Grandes Idéias em Marketing – março de 2008

Carona no sapato
Experiência

A empresa americana Marshalls teve a idéia de mandar construir um carro no formato de um sapato para circular pelas ruas das cidades onde está situada. A ação, no mínimo curiosa, veio acompanhada por mulheres de roupão desfilando pelas ruas, prêmios de mil dólares em compras ou uma tonelada de sapatos. Entretanto, isso não significa que se você é, por exemplo, vendedor de computadores deve construir um carro no formato de um PC ou notebook. Você deve se preocupar em desenvolver ações promocionais que chamem a atenção das pessoas, algo que fique gravado na mente delas ? uma experiência única.

Coco na serpentina?
Participação de mercado

Um homem estava na praia se refrescando com uma água de coco e aproveitou para observar o trabalho da pessoa que vendia o produto. Ele identificou que o processo manual era muito moroso. Então, percebeu que o vendedor conseguia vender no máximo dez cocos a cada 15 minutos. Ele não se conformava com aquela situação do vendedor, que tinha muita demanda e não conseguia supri-la. Foi aí que ele teve a idéia de associar a tecnologia da serpentina que gela chope ao coco. Através de um cilindro pontiagudo o coco é furado e seu líquido despejado em um recipiente refrigerado. A partir daí, bastava abrir a torneirinha, encher uma garrafa plástica e pronto. Está achando algo familiar? Se você pensou em Coco Express, acertou. Essa história se refere ao fundador da Coco Express ? empresa que possui mais de quatro mil pontos-de-venda e que já exportou sua tecnologia para 14 países.

Compre, leve e monte
Facilidade de acesso

A partir de uma grande invenção da gigante Ikea, o mercado de varejo passou a contar com o conceito de auto-serviço de móveis de bom design a preços acessíveis. Essa empresa varejista disponibiliza os móveis no ponto-de-venda, já embalados e fabricados de tal forma que o próprio cliente pode montar, seguindo o manual. E não pára por aí. O cliente escolhe o que quer, tirando suas dúvidas nos painéis dispostos ao longo da loja; neles estão contidas fotos dos produtos, detalhes técnicos e listas de preços. E a melhor parte: o cliente coloca a mercadoria no carrinho, dirige-se ao estacionamento, carrega o produto e vai embora. Para o cliente isso acaba se tornando uma diversão e para a empresa uma economia de proporções astronômicas. Esse case demonstra que através de uma única ação é possível resolver vários problemas.

Como anda o atendimento da sua empresa?
Difícil de ser copiado

Quantas vezes você esteve em um restaurante e chegou a ficar com o braço amortecido por suspendê-lo por um período muito longo e não conseguiu chamar o garçom? Existem pessoas que desistem de consumir algo a mais, pelo simples fato de não serem atendidas. De fato, é muito desagradável passar vergonha e nervoso ao tentar chamar um garçom desinteressado. Para acabar com esse problema, um restaurante em Nuremberg, na Alemanha, substituiu os tradicionais garçons por um sistema digital de pedidos e serviço de mesa. O cliente chega, escolhe uma mesa e por meio de um monitor LCD com um sistema touch screen (toque de tela) faz o seu pedido, que automaticamente cai no sistema da cozinha, localizada acima do restaurante. Os pedidos descem em uma espécie de elevador, diretamente em suas mesas. Os clientes, além de não correrem o risco de serem mal atendidos, acabam vivendo uma experiência diferente e divertida. Além disso, o restaurante ainda deu trabalho para a concorrência, pois criou algo difícil de ser copiado.

Consulta fast-food
Inovação

Mude a dinâmica de como você executa e entrega um serviço para o seu público e descubra um novo nicho de mercado, além de despertar a atenção de grandes investidores. É o que estão fazendo algumas clínicas médicas dos Estados Unidos. Apelidadas de McClínicas, essas empresas criaram uma forma de atendimento baseada no conceito de fast-food. Localizadas em shoppings e supermercados como Wal-Mart, elas atendem pacientes com problemas relativamente simples, como resfriados e cobram metade de uma consulta convencional, prometendo liberar o cliente em cerca de 15 minutos. Dois exemplos desse movimento são a MinuteClinic ? comprada pela cadeia de farmácias CVS ? e a RediClinic. Esse é um exemplo de um velho ditado, após uma pequena atualização: ?Nada se cria, tudo se transforma?, que mostra que ao mudar a dinâmica é possível, em uma só tacada, gerar conveniência, reaproveitar um conceito de sucesso e atender à expectativa do cliente.

Visite os sites: www.minuteclinic.com
www.rediclinic.com

A cada três meses, uma nova direção
Diferença dramática

GrandOpening é um espaço criado em Norfolk Street, Nova York, para mudar a dinâmica comercial de sua região. Trata-se de uma pequena loja que a cada três meses é reaberta com uma nova proposta. Atualmente, é um salão de pingue-pongue com uma mesa em que se paga seis dólares por 20 minutos de jogo ou 50 dólares por uma hora com direito a gravação da partida, arquibancada, telão de projeção e ainda a inclusão do vídeo no YouTube. Para quem quiser jogar pingue-pongue é bom aproveitar, pois daqui a alguns meses pode ser que os irmãos Ben e Hall Smyth ? donos do espaço ? tenham resolvido abrir um novo negócio, fora da expectativa de qualquer freqüentador da região.

DICA PRÁTICA

Liste os benefícios e características do seu produto ou serviço em relação aos concorrentes. Depois, relacione aquilo que só você possui em detrimento dos demais. Esse exercício vai ajudá-lo a achar algo que só você tem e nenhuma outra empresa possui: a diferença dramática.

As ofertas na mão do cliente
Tíquete-médio

Quer uma solução para o crescimento do faturamento a curto prazo? Simples, faça seu cliente gastar mais que de costume. E isso não significa aumentar o valor de seus produtos, mas fazer seu cliente comprar mais ? como alguns supermercados americanos fazem com a nova mídia modstream. Trata-se de um display digital fixado nos carrinhos de compra, que se comunica sem fio com uma central, transmitindo mensagens e, possivelmente, ofertas direto na mão dos clientes que estão no supermercado. O sistema ainda está sendo testado nas lojas da rede americana Home Depot, mas a tecnologia já está bem avançada; a bateria, por exemplo, dura cinco anos. Como é um sistema de mídia independente, outros anunciantes também podem divulgar.

Sustentabilidade ? Consciência no banheiro

Poucas vezes testemunhamos ações de marketing de guerrilha que aliem a mensagem à missão da empresa. Nesse caso, a ONG Worldwide Fund for Nature (WWF) criou uma ação fantástica para ilustrar aos freqüentadores de banheiro que o uso irracional das toalhas de papel pode custar, a longo prazo, a ecologia de toda uma região do planeta.

E o mais interessante, criou uma ação diretamente ligada a sua missão: ?Contribuir para que a sociedade brasileira conserve a natureza, harmonizando a atividade humana com a conservação da biodiversidade e com o uso racional dos recursos naturais, para o benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações?.

Visite o site: www.wwf.org.br

Grandes números

1 bilhão de reais ? é a estimativa de faturamento recorde das lojas virtuais no Brasil em vendas deste Natal. Fonte: Notícias da e-bit.

13,5 bilhões de dólares ? é o faturamento mundial da Nike. Fonte: Jornal O Estado de São Paulo. 3 milhões ? é o número de veículos comercializados no Brasil em 2007. Fonte: Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Frase

?Inventor é um homem que olha para o mundo em torno de si e não fica satisfeito com as coisas como elas são. Ele quer melhorar tudo o que vê e aperfeiçoar o mundo. É perseguido por uma idéia, possuído pelo espírito da invenção e não descansa enquanto não materializa seus projetos?
Alexander Graham Bell

Back to business
De volta ao passado

Passeando no supermercado, vi uma embalagem que me chamou atenção. Não tinha cores fosforescentes, detalhes em glitter ou formato inusitado. Na verdade, ela era impressa em apenas três cores e tinha um design gráfico bem simples. A embalagem que se destacava no PDV era uma caixa de OMO comemorativa pelos 50 anos da marca no Brasil. O layout reproduzia o antigo rótulo, impresso com a tecnologia disponível na época e, mesmo assim, era a caixa que mais aparecia na gôndola: o sonho de qualquer designer. Por mais absurdo que seja, isso faz muito sentido. O fato é que todo mundo anda propondo ?diferenciais? idênticos para a comunicação das suas marcas. E nem a turma da criação nem as empresas estão tendo coragem para tentar o ?zig? e contrariar um padrão vigente de soluções ?zag?. O resultado é que aprendemos muito sobre inovação através da simplicidade ingênua de uma embalagem dos anos 50.

André Brik é designer e publicitário.
Visite o site: www.brik.com.br.
E-mail: [email protected]
Tel.: (41) 3339-8639

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima