Marketing médico

Traduza seu produto ou serviço, aprenda a fazer o marketing dele e venda mais A platéia reagiu com espanto quando afirmei que, ao contrário do que acontecia há 50 anos, as pessoas já não estavam interessadas na cura das doenças. Um grupo de médicos e diretores de clínicas e hospitais era meu público ali, e obviamente eu não falava de medicina, mas de marketing.

Expliquei que para o cliente uma máquina de café na sala de espera pode criar uma percepção de modernidade maior que o equipamento de diagnóstico de um milhão instalado no porão. O cliente atual pensa em saúde e qualidade de vida. Há cinco décadas, ele pensava em doença e morte.

Até a percepção da morte mudou. Qualquer médico concordará que hoje é muito mais difícil avisar os familiares que o paciente morreu do que era no passado. A nova geração cresceu ganhando vidas extras nos videogames e assistindo a cura para todos os males no Discovery Channel. Para ela, não existe a possibilidade da morte, e se ocorrer só pode ser erro médico.

Há 50 anos, os antibióticos eram manchete, transplantes eram ficção e as pessoas iam ao médico para fugir da morte. Hoje, elas vão ao médico em busca de qualidade de vida, renovação estética e felicidade longeva, os consultórios viraram confortáveis salas de estar e as manchetes reservaram seu espaço para as pílulas azuis.

O médico não poderá continuar atendendo como no passado. Agora ele está competindo com o celular, automóvel ou aquele spa em uma ilha paradisíaca, todos prometendo uma vida feliz e cheia de significado.

É claro que nos bastidores a medicina continua a mesma, muito mais moderna, o que muda é a forma de traduzir isso para o cliente, pois hoje o que ele quer é ser feliz. Como fazer essa tradução? É aí que entra o marketing médico.

O marketing começa com um diagnóstico, algo que todo bom médico é capaz de fazer. Qual é o seu mercado ? leia-se pessoas ? e o que ele deseja? Uma vez detectadas as necessidades, desejos e expectativas das pessoas, o próximo passo é descobrir quais competências do médico podem ser traduzidas como benefícios para esse mercado.

Digamos que minha especialidade seja curar unhas encravadas. Há 50 anos, eu me dava muito bem fazendo só isso, mas hoje descubro que existe um número maior de pessoas interessadas em ter pés lindos, saudáveis e sensuais do que meramente tratar de unhas encravadas. Essa passa a ser a nova roupagem de meus serviços, ainda que eles incluam unhas encravadas.

Os puristas ficam arrepiados só de ouvirem falar em uma medicina com tanto glacê assim. Entretanto, estou falando de tradução, de transformar a indecifrável letra de médico em uma experiência legível de satisfação para o cliente.

Seu cliente deseja qualidade de vida, estética e longevidade? Traduza sua especialidade para essa roupagem.

A propaganda do Aero-Willys na TV dos anos 60 mostrava o carro em uma empoeirada estrada de terra, enquanto o locutor anunciava: ?Com vocês, o novo astro?. A mensagem continuava com adjetivos como linhas deslumbrantes, valente e seguro. O importante era o carro, o ser humano era mero coadjuvante.

As propagandas de carro continuam, porém agora as pessoas ganharam status de astros. O carro passou a ser um meio, não de transporte, mas de garantir felicidade, prazer e sucesso. O importante é o que as pessoas desejam ? e pode ter certeza de que não é motor, câmbio e pneus.

No caso do marketing médico, não se trata de criar uma miragem para enganar as pessoas, mas de se reinventar e mudar sua forma de se comunicar com seu cliente, impregnando seu serviço com a fragrância de seu caráter, personalidade e atitude.

À medida que a tecnologia vai invadindo a medicina, auxiliando o médico no diagnóstico e tratamento, mais o seu cliente irá querer encontrar, não uma máquina, mas um rosto humano e empático. Alguém que possa lhe assegurar que está fazendo o possível para que ele viva uma vida bela, feliz e saudável. Não é isso o que todos desejam? Então, traduza nesses termos o que você faz.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima