Mau humor infantil um desafio para os pais

Mesmo sem as responsabilidades de um adulto e rodeada de carinho, amor e atenção, uma criança pode ter momentos de mau humor. É uma atitude normal quando a “”cara fechada”” é resultado de uma briguinha qualquer, de um desejo não satisfeito, ou mesmo de uma repreensão dos pais Mesmo sem as responsabilidades de um adulto e rodeada de carinho, amor e atenção, uma criança pode ter momentos de mau humor. É uma atitude normal quando a “cara fechada” é resultado de uma briguinha qualquer, de um desejo não satisfeito, ou mesmo de uma repreensão dos pais.

Entretanto, o mau humor é preocupante quando se torna uma constante na vida da criança e do adolescente. Pode ser um sintoma de que algo está errado nas relações familiares ? ou de que a inserção social não está ocorrendo de forma normal ou adequada.

Nossas crianças enfrentam exigências cada vez maiores, recebendo um volume crescente de informações diárias, positivas ou negativas. Vivem mergulhadas em uma sociedade consumista e de imensa concorrência. Nem sempre ou quase nunca elas conseguem entender o que está produzindo essa emoção.

Tudo isso mexe com os sentimentos e afeta o comportamento. Se já é difícil lidar com o mau humor da menina que ainda não tem aquele celular que sua amiguinha já comprou, dá para imaginar a complexidade do mau humor e negativismo gerados pela morte trágica e violenta de um colega.

Acredito que os pais sabem identificar quando o mau humor é algo passageiro. Mesmo assim, aqui vão algumas dicas especiais:

· Quando você perceber em seu filho que esse comportamento é constante e presente nas mais diversas situações, procure ajuda de um especialista.

· Na relação familiar, o fato pode ser atenuado quando os filhos tiverem total confiança em expor seus sentimentos, sem receio de ser abandonados.

· O mau humor também é uma forma de expressar sentimentos e, antes de reclamarem, os pais devem procurar entender o que o gerou.

Frase: ?Ou o rei ou o aldeão, é feliz aquele que tem a paz no lar? ? Goethe

Graziela Zlotnik Chehaibar é psicóloga e mediadora familiar. E-mail: [email protected] Fone: (11) 3825-3397.

Conteúdos Relacionados

Dica número 1 de liderança em vendas

Volta e meia recebo perguntas como esta: “Raul, se você pudesse me dar só uma dica sobre como ser um gestor melhor, qual seria?”

Procuro evitar responder questionamentos como este porque eles costumam vir de alguém que está procurando um atalho ou uma pílula mágica, mas a verdade é que sempre existe mais de uma opção para resolver um problema ou desafio – por isso mesmo, buscar uma única ferramenta milagrosa raramente traz os melhores resultados.

Continuar lendo
Rolar para cima