Jornada na Maionese II

Para encerrar o assunto (levantando bons cometários, é claro!), damos início à última viagem na maionese sobre avanços tecnológicos. Antes de tudo, gostaria de dizer que recebi, para minha surpresa, inúmeros elogios (inclusive do meu grande amigo Enéas) e depoimentos como o que se segue abaixo. Dê uma olhada:

“Concordo plenamente com você. Houve um carinha importante há muitos anos que dizia ser o telefone uma invenção imbecil, afinal, quem compraria um objeto pra falar com alguém no Nepal da Alemanha?

Hoje, graças a essa imbecilidade, posso encomendar uma pizza e passar uma tarde agradável com meus amigos. É um exemplo pobre, mais é.

Na verdade há é uma nova concepção de tempo e informação. Tim Lopes morreu há pouco, e a pouco há imprensa internacional indignava-se. Basta perguntar a minha avó e ela me contará sobre suas idas ao cinema a assistir o Repórter ESSO ou escutar na casa dos poucos vizinhos que possuíam um Rabo-quente (aquele rádio velhaco que parece um criado mudo) e saber as últimas.

Pra mim, há e-mails, newsletters, TV a cabo, TV aberta, rádio, telefone (celular ou fixo), enfim: uma gama de possibilidades para me inteirar das novidades. Vi o surgimento do celular e maravilhei-me com sua portabilidade. Quem diria que o mesmo iria tirar fotos? E a quanto tempo houve este salto? Para os meus filhos, o que os aguarda?

O B2B, B2C cresce a passos magros, certo? É muito arriscado, dizem muitos. Em parte sim. Afinal, há mercado consumidor tão high-tec assim? Mas a geração Elroy será.

Enquanto procurava no site da Apple um representante carioca, um carinha me pergunta: “Por que os preços da internet são mais baratos (SIC)?” Porque não há intermediários? Porque posso comprar direto do fabricante um CD, sem preço de vendedor ou loja embutido na notinha? Sim.

Um pouco de investimento e a gravadora poderia gravar CDs somente quanto fosse realizado um pedido. Uma mochila virtual customizável só vira pano e couro e zíper quando você clicar em “Comprar”. Ao assistir um filme na WebTV, você vê um refrigerante e clica nele, algumas infos a mais e voilà! Refrescante e gostoso.

Avançadinho? Que nada. Não está muito longe. Está perto demais, como a mulher mais bonita da festa olhando pra você. “Não deve ser verdade.” Mas é. The Future Is Now. And Tomorrow Is Today. Basta querer!

Um site que recomendo é o Gorillaz. Feito em Shockwave Director, é possível caminhar pela gravadora, pixar o banheiro (essa não é a única atitude politicamente incorreta) enquanto escuta a banda como trilha sonora de sua diversão digital. Ao gostar do game, gosta-se também do som, que por acaso está no CD! Eu recomendei pra mais um. É viral. Não dá pra não ser.

Desculpe se me alonguei muito…. Se divaguei… Um abraço, Leandro Cardoso.”

Além disso, se você realmente está começando a se interessar por lojas 3D, acompanhe uma matéria sobre a explosão dos games do gênero publicada na edição da revista Veja nº 1760 (17/07/02).

Também gostaria de sugerir uma olhada no site de José Wirkus Neto, que está produzindo um seriado totalmente em computação gráfica 3D intitulado “Garotas no Espaço“. É meio machista, tem alguns detalhes para consertar na homepage, mas vale pela curiosidade de conferir um trabalho tupiniquim de coragem.

Um grande abraço a todos e até a próxima e-zine. Ah! E não esqueça de aprender e se divertir com os novos artigos do canal de Webmarketing desta semana.

Conteúdos Relacionados

Rolar para cima