Fragrâncias tornam-se estratégia de marketing

Quando uma pessoa entra num ambiente aromatizado, seu cérebro imediatamente ativa o sistema límbico, responsável pelas emoções. Sempre que essa pessoa sentir o mesmo cheiro, automaticamente lembrará daquele lugar ou de determinado produto. Quando uma pessoa entra num ambiente aromatizado, seu cérebro imediatamente ativa o sistema límbico, responsável pelas emoções. Sempre que essa pessoa sentir o mesmo cheiro, automaticamente lembrará daquele lugar ou de determinado produto. Cria-se, então, uma identidade olfativa que podemos chamar de logolf. A sua criação, associando fragrâncias a marcas ou produtos, tem se revelado um recurso de marketing cada vez mais eficiente para a fidelização e a captação de clientes e, no Brasil, já há algum tempo, existem empresas apostando e investindo nisso.

As fragrâncias podem ser adaptadas para atender os mais distintos conceitos, de acordo com a necessidade e o objetivo de cada cliente, possibilitando a criação de identidades olfativas com total exclusividade para os mais diversos segmentos corporativos. Mas, para se chegar a uma identidade olfativa, é preciso estudar o ambiente a ser explorado, o público-alvo a ser atingido e o resultado esperado. Concluído o estudo e realizada a ação, o marketing olfativo se revela como o grande diferencial na disputa entre empresas, principalmente nos casos em que produtos e serviços oferecidos são semelhantes aos do concorrente.

São as grandes lojas do varejo ? de calçados a chocolates, de artigos esportivos a joalherias ? que se destacam entre os maiores praticantes e muitas acabam criando subprodutos com a mesma fragrância, reforçando ainda mais a sua identidade olfativa.

Por exemplo, nascida no estado do Rio Grande do Sul, na cidade de Novo Hamburgo, a rede de lojas de calçados Via Uno desenvolveu um logolf e os bons resultados obtidos fez com que a empresa levasse sua fragrância para todas as suas unidades distribuídas pelo mundo. Como as fragrâncias tipicamente brasileiras são exóticas aos estrangeiros, o sucesso também se repetiu lá fora.

Mas a aromatização de ambientes não está restrita apenas a lugares fechados e pequenos ou aos pontos de venda. É possível fazer o marketing olfativo em ambientes amplos ? como o Teatro HSBC, na cidade de Curitiba, que tem suas dependências aromatizadas com uma fragrância capaz de provocar sensação de bem-estar aos freqüentadores ? e também ao ar livre. O potencial de mercado, portanto, é muito amplo e diversificado, abrindo caminho para uma nova forma de agradar o cliente e de manter-se presente em sua memória.

Julio Yoon é diretor da BioMist, empresa que há seis anos trouxe para o Brasil o conceito de marketing olfativo. ?Na fábrica fazemos cosméticos, na loja, vendemos esperança? ? Charles Revson

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima