Gestão da inovação

O marketing está evoluindo, e os quatro Ps ganharam a companhia da gestão da inovação. Preços, produtos, promoção e praças de distribuição, os quatro ?Ps? tradicionais do marketing evoluíram ultimamente. Hoje também temos o P de pessoas, o P de política e já tem gente falando de mais alguns. Mas o que há de realmente novo acontecendo no mundo dos marketeiros é outra coisa, é a gestão da inovação, a vedete do momento dentro das empresas.

Aliado ao espírito do tradicional P&D (setor de pesquisa e desenvolvimento), o marketing tem a nobre incumbência de criar estratégias que unam os novos produtos e serviços criados corporativamente aos nichos de mercado existentes, nos quais há menos resistência à aceitação da inovação e, conseqüentemente, mais resultados em curto prazo. Se esses resultados aparecem, justificam rapidamente os investimentos em inovação, daí a necessidade da identificação do nicho.

Traduzindo em miúdos, a tarefa é a seguinte: encontre a melhor e mais rápida maneira de vender essa novidade. Apesar de parecer simples, essa missão exige muito conhecimento explícito e tácito do gestor da inovação, não é trabalho para recém-chegados ao mercado. O conhecimento explícito é o que aprendemos nas escolas ou através de livros, ele é, digamos, ?teorizável?; já o conhecimento tácito aparece no dia-a-dia através da experiência do gestor e é dificilmente armazenado ou formatado para ser retransmitido, é a vivência com ele que o dissemina.

Olhar o produto ou serviço, descobrir o nicho para ele, adequar um ao outro, descobrir o caminho melhor, equilibrando o tempo e os riscos decorrentes exige, mais do que estudo e feeling, exige uma larga experiência nas diversas expertises envolvidas. Voltando aos Ps, é preciso ter em mente que inovação depende de pessoas, porque são elas que dão conta dos processos e, para preparar o ambiente para que as coisas fluam, deve-se estimulá-las através da motivação criativa e, ao mesmo tempo, focá-las.

A motivação criativa é gerada pela disseminação do comportamento criativo, esse assunto enquadra-se como conhecimento explícito e uma boa referência é o livro Criatividade: Abrindo o Lado Inovador da Mente (José Predebon ? Editora Atlas). Quanto à necessidade de foco, sabemos que sem uma referência histórica do produto ou serviço as pessoas tendem a conectá-los a tudo que pareça ?ter a ver? com o negócio. Isto gera grandes margens de erros estratégicos.

Imagine que o produto inovador necessite de uma equipe de vendas, mas não existirá na face da terra quem tenha experiência em vendê-lo, porque é justamente uma inovação. Então, o critério de experiência torna-se relativo na admissão dos vendedores. Automaticamente, tendemos a procurar profissionais que já venderam algo parecido, e isso pode ser esmagador para a estratégia, pois vícios, mal-entendidos e falta de adequação serão uma constante contra o sucesso do produto inovador.

O que fazer nesse caso? Deve-se abrir o leque de opções ao invés de fechar. No caso, bons vendedores de produtos nada parecidos com a inovação em questão serão mais fáceis de ser treinados. Parece um paradoxo, mas não é. Focar alguém é mais fácil do que mudar o foco de quem está ligado em outra coisa. Seria como pedir simultaneamente para dois atiradores acertarem um pato voando, sendo que o primeiro já estava acostumado a atirar em galinhas e o segundo estava apenas aguardando a ordem de tiro, observando a paisagem inteira.

Provavelmente o primeiro vai matar o primeiro pato, por já estar na posição de tiro, mas o segundo vai procurar entender melhor o vôo dos patos, seu comportamento, e vai ser mais eficiente no decorrer do tempo. A gestão da inovação não pode basear-se em pesquisas, porque elas envolvem coisas instituídas, e não o que é inovador, mesmo no caso de pesquisas qualitativas, as repostas serão sem profundidade ou sofrerão algum tipo de distorção (típica do nosso povo latino).

A melhor ferramenta de marketing é a execução de testes, em que podemos utilizar a tecnologia a nosso favor, por exemplo, através das pesquisas com câmeras, que registram comportamentos nas reações do consumidor sem interferência, mas isso está restrito a produtos de consumo, em que existe a experiência com eles. Produtos e serviços business to business sugerem avaliações através de pilotos, nas quais a avaliação é mais complexa.

Após conseguir montar uma equipe para vender os frutos da inovação, entramos na segunda fase: dar conhecimento a ela, primeiro sobre o produto ou serviço, suas características e aplicações, segundo sobre o nicho encontrado no mercado, como ele se comporta, qual sua relação dentro do segmento de atuação e quem são as pessoas certas para conversar. Esse é um detalhe importantíssimo, descobrir as pessoas certas para vender, afinal elas estarão apostando na inovação, correndo riscos, e não é qualquer profissional que coloca seu emprego ou negócio em risco.

O perfil desses profissionais/clientes/prospects é bem específico, são pessoas que se articulam bem onde trabalham e sabem acumpliciar seus superiores/investidores nos novos projetos. São pessoas seguras do que estão fazendo e podem colaborar no processo sugerindo mudanças e melhorias sobre o produto. Haverá, inevitavelmente, os casos de profissionais empolgados, mas sem preparo para consumir a inovação, essas serão as piores vendas, caso ocorram problemas eles tenderão a colocar todo o ônus sobre o fornecedor, rompendo uma relação imediatamente ou esticando o problema e tentando adaptar as coisas ao seu interesse.

No primeiro caso a porta se fecha, no segundo o custo de desfocar e retrabalhar o produto acaba não compensando, chegando a dar prejuízo. A inovação deve conter na sua estratégia o custo do processo de aprendizado do mercado. Se apenas impulsionamos as vendas, estaremos transformando o que poderia ser durável em um modismo, coisa passageira, com lembranças ruins e grandes chances de também contaminar a imagem da empresa como um todo.

O ditado dos 5% de inspiração e 95% de transpiração para a implantação de uma idéia é facilmente comprovado na gestão da inovação. Historicamente as grandes idéias que não tiveram uma estratégia de implantação não deram certo, ou pior, foram ?roubadas? por quem sabia fazer a inovação acontecer. Essa é a maior justificativa para o P&D convocar o marketing para fazer a gestão da inovação, viabilizando-a.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima