a necessidade de produzir descobertas, buscar a originalidade no corriqueiro ou inventar uma nova técnica para encantar o cliente.

5. Os gerentes e vendedores felizes não são impulsionados pela idéia de surpreender seus chefes e superiores, mas estão interessados em surpreender a si mesmo a cada dia, visita ou ação. Qual o segredo, deles? As pessoas felizes querem se auto-emocionar. Os indivíduos apenas ótimos querem encantar o cliente, já os felizes querem encantar a si mesmos.

6. Aristóteles quis simplificar demais o assunto quando disse que felicidade é ter o que fazer. É muito mais que isso: felicidade não é ter, é ser. Antes de ter clientes é preciso ser amigo. E antes de ter dinheiro é necessário ser solucionador de problemas. Para a felicidade na vida e na venda o ser vem sempre antes do ter.

7. Para ser feliz é preciso ter uma saúde de ferro e uma memória de barro, ou seja, um corpo fantástico e uma lembrança negativa péssima. As pessoas infelizes recordam: ?Não vendi porque o cliente disse que o meu concorrente tem melhor preço?. As felizes pensam: ?Mostrarei para esse cliente as 12 vantagens competitivas da minha empresa e as 9 características diferenciais de meu produto/serviço?. Pode anotar aí: memória negativa alta ? é tudo que você precisa para continuar infeliz na vida e na venda.

8. A epidemia do pessimismo bloqueia a visão da felicidade. Como é possível ser feliz se você está consciente de que o aquecimento global destruirá o planeta, que a internet, ?infernet? ou ?ameaçanet? tirarão pontos mercadológicos de sua empresa e que o futuro será uma desgraça? As pessoas felizes sempre estão envolvidas com uma causa de responsabilidade social, mas sabem que não é possível reinventar o futuro do mundo, então, elas se reinventam para o futuro delas.

9. Você já viu uma criança buscar a felicidade? Elas apenas são felizes e pronto. Um gatinho corria em círculos atrás de sua própria cauda. Quando um gatão experiente perguntou porque ele agia assim, o gatinho falou: ?É que me disseram que a felicidade está na pontinha da minha cauda, por isso estou tentando pegá-la. O gatão velho respondeu: ?Quando tinha a sua idade me disseram o mesmo, mas hoje entendo que se a felicidade está na ponta da minha cauda, não preciso pegá-la, pois ela já está lá.

10. Felicidade é uma escrivaninha muito pequena e uma grande lata de lixo ? comentou, uma vez, Robert Orben. Talvez seja essa a grande sacada. Para um profissional ser feliz é preciso uma grande lata de lixo para jogar a idéia de que o mercado está parado, que os clientes são estressantes, que o dinheiro está fugindo de nós e que todas as vacas estão indo para o brejo da inadimplência. Para que uma escrivaninha pequena? Para se ter apenas uma idéia: a de que perdemos as pequenas alegrias da vida, enquanto aguardamos a tal da grande felicidade. É preciso valorizar agora as pequenas alegrias da confraternização com os colegas, os pequenos detalhes da venda que fazem a grande diferença e os pequenos momentos de contribuição que fazem acontecer os resultados.

11. Particularmente, penso que felicidade é você conhecer seu potencial, aceitar suas próprias limitações e gostar delas. Muitos livros de auto-ajuda dizem o contrário disso e nos estressam. Amar seus próprios limites talvez seja uma das colunas desse bem-estar subjetivo que chamamos de felicidade. Reconheça que há mercados, casamentos e negócios que não são mesmo para você, embora a lei da atração me contradiga.

12. Por fim, as mentes felizes possuem uma experiência de transcendência, ou seja, elas têm, sim, medo dos acontecimentos negativos da vida, mas a seguir engatam a coragem para agir na direção das forças positivas. Eles sabem que é possível (embora não provável) que o próximo avião exploda dentro de sua casa, mas elas entendem que o Eterno está no comando e isso basta para o início do processo da felicidade. Hoje, você fracassou em vendas? Ótimo. Você perdeu um avião excelente. Mas há outros que não cairão e estão esperando por você lá no aeroporto da auto-realização. Se o Eterno estiver na direção, você decola e chega melhor e mais feliz.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima